26.11.05

Laicismo, anti-catolicismo e liberdade de educação

Novos links

Panorama da segurança

Apitos e blogs

Merkel e Schroder

Eles vivem!

25.11.05

Da tolerância simples (com Hayek)

Chillin' *

Vox populi...

"Como diz o ditado, 'A voz do povo é a voz de Deus', certo? Pois nada mais errado. Aliás, essa deve ser uma das mais mal citadas frases de toda a história, uma vez que o autor queria expressar o contrário do sentido que hoje lhe é atribuído. Até onde se tem conhecimento, o primeiro a empregá-la foi o teólogo britânico Alcuíno (735-804), em uma carta na qual dava conselhos a Carlos Magno: 'Não devem ser ouvidos os que costumam dizer que a voz do povo é a voz de Deus, pois a impetuosidade do vulgo está sempre próxima da insânia'."

Bianca B., "Vox populi, vox Dei?"


(via Noite Interminável)

Mudança de rumo?

The Arab world is hopeless, but the Muslim world isn’t.

Ralph Peters, A Remedy for Radical Islam.


Ralph Peters, propõe que a administração norte-americana dê mais relevância aos países muçulmanos não árabes, que aos Estados árabes que são muçulmanos. O artigo é, como se pode ver, de Abril de 2002. Anteontem, os EUA levantaram o embargo de armas à Indonésia. Normalmente, estas decisões não costumam ser coincidência...

O fim da história?

Entretanto na Índia

Ellsworth Toohey: "Why don't you tell me what you think of me?....." Howard Roark: "But I don't think of you."

Tirado de The Fountaihead, resume as coisas.

(via Johan Norