4.2.06

Tear down this wall

A ética islâmica e a emergência do terrorismo

Liberdade de Expressão em Londres

Liberdade de Expressão em Londres (5)

Liberdade de Expressão em Londres (4)

Liberdade de Expressão em Londres (3)

Liberdade de Expressão em Londres (2)

Liberdade de Expressão em Londres (1)

A protestor demonstrates in front of the French Embassy, over the publication of cartoons of the Prophet Mohammad, in London February 3, 2006. The cartoons, which are due to be re-published in French newspapers on Saturday, have sparked outrage across the Islamic world, although Britain's normally provocative newspapers have so far refused to publish them.
Fonte: Yahoo! News

Quem é Ahmed Abu Laban?

...

The images, considered blasphemous under Islam, have drawn rebuke from the Muslim minority especially with the paper's adamancy to apologize on the ground of freedom of expression.

"We want to internationalize this issue so that the Danish government would realize that the cartoons were not only insulting to Muslims in Denmark but also to Muslims worldwide," said Abu Laban.

Denmark Updates, American Thinker, 02-02-2006:

Why have the protests erupted from Muslims worldwide only now? The person who knows the answer to this question is Ahmed Abdel Rahman Abu Laban, a man that the Washington Post has recently profiled as “one of Denmark’s most prominent imams.”

Last November, Abu Laban, a 60-year-old Palestinian who had served as translator and assistant to top Gamaa Islamiya leader Talaal Fouad Qassimy during the mid-1990s and has been connected by Danish intelligence to other Islamists operating in the country, put together a delegation that traveled to the Middle East to discuss the issue of the cartoons with senior officials and prominent Islamic scholars. The delegation met with Arab League Secretary Amr Moussa, Grand Imam of Al-Azhar Sheikh Mohammad Sayyed Tantawi, and Sunni Islam’s most influential scholar, Yusuf al Qaradawi. “We want to internationalize this issue so that the Danish government will realize that the cartoons were insulting, not only to Muslims in Denmark, but also to Muslims worldwide,” said Abu Laban.

On its face, it would appear as if nothing were wrong. However, the Danish Muslim delegation showed much more than the 12 cartoons published by Jyllands Posten. In the booklet it presented during its tour of the Middle East, the delegation included other cartoons of Mohammed that were highly offensive, including one where the Prophet has a pig face.

But these additional pictures were NOT published by the newspaper, but were completely fabricated by the delegation and inserted in the booklet (which has been obtained and made available to me by Danish newspaper Ekstra Bladet). The delegation has claimed that the differentiation was made to their interlocutors, even though the claim has not been independently verified. In any case, the action was a deliberate malicious and irresponsible deed carried out by a notorious Islamist who in another situation had said that “mockery against Mohamed deserves death penalty.” And in a quintessential exercise in taqiya, Abu Laban has praised the boycott of Danish goods on al Jazeera, while condemning it on Danish TV.

Peaceful demo in Kuwait; Ring of protests ring world, Arab Times, 04-02-2006:

In London, hundreds of Muslims converged on Denmark’s Embassy and burned the country’s flag Friday to protest the caricatures. Women wearing headscarves chanted and held banners proclaiming: “Kill the one who insults the Prophet.”

“The only way this will be resolved, is if those who are responsible are turned over so they can be punished by Islamic law, so that they can be executed,” said Abu Ibraheem, 26, from Luton. “There are no apologies... Those responsible would have to be killed.”

As if to sum up the cultural rift between Islam and the West, outspoken imam Ahmed Abu Laban told worshippers at Friday prayers in a Copenhagen mosque: “In the West, freedom of speech is sacred; to us, the prophet is sacred.

É este o homem que hoje em Copenhaga condenava "vigorosamente" a violência.

Liberdade de Expressão na Jordânia

A Jordanian tabloid editor was arrested on Saturday after his newspaper published controversial cartoons depicting the prophet Mohammed.

(...)

On Friday, Jordan's King Abdullah II said: "insulting the prophet Mohammed is a crime that cannot be justified under the pretext of freedom of expression."

A cunning plot

Paralelos

Outras imagens ofensivas para o Islão (2)

Several thousand Syrian demonstrators set the Danish and the Norwegian embassies on fire on Saturday to protest at the publishing of cartoons of the Prophet Mohammad by European newspapers.
E agora, Europa?

Outras imagens ofensivas para o Islão

Sobre o Islão e os cartoons de Maomé

Sinais

Defense Secretary Donald H. Rumsfeld urged America's allies to increase their military spending to prevent the rise of a "global extremist Islamic empire."

He also urged the world to work for a "diplomatic solution" to halt Iran's nuclear program.

"The Iranian regime is today the world's leading state sponsor of terrorism," he said in prepared remarks. "The world does not want, and must work together to prevent, a nuclear Iran."

O exemplo da Somália

El líder de las cortes islámicas de Mogadiscio (Somalia), Sharif Sheikh Ahmed, instó a lanzar una "Jihad" (guerra santa) contra quienes caricaturizan al profeta Mahoma. "Nos vengaremos de quienes se han burlado y maltratado la dignidad del Islam", afirmó Ahmed, quien advirtió que "todos los somalíes que trabajan con occidentales deben cesar esas tareas, pues si continúan en ellas, los castigaremos".
(agradeço ao leitor Rui Carmo a indicação)

Critérios...

"O Ministério da Educação (MEC) está avaliando com as universidades a criação de cotas para professores negros. O precedente já foi aberto pela Unemat (Universidade Estadual de Mato Grosso), que decidiu reservar 5% das vagas de docentes para os candidatos que se declararem negros ou pardos."

Universidade cria cotas para professores negros em MT

(via Terra)

A competência acadêmica está deixando de ser critério para a docência universitária no Brasil. Parece que uma declaração sobre a cor da pele vai acabar tendo mais valor do que a produção científica e a capacitação intelectual.

3.2.06

Os rabis canibais

On Wednesday, Syria became the latest Arab country to withdraw its ambassador from Denmark, saying publication of the cartoons "constitutes a violation of the sacred principles of hundreds of millions of Arabs and Muslims," according to SANA, the Syrian state news agency.

...

In Germany, the conservative Die Welt printed one image on its front page and declared in an editorial: "The protests from Muslims would be taken more seriously if they were less hypocritical. When Syrian television showed drama documentaries in prime time depicting rabbis as cannibals, the imams were quiet."
More European Papers Print Cartoons of Muhammad, Fueling Dispute With Muslims, New York Times, 02-02-2006.

Deus está (mais uma vez) confuso

Paulo, posso garantir-te que a indignação que possas a sentir sobre qualquer coisa qualquer tipo de ameaça de retaliação será sempre menor à indignação que um árabe sente com a representação da figura de Maomé.

Mapa da «Velha Europa»

«You are very white, I put you some cream»

«(...) Uma bandeira dinamarquesa queimada por fundamentalistas deveria ser um motivo de orgulho para os dinamarqueses e, já agora, para quem ainda acredita em alguma coisa neste pedaço de terra acoplado à Rússia (...)»

«(...) Não há Habermas que valha aqui (...)».

Rodrigo Adão da Fonseca

Uma notícia sóbria vale mais que mil cartoons escandalosos

...e têm a vantagem de não misturar o trigo do islão e dos protestos pacíficos com o joio do terrorismo e da violência.

Nota: Notícias de 3 de Fevereiro de 2006.

Uma visão liberal do Estado

The market, the real social institution, the fundamental social institution, has one terrific weakness. The weakness is not in the institution of the market but in the human beings who are operating on the market. There are people who do not want to comply with the fundamental principle of the market — voluntary agreement and action according to voluntary agreement. There are people who resort to violence. And there are people who do not comply with the obligations which they have voluntarily accepted in agreement with other people. The market, the fundamental human social institution cannot exist if there is not an institution that protects it against those people who either resort to violence or who are not prepared to comply with the obligations which they have voluntarily accepted. This institution is the state, the police power of the state, the power to resort to violence in order to prevent other people, ordinary men, from resorting to violence.
Fonte: Notes taken by Bettina B. Greaves during the Mises Seminar in New York in the 1960s

Criticar os liberais é belo mas Hayek ainda o é mais

Há que ser pragmático; evite-se idealizar cenários não concretizáveis; procure-se pensar e agir tendo em conta a realidade como ela é e não como pensamos que poderia ser; tente-se poupar os outros às nossas fantasias; reconheça-se que há causas perdidas.
De tudo isto estou avisado por aqueles que desde há muito tempo estão atentos às atribulações da humanidade e reconhecem a impotência dos comuns mortais para provocar mudanças.

De facto há poucas possibilidades de, alguma vez, Hayek me convidar para jantar.

A propósito dos "escandalosos" lucros da banca

Os neo-bárbaros

"In August 2001, Hamas sent a suicide bomber into a Sbarro pizzeria in Jerusalem. He killed 15 innocent Israelis, mutilating many dozens more.

A month later, Hamas student activists at al-Najah University in Nablus celebrated the attack with an exhibit, a mockup of the smashed Sbarro shop strewn with blood and fake body parts -- a severed leg, still dressed in jeans; a human hand dangling from the ceiling. The inscription (with a reference to the Qassam military wing of Hamas) read: "Qassami Pizza is more delicious."

The correct term for such a mentality is not militancy, not extremism, but moral depravity
."
Charles Krauthammer, Palestine Without Illusions, 03-02-2006. A ler na íntegra.

Desigualdade na América

Os resultados desastrosos das políticas neoliberais dos neoconservadores fundamentalistas

"The unemployment rate dropped to 4.7 percent in January, from 4.9 percent in December.

Job gains were fairly broad based, with employment growing in construction, manufacturing, professional and business services and education and health care. Those employment gains blunted job losses in retailing and government.

...Employees' average hourly earnings climbed to $16.41 in January, up 0.4 percent from December." [taxa anual de 4,9%]
[Fonte]

P.S. Déficit orçamental em 2005 = 2,6% do PIB (inclui algumas despesas relacionadas com furacão Katrina).

Brincando com fogo...

"Em fevereiro de 2005, a administração Bush anunciou sua intenção de vender 500 bombas anti-bunker a Israel. Parece que os Estados Unidos querem que Israel resolva a questão iraniana. Afinal, Israel é uma potência regional e tem fama de tomar ações rápidas e decisivas. Os muçulmanos já odeiam Israel, então, não haveria muito amor a ser perdido. Deixem os israelenses cuidarem do problema e levarem a má-fama. Depois a América conseguirá gerenciar as conseqüências, pacificando as iradas nações muçulmanas prometendo-lhes forçar Israel a sentar-se na mesa de negociações para a paz.

É inegável que o primeiro-ministro Ariel Sharon tenha ficado tentado pela oferta das 500 bombas, mas ele sabe que Israel ficaria econômica e diplomaticamente isolado após o ataque preventivo contra o Irã. Os reveses, nesta situação, seriam inaceitáveis. Então, Israel não bombardeia o Irã e mantém-se no processo de paz prescrito, enquanto o Ocidente tenta 'lidar' com o Irã diplomaticamente. É óbvio que a diplomacia não funciona com militantes lunáticos que acham que judeus e cristãos devam ser varridos do Oriente Médio."

Jeffrey Nyquist, "Brincando com fogo"

(via Mídia Sem Máscara)

Será que a "questão iraniana" será concluída nos próximos meses?

A NATO

A falsa moderação

There is a courageous wisdom; there is also a false, reptile prudence, the result not of caution but of fear.
Edmund Burke
Há um hábito muito português que é o da condescendência. Quem diga ou defenda algo diferente da maioria é no imediato catalogado de jovem, idealista e inexperiente. Como se a experiência fosse propriedade exclusiva de alguns e não estivesse ao alcance de todos. A condescendência é grave porque, baseando-se numa suposta precaução, confunde-a com indecisão quando, pelo contrário, a prudência pressupõe uma acção cautelosa e pensada.

A maioria das discussões sobre políticas mais liberais, assentam na sua razoabilidade. Este é um ponto muito importante porque aqui deve residir a distinção entre o irrealizável e o difícil. Ora, muitos dos intitulados realistas e prudentes que toleram a impertinência dos liberais, não fazem esta distinção. Porque são defendidas medidas difíceis, de imediato estas são qualificadas de irreais, com a subsequente acusação de os liberais estarem presos aos seus dogmas. A razão deste fenómeno deve-se à facilidade, esse preceito que tomou conta das nossas vidas. Apenas quando esquecermos a ideia de que nunca teremos uma vida fácil, perderemos o medo de tentar ter uma vida melhor. O único propósito que está ao nosso alcance.

Seguidores de Mgr. Lefebvre voltam ao seio da Igreja ?

  • Desde a passada 2ª feira, têm surgido notícias sobre um encontro de alto nível entre os seguidores do Mgr. Lefebvre em Flavigny (França) no qual estaria a ser discutida uma aproximação a Roma.

  • Ontem, um jornal italiano publicou a seguinte notícia: Pope, Curia to discuss reconciliation with SSPX

  • Esta aproximação estaria a ser feita em bases muito semelhantes àquelas propostas pelo Papa João Paulo II durante o Jubileu do ano 2000 (e que na altura foram recusadas pelos seguidores do Mgr. Lefevbre).

  • De acordo com as notícias publicadas, a visita ao Papa do superior da SSPX realizada no ano passado - a primeira visita desde as excomunhões de 1988 -, e o discurso do Papa à Cúria em Dezembro, no qual este fez várias referências ao Concílio Vaticano II, teriam tido um papel importante neste processo.

  • Aparentemente, existem algumas divisões dentro da SSPX no que diz respeito a esta aproximação: uma facção, próxima do actual superior da SSPX, pretende reconduzir a sociedade ao seio da Igreja, enquanto uma 2ª facção não aceita esta aproximação. Existem, portanto, riscos de cisão dentro da SSPX.
Ut Unum Sint.

O imprudente

Leitura recomendada

Contra a tirania islâmica

2.2.06

Liberalism, por Ludwig von Mises

The world has waited for a reprint but at last it is here: Mises's classic statement in defense of a free society, in print again. Here is the text that has been the conscience of a global movement for liberty, and for 80 years.
It first appeared in 1927, as a followup to his devasting 1922 book showing that socialism would fail, and also as a followup to his 1926 book on interventionism.

It was written to address the burning question: if not socialism, and if not fascism or interventionism, what form of social arrangements are most conducive to human flourishing? Mises's answer is summed up in the title, by which he meant classical liberalism.

Mises did more than restate classical doctrine. He gave a thoroughly modern defense of freedom, one that corrected the errors of the old liberal school by rooting the idea of liberty in the institution of private property (a subject on which the classical school was sometimes unclear). Here is the grand contribution of this volume.

"The program of liberalism, therefore, if condensed into a single word, would have to read: property, that is, private ownership of the means of production... All the other demands of liberalism result from his fundamental demand."


But there are other insights too. He shows that political decentralization and secession are the best means to peace and political liberty. As for religion, he recommends the complete separation of church and state. On immigration, he favors the freedom of movement. On culture, he praised the political virtue of tolerance. On education: state involvement must end, and completely.

He deals frankly with the nationalities problem, and provides a stirring defense of rationalism as the essential foundation of liberal political order. He discusses political strategy, and the relationship of liberalism to special-interest politics.

In some ways, this is the most political book of Mises's treatises, and also one of the most inspiring books ever written on the idea of liberty. It remains the book that can set the world on fire for freedom, which is probably why it has been translated into more than a dozen languages.

How marvelous that it is finally available to English audiences again!

Contra a Ciência não se discute!

Algo de errado...

Quando o chefe dos patrões da indústria afirma que é preciso cuidado ao privatizar algumas empresa estatais para salvaguardar o "serviço público" e o líder do maior partido da oposição propõe que o estado deve reforçar a sua posição de agência de empregos, é porque há algo de errado neste país.
Ainda acham que não vale a pena continuar a guerra das ideias?

Quiz liderança

A guerra contra a família e os novos "conservadores"

O modelo social francês é muito parecido com o português !

  1. A conjuntura económica e orçamental em França é negra.

  2. As causas desta estagnação foram identificadas há muito: "the weight of the public sector, high taxation, a rigid labour market."

  3. Sucessivos governos procuram implementar 'reformas estruturais' que permitam derrubar os pilares que sustentam a estagnação económica e promovam o equilíbrio orçamental: aumento da idade da reforma, taxas moderadoras na saúde, desregulamentação dos contratos de trabalho. Conclui o Economist: "Yet, in retrospect, these look like reformettes, not thorough overhauls."

  4. Apesar da timidez das reformas implementadas e dos fracos resultados obtidos, os governos são confrontados com greves, protestos, "movimentos de cidadãos pela poesia económica".

  5. Para por um pouco de água na fervura, o governo francês dá dois passos atrás e implementa medidas - aumento do número de funcionários públicos, esquema estatal de promoção do emprego - que são contraproducentes.
Um cenário não muito diferente daquele que a Srª Thatcher encontrou no Reino Unido em 1979...

Por este andar, Portugal arrisca-se a convergir rapidamente com a França. Quer em termos de políticas, quer em termos de resultados.

Um outro Guevara

Alvaro Vargas Llosa dá conta (via The Independent Institute) do que se passa na Costa Rica com o "Movimiento Libertario", cujo candidato às eleições presidenciais de 5 de Fevereiro é Otto Guevara.

Mr. Guevara is currently running third, with 15 percent in the polls; far behind the expected winner Oscar Arias, but a close second to Otton Solis, a classic Latin American populist. The Libertarian Movement party is also well ahead of the Social-Christian Democrats and is set to obtain some 12 seats out 57 in Congress. As Guevara told me recently, he wants to “force the next government to negotiate with the Libertarian Movement Party its public policies for the next four years” and prepare the terrain for a presidential victory in 2010.(...)
The libertarians stand for minimal taxation and regulations and have successfully blocked the current President’s attempts to raise taxes for the past three years. They believe in ending government monopolies on electricity, telecommunications, oil refining and insurance, as well as legally protected private monopolies such as vehicle inspection. They have proposed the elimination of trade barriers including support for the Central American Free Trade Agreement with the United States. And they believe in a property-owning society (they support giving titles to informal home owners); stand against foreign intervention (they stood against the war in Iraq, which the Costa Rican government supported), and in favor of decriminalizing drugs.###
But the significance of their efforts goes far beyond Costa Rica and shows three things.

First, it indicates that the classical liberal tradition has some potential for making a connection with the populace, because of its critique of established parties and traditional politicians—a stand very much in vogue in the developing world. The recent tendency has been for the old-fashioned populist left to seduce those vast segments of the population that feel cheated by the establishment--only to prove they represent exactly what they purport to combat.

Second, the Costa Rican experience shows principle is not necessarily a lost cause in politics. Few things have caused classical liberals more harm than muddling the message and obfuscating principle. If defenders of free markets support big spending, legally protected monopolies, crony privatization and courts that make a mockery of the principle of equality before the law, is it surprising that many people tend to associate classical liberalism with mercantilism, that is, the blurring of the line that ought to separate government and business?

Finally, Otto Guevara’s success poses a challenge to those who think politics is not a valid way to go about changing the prevailing culture, and that education needs to come before political action because until people’s minds are educated no political change is possible. The Costa Rican experience seems to contain a more complex truth: everything, including practical politics, can, in the right circumstances, become a catalyst for cultural change.

Credibilidade

Provas

Bush, o ambientalista

So tonight, I announce the Advanced Energy Initiative -- a 22-percent increase in clean-energy research -- at the Department of Energy, to push for breakthroughs in two vital areas. To change how we power our homes and offices, we will invest more in zero-emission coal-fired plants, revolutionary solar and wind technologies, and clean, safe nuclear energy. (Applause.)

We must also change how we power our automobiles. We will increase our research in better batteries for hybrid and electric cars, and in pollution-free cars that run on hydrogen. We'll also fund additional research in cutting-edge methods of producing ethanol, not just from corn, but from wood chips and stalks, or switch grass. Our goal is to make this new kind of ethanol practical and competitive within six years. (Applause.)

Breakthroughs on this and other new technologies will help us reach another great goal: to replace more than 75 percent of our oil imports from the Middle East by 2025. (Applause.) By applying the talent and technology of America, this country can dramatically improve our environment, move beyond a petroleum-based economy, and make our dependence on Middle Eastern oil a thing of the past. (Applause.)
E nem teve de assinar o protocolo de Kyoto. Bush é o novo herói dos ambientalistas! Claro que ninguém contabiliza o consumo dos recursos necessários para financiar esta nova aventura do governo americano.

Entidade Reguladora para a Comunicação Social

A indigitação de Azeredo Lopes para a ERC é uma garantia de independência, seja em que contexto for. Tudo o resto, caro Gabriel, são fait divers criados à pressa pela habitual falta de habilidade dos nossos políticos.

Dificilmente o governo poderia ter encontrado uma pessoa melhor preparada e com o seu perfil de independência; num momento particularmente sensível ao nível da Comunicação Social, a escolha é mais do que oportuna.

Rodrigo Adão da Fonseca

Democrats v the People

"Samuel A. Alito Jr. was sworn in as the nation's 110th Supreme Court justice yesterday, marking a major victory for conservatives in their decades-old drive to move the court rightward, and alarming liberals who fear that long-standing rights might be in jeopardy."

Alito Is Sworn In On High Court, Washington Post, 01-02-2006

"The Supreme Court now has two superb new members — new members on its bench: Chief Justice John Roberts and Justice Sam Alito. I thank the Senate for confirming both of them. I will continue to nominate men and women who understand that judges must be servants of the law, and not legislate from the bench."

President George W. Bush, State of the Union Address, 31-01-2006.

No dia 31 de Janeiro de 2006 Samuel Alito Jr. foi confirmado pelo Senado dos EUA como o centésimo-décimo juiz do Supreme Court e o presidente George W. Bush proferiu o habitual discurso à nação: o State of the Union Address. Destes dois acontecimentos, o primeiro é o mais importante: pode influenciar de forma decisiva e surpreendente o futuro político dos EUA. ###

A confirmação de Alito Jr. dividiu o Senado ao longo da "linha de separação" partidária: apenas quatro senadores do partido Democrata votaram a favor do nomeado; apenas um senador do partido Republicano votou contra. Dos cinco senadores "desalinhados," quatro disputam a reeleição este ano; o restante em 2008 (nota).

Alito recebeu 54 votos favoráveis. Há poucos meses, o juiz John Roberts Jr. foi confirmado com 78 votos favoráveis, tendo recebido os votos de 22 senadores democratas (cf. o artigo do Washington Post). Ambos foram nomeações de George W. Bush. Ambos gozam de reputação profissional inquestionável entre os "pares de profissão;" a haver alguma diferença de qualidade, ela seria provavelmente favorável a Samuel Alito.

A diferença de votações tem uma explicação: a inclusão no Supreme Court de mais um juiz contrário ao activismo judicial promovido pelos Democratas desde a década de 70, pode implicar alterações profundas na forma como este tribunal interpreta a sua função. Essas alterações poderão, por sua vez, implicar a reversão de algumas decisões que tiveram um enorme impacto político nos EUA. À cabeça dessas decisões está o célebre acórdão do caso Roe v Wade, que tornou o aborto um direito constitucional em 1973.

Nesta matéria, os EUA destacam-se pela negativa entre os países ocidentais: são um dos raros casos (talvez mesmo o único), onde uma decisão profundamente política foi tomada por um tribunal, sem debate político nem deliberação pelos representantes eleitos. A reversão desta infeliz decisão judicial seria, antes de mais, um sinal muito saudável de que o actual Supreme Court americano compreende melhor do que no passado quais são as suas competências —e quais não são.

Os senadores democratas votaram "em peso" contra a confirmação de Alito porque receiam perder no debate político o que o partido "traficou pela porta judicial." Mas uma reflexão ponderada talvez lhes permita perceber uma consequência potencial e decisiva dessa alteração: a inversão da orientação de Roe v Wade pode muito bem ser a chave para a eleição de um presidente democrata em 2008.

Na edição desta semana do The Economist (coluna regular Lexington, The Papal Court) recorda-se a forma como o partido Democrata "perdeu a América." A crescente deriva radical, iniciada com o tristemente célebre Manifesto de Port Huron, alienou no espaço de pouco mais de uma década uma parte substancial do eleitorado moderado do partido, eleitorado que é maioritariamente religioso. Bill Clinton foi o último democrata a conseguir a pluralidade dos votos católicos na eleição presidencial (e na reeleição obteve a maioria desses votos).

Em 2004 a maioria do voto católico transferiu-se para George W. Bush, que o somou à maioria do voto protestante, conseguindo uma vitória esmagadora na imensa América do meio, aka "Jesusland." Sem disputar esse eleitorado crucial, nenhum membro do partido Democrata voltará tão cedo a abrir as portas da Casa Branca — pelo lado de dentro.

Para um candidato presidencial, democrata e "pro-choice," a eventual inversão do infame "acórdão do aborto" é uma boa notícia. Só assim poderá apresentar-se ao eleitorado, defendendo o direito político à escolha, sem ver a sua credibilidade e honestidade imediatamente atacada. A confirmação de Alito permite essa expectativa. Por isso, o voto contrário da esmagadora maioria dos senadores democratas revela simultaneamente falta de visão estratégica e de confiança no regime político.

O partido Republicano elegeu a "difusão da democracia" no plano internacional ao nível de princípio axiomático da sua política externa. Apesar dos fortes ataques (à esquerda e à direita), Bush foi inquestionavelmente reeleito em 2004. Se o partido Democrata quiser realmente disputar as presidenciais de 2008, terá de começar por reconhecer que tentou transformar o Supreme Court numa espécie de "Conselho da Revolução Cultural dos anos 60." Ou seja: terá de aderir à causa da "difusão da democracia" no plano nacional. E começar pelas suas próprias estruturas partidárias.

(nota) As eleições para o Senado americano ocorrem a cada dois anos, com 1/3 dos senadores escolhidos em cada "ciclo". Cada senador tem portanto um mandato de seis anos.

Deus Caritas Est (executive digest)

A fraqueza dos ‘impossíveis’

O que faz falta é controlar a malta

Via DN:

"O contribuinte", confirma fonte oficial do Ministério das Finanças, "tem que indicar aquisição dos bens", tal como a "data de aquisição, independentemente do valor em questão".Este tipo de informação, afirmam as Finanças, "já era pedido antes". Mas a verdade, como observam alguns funcionários do fisco, pela primeira vez, a administração fiscal alterou as instruções de preenchimento da declaração do IRS, "ultrapassando o pedido pela lei.(...)
Alguns chefes de Finanças, bem como juristas contactados pelo DN, duvidam da legalidade desta "alteração de instruções" e afirmam mesmo que poderá provocar "confusão" e "sobrecarga burocrática". É que a declaração das compras, afirmam especialistas, "não tem qualquer efeito na situação tributária" de milhões de contribuintes.

Presumo que quando se fala de "administração fiscal", falamos de funcionários públicos com poder para impor regras de funcionamento aos serviços de cobrança de impostos. Aumenta-se, sem problemas, o controlo que o estado exerce sobre a vida particular de cada cidadão, sobre as suas decisões de consumo ou investimento. Sem levantar problemas, lá iremos todos preencher a declaração em que explicamos aos funcionários da repartição lá do bairro, como gastamos os nossos rendimentos. Sem questionar, continuamos a aceitar este papel de controlo tão diligentemente desempenhado por um estado que justifica o seu tamanho pelo número de tentáculos necessários para assegurar tal serviço.
E todos nós continuamos a pagar isso e por isso.

Criticar os liberais é belo mas a realidade é complicada (4)

Leitura recomendada

(re)leituras

Gasta quase 50% do PIB. Tudo regula, em tudo intervém, sobre tudo quer ter controlo. Tem como objectivo servir sucessivos governos nas suas tarefas de "estimular a economia", provocar "choques tecnológicos", diminuir milagrosamente o desemprego, redistribuir a riqueza, impor a "justiça social". Sendo um estado tendencialmente máximo, não garante nem justiça, nem protecção, nem defesa externa. Sendo um estado tendencialmente máximo, não tem dentro de si um estado mínimo. É oco.

E agora algo realmente importante...

Criticar os liberais é belo mas a realidade é complicada (3)

Quanto às contas sobre a sra. Thatcher que me ofereceram para provar o contrário do que eu disse, não provam nada - ou provam o que eu disse. Peço desculpa.

Ora VPV havia escrito:

Em percentagem do PIB, a sra. Thatcher aumentou, não diminui, a despesa com o Estado-Previdência. E não aumentou pouco, aumentou muito.

Tanto eu como o FCG, recorrendo (provavelmente num estado de fúria incontida) a fontes diferentes, demonstrámos que esta afirmação está factualmente incorrecta.

Os últimos dados homogeneizados sobre despesa pública agregada disponibilizados pelo HM Treasury (com base em deflatores calculados a partir de dados de 2005 do Office of National Statistics) reforçam ainda mais a falsidade do lugar comum (que por ser comum não deixa de ser falso...) sobre o alegado despesismo dos governos da nossa estimada Baronesa:

Total Managed Expenditure as percentage of GDP

1979-80: 44,8%
1989-90: 39,7%
1990-91: 40,0%


Despesas geralmente associadas à designação "Estado-previdência" em % do PIB*

1982-83: 24,8%
1990-91: 22,2%

No entanto, tendo em conta a humildade demonstrada e também esta reflexão sobre a democracia participativa, está desculpado.###

*Nota técnica (safety warning: very boring material ahead): Os dados para a despesa social foram calculados por mim a partir de dados homegeneizados, somando as rubricas Social Security, Health and Personal Social Services, Education e Housing. 1982-83 é o primeiro ano da série usada nos cálculos. Recorrendo a outras séries, é possível afirmar com segurança que o valor das despesas sociais em percentagem do PIB no ano fiscal 1979-80 foi mais baixo do que no de 1982-82. Em qualquer caso, essa diferença nunca seria suficiente para permitir afirmar que as despesas sociais em percentagem do PIB aumentaram substancialmente entre 1979 e 1990. Estará apenas em questão saber se a despesa social em percentagem do PIB diminuiu ou aumentou marginalmente diminuiu ou aumentou marginalmente. A hipótese de que terão diminuído ligeiramente no período 1979-90 é corroborada por Hills nos dados apresentados em Inequality and the State, publicado em 2004.


Background reading:

Liberalismo, n'O Espectro.

Criticar os liberais é belo mas a realidade é complicada (1) e (2), n'O Insurgente.

VPV e Liberalismo, no Blue Lounge.

Podem os liberais voar?, no Portugal Contemporâneo.

O "legado Thatcher" e as estatísticas, no Insurgente.

Para memória futura

Neve em Lisboa e o aquecimento global

Too little, too late?

The House on Wednesday narrowly approved Congress' first attempt in eight years to slow the growth of benefit programs like Medicaid and student loan subsidies, sending the measure to President Bush.###

(...)

It blends modest cuts to Medicaid, Medicare and student loan subsidies with a renewal of the 1996 welfare reform bill and $10 billion in new revenues from auctioning television airwaves to wireless companies. There's also $1 billion in new spending to extend an income subsidy program for dairy farmers and a reprieve for physicians who had faced a 4 percent cut in Medicare fees.

The $39 billion in cuts are generally small — a 0.4 percent cut in Medicaid funding and 0.3 percent cut in Medicare over five years — compared with deficits expected to total $1.3 trillion or more through 2010. Still, the bill set off a brawl between Democrats and Republicans and whipped up opposition from interest groups like AARP.

1.2.06

Turistas fumadores

Ir comprar cigarros a Espanha pode tornar-se numa rotina para os portugueses que vivam perto da fronteira, tal como acontece com os combustíveis. Por lei, cada pessoa pode adquirir para consumo próprio 800 cigarros, o que corresponde a 40 maços. A partir deste valor, o transporte de tabaco comprado noutro país para território nacional já é considerado ilegal. Mas, para as autoridades, a preocupação está no comércio ilícito as margens atingiram valores que já são considerados atractivos para o contrabando organizado em maior escala.

Em Espanha, os cigarros mais baratos custam 1,25 euros. Em Portugal, não há maços abaixo dos 2,75. O que acontece também entre as mesmas marcas, que chegam a pesar mais um euro para os bolsos dos portugueses do que para o dos espanhóis.
40 maços/pessoa multiplicados por um euro. E a gasolina em Espanha também é mais barata! A diferença já deve pagar um fim-de-semana a quatro turistas lisboetas...

Nota: não sou fumador!

Constituição e igualdade entre sexos

Para além do casamento, há pelo menos outra situação que poderá levantar algumas dúvidas quanto à sua constitucionalidade. Como lembrou há tempos o João Miranda no Blasfémias, a obrigatoriedade do recenseamento militar para os cidadãos não se aplica da mesma maneira às cidadãs.
Diz o texto do Mistério da Defesa Nacional:

O Recenseamento Militar é o dever militar que tem por finalidade obter a informação de todos os cidadãos que, em cada ano, atingem a idade de início das obrigações militares.(...) O Recenseamento Militar para as cidadãs não é uma obrigação mas um acto voluntário.

Sendo que a carreira militar se presta hoje por voluntariado (masculino ou feminino) não se entende esta separação na altura do dito recenseamento.
A utilidade e necessidade deixa-me dúvidas - acaso não saberá já o estado quem são os seus "cidadãos" (machos), onde nasceram, quando é que atingem a maioridade, onde residem,...? Não é para isso que serve o Bilhete de Identidade?
Fica a sugestão, à atenção do aparente espírito desburocratizador do primeiro ministro, para que acabe com esta obrigação, até porque as câmaras municipais preferiam não prestar também este serviço "gratuito" à administração central.

Bancada Central - treinadores de bancada

Ouvinte da TSF: «Caro Fernando Correia, queria apenas felicitá-lo pela vitória do nosso seportingue - que eu sei que o meu amigo é do seportingue - eh eh eh eh - e perguntar ao senhor que telefonou antes em que é que ele se baseia para insistir que o Jorge Bushe filho é liberal. E mais: toda a gente viu que não foi penalty, que foi bola na mão e não mão na bola...».

Rodrigo Adão da Fonseca

Greenspan advises Brown; Geldof advises Cameron

Incoming

Tempos interessantes na imprensa...

O novo semanário de José António Saraiva, ex-director do «Expresso», vai chegar às bancas entre Setembro e Outubro. «Vamos nascer para liderar, mas como disse o prof. Cavaco, o nosso projecto não é contra ninguém», afirmou Saraiva ao Jornal de Negócios Online.

Constituição e casamento

O constitucionalista Jorge Miranda entende que não há qualquer contradição entre o que diz a Constituição e o Código Civil na questão do casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Em declarações à TSF, Jorge Miranda diz que o problema é a interpretação da Constituição, pois é necessário perceber o âmbito do artigo 13, que proíbe discriminações, e do artigo 36, este último regulador a família, o casamento e a filiação.

Para este constitucionalista, o artigo 13 faz referência a questões de acesso ao emprego, serviço militar, cuidados de saúde, protecção social, ao passo que o artigo faz referência específica à família.

«Quando pelo contrário no artigo 36 se ocupa da família, do casamento e da filiação expressamente se refere a casamento entre pessoas de sexo diferente como é aliás a tradição e a consciência jurídica universal», lembrou.

Blog recomendado

"Finalmente, esteja pronto para os melhores argumentos dos esquerdistas: xingamentos. Enquanto o esquerdista não te chamar de neoliberal, ele não vai sossegar. No momento que ele te chamar de nazista, você pode dar o debate por encerrado se quiser. Você está desempenhando o terceiro tópico de forma satisfatória. Fascista, conservador, insensível, hipócrita, viúva da ditadura, machista e reacionário também fazem parte do leque do que eles consideram argumentos. Quando qualquer uma dessas coisas for dita com ódio sincero, você venceu o debate, não tem porque continuar. Vá lavar a louça, comprar umas frutas ou passear com o cachorro, mas não perca mais o seu tempo."

Como Falar com um Esquerdista (se não tiver jeito)

"O deficiente mental também tem pouca clareza quando fala dos mais variados assuntos. Um exemplo claro é quando o deficiente tenta defender o regime cubano, que ele adora. A explicação para o fracasso do sistema de Fidel é o bloqueio dos EUA. Jamais tente explicar ao deficiente que a única coisa que os EUA fazem é não explorar os cubanos com seu capitalismo selvagem. Que ao dizer que o bloqueio deveria acabar, o que o deficiente está dizendo é que o capitalismo faz falta, que é importante, que sua ausência é o motivo do fracasso cubano, exatamente o contrário do que ele acredita. Ou acha que acredita, pois o deficiente mental com esse sintoma não sabe o que defender."

Sintomas de Deficiência Mental

Democracia?

Textos de opinião

Iain Murray, no The American Spectator:

An opinion piece -- whether an individual op-ed or a column -- exists to promote a point of view by argument. It does not seek to establish a fact, but to win people over to a particular viewpoint or opinion. Therefore, the strength of the argument is the key factor in determining the effectiveness of the piece. A sloppily constructed, poorly thought-out argument will convince no one -- while a tightly constructed, coherent, and well-written argument can sway minds. That is why opinion pieces are considered intellectual ammunition in the war of ideas.(...)
It was the Austrian economist and enemy of socialism F. A. Hayek who first spelled out to conservatives that they were engaged in a war of ideas. (...)
One of the reasons why leftists cannot win the war of ideas is that their philosophy has become almost a matter of faith rather than of reason. Those who do not subscribe to their dogma of redistribution of wealth, public direction of industry through regulation, and welfarism are to be cast out. Decades of economic analysis have shown these tenets of leftist faith to be unworkable and positively harmful. Yet leftists, defeated in the war of ideas, regard any expression of these truths with paranoia and hatred.

De volta

Al Gore or the Unabomber?

It may be more difficult to decide than you think.

Each quote below is either from Al Gore's Book Earth in the Balance or from the Unabomber's Manifesto.

After each quote choose either Gore or Unabomber. At the end hit the Grade Me button and the quiz will be graded and you can view the correct answers.

(via Samizdata)

Mais sobre Al Gore aqui.

O "legado Thatcher" e as estatísticas

  1. 1979: 39,2%
  2. 1980: 45,1%
  3. 1985: 47,8%
  4. 1990: 39,9%
A despesa pública resultante das funções normalmente associadas à designação "Estado-previdência" resulta da soma das componentes dos chamados "bens de mérito" (saúde, educação, habitação social) e das transferências de rendimento para as famílias. Os valores para o Reino Unido (em % do PIB) nos momentos inicial e final do período de governação de Margaret Thatcher são os seguintes:
  1. 1979: 25,5%
  2. 1990: 25,7%
Estes dados permitem algumas constatações imediatas:
  1. Tanto a despesa pública total como a despesa pública com as funções associáveis ao "welfare state" aumentaram, em percentagem do PIB, entre 1979 e 1990;
  2. Os anos de 1979 a 1990 devem ser divididos em dois períodos de governação: 1979—1985 e 1985—1990;
  3. A despesa pública total cresceu substancialmente no primeiro desses períodos e diminuiu substancialmente no segundo.
As estatísticas sugerem que a governação Thatcher terá sido pouco eficaz na prossecução dos objectivos fundamentais do programa político do partido Tory. Esta sugestão é completamente falsa.

Thatcher mudou profundamente o Reino Unido. Eleita em 1979, assumiu a responsabilidade de reformar uma economia esclerótica, dominada por poderosos sindicatos e num estado geral de desmoralização e de crescente desemprego. Foi responsável por uma política consistente de reprivatização não só de empresas mas também de outros activos (por exemplo a habitação social pública). Eliminou boa parte da sufocante regulação económica que limitava ou impedia a actividade empresarial.

Enfrentou a oposição e os sindicatos com uma determinação e coragem impressionantes. Só a greve do NUM (National Union of Mineworkers) durou um ano. Thatcher sabia o que estava em questão: o poder político, democraticamente eleito, contra o poder corporativo dos sindicatos. Não cedeu um milímetro e vergou os sindicatos mineiros, que acabaram por regressar ao trabalho sem ter conseguido o que pretendiam: derrubar o governo conservador. Sugiro um exercício simples: faça uma lista dos políticos portugueses capazes de suportar uma greve de uma semana, num sector com a importância do sector energético, sem ceder a reivindicações e sem se demitirem ou serem sumariamente demitidos...

Thatcher nunca foi derrotada em eleições, nunca negociou com terroristas, sobreviveu a atentados, opôs-se com sucesso à extrema esquerda anti-nuclear e favorável ao desarmamento unilateral e o entendimento que estabeleceu com os EUA em termos de política internacional foi decisivo na oposição ao comunismo.

Por que razão é que as estatísticas das contas públicas britânicas não transparecem com clareza transformações políticas tão profundas? A explicação mais provável sugere uma lição importante, a ter em conta no debate reformista português.

As dificuldades macroeconómicas entre 1980 e 1983, com a coexistência de inflação e desemprego, provocaram um significativo aumento da despesa pública "social". A tendência de crescimento do desemprego, anterior à vitória dos conservadores nas eleições de 79, foi substancialmente agravada pelas medidas reformistas e foram precisos alguns anos para que os benefícios dessas reformas se tornassem visíveis (o período 1985-1990). Tivesse Thatcher continuado à frente dos Conservadores (ou tivesse a sua orientação de política prevalecido) e provavelmente os actuais dirigentes do partido Tory não estariam a anunciar como "objectivo" a redução gradual da despesa pública para os... 40%.

O principal motivo de interesse na avaliação do "legado político" de Thatcher é que este exercício permite elucidar um problema recorrente nas discussões sobre o redimensionamento das esferas pública e privada. O problema resulta de uma hipótese implícita: a hipótese de que a redução da esfera de acção pública se traduz necessariamente numa redução da despesa pública.

Não se trata apenas de uma eventual "correlação baixa" entre esses dois objectivos: poderá haver uma incompatibilidade potencial entre eles. Se essa incompatibilidade for efectiva, então políticas públicas orientadas para um dos objectivos terão provavelmente resultados opostos em termos do outro.

A questão é fundamental para as discussões reformistas em Portugal, mas pode ser ilustrada por recurso ao caso britânico. Há alguns meses, com o partido conservador britânico envolvido na escolha de um novo líder, Daniel Finkelstein escreveu um importante artigo de opinião: A David Davis guide to fiscal strategy. Nesse artigo, Finkelstein recorreu ao exemplo das reformas na educação para ilustrar a "inconsistência de objectivos". A defesa dos chamados "cheques-educação" é uma política desejável numa perspectiva de devolução da liberdade de escolha às famílias. Porém, todas as simulações do perfil intertemporal dos custos para o Estado de uma tal política indicam que haverá um aumento da despesa pública, ainda que temporalmente limitado aos primeiros anos de aplicação. A redução da esfera de acção pública implicará, pelo menos a médio prazo, um aumento da despesa pública. Outros (e importantes) exemplos poderiam ser dados, designadamente de reformas nas áreas da Justiça e da Saúde.

Assume-se frequentemente que "reformar o Estado," reconduzindo-o às suas actividades historicamente primordiais, resultará necessariamente numa redução da despesa pública. Esta hipótese, porque falsa, pode levar a programas reformistas inconsistentes nos objectivos. Pior: pode provocar problemas semelhantes aos encontrados na tentativa de "avaliação estatística" do impacte da governação Thatcher, interpretando-se o aumento da despesa pública como um "sinal de fracasso," quando pode significar precisamente o contrário.

Para uma discussão razoável dos objectivos políticos convém manter presente (pelo menos) duas ideias básicas: nem todos os objectivos desejáveis são simultaneamente conciliáveis nem o acerto das políticas pode ser aferido por estatísticas simples.

A costela liberal de Bush

In a dynamic world economy, we are seeing new competitors, like China and India, and this creates uncertainty, which makes it easier to feed people's fears. So we're seeing some old temptations return. Protectionists want to escape competition, pretending that we can keep our high standard of living while walling off our economy. Others say that the government needs to take a larger role in directing the economy, centralizing more power in Washington and increasing taxes. We hear claims that immigrants are somehow bad for the economy -- even though this economy could not function without them. All these are forms of economic retreat, and they lead in the same direction -- toward a stagnant and second-rate economy.

Keeping America competitive begins with keeping our economy growing. And our economy grows when Americans have more of their own money to spend, save, and invest. In the last five years, the tax relief you passed has left $880 billion in the hands of American workers, investors, small businesses, and families -- and they have used it to help produce more than four years of uninterrupted economic growth.

Because America needs more than a temporary expansion, we need more than temporary tax relief. I urge the Congress to act responsibly, and make the tax cuts permanent.

A herança do Tio Patinhas

O PS e as presidenciais

Deve andar com pouco para fazer

O secretário-geral do PS, José Sócrates, anunciou hoje, durante a reunião da Comissão Permanente do partido, que vai liderar a Comissão Permanente, ficando com as competências de coordenação que eram exercidas por Jorge Coelho.
[via DD]

Liberalismos

Liberais sem asas

31.1.06

Se o Papa tivesse um blog...

  • O “desenvolvimento baseado no respeito da dignidade de todo o homem”. Um indicador deste critério é a liberdade religiosa efectiva, "entendida como possibilidade não simplesmente de anunciar e celebrar Cristo, mas de contribuir também para a edificação de um mundo animado pela caridade."
  • "A efectiva consideração do papel central que desempenham os autênticos valores religiosos na vida do homem enquanto resposta às suas questões mais profundas e motivação ética para as suas responsabilidades pessoais e sociais."
É demasiado vago ? Não espera pela demora ! Para a semana há mais.

Al Gore, Sean Penn and the whacky left

Criticar os liberais é belo mas a realidade é complicada (2)

Em Espanha, sinais de fumo

José Luis Rodriguez Zapatero, luminária da esquerda ibérica, precursor de inutilidades, implosor de Espanha, verdugo dos fumadores e entusiasta do politicamente correcto deu mostra da sua profunda coerência ao ser apanhado a fumar no seu local de trabalho, em manifesta violação da lei intransigente que fizera aprovar.
Adenda: a reunião referida na notícia pode ter ocorrido na área privada do Palácio Moncloa, residência oficial do primeiro-ministro espanhol. No entanto, sendo aquela uma reunião de trabalho, é previsível que nenhum membro do staff teve a opção de recusar partilhar o fumo produzido por Zapatero.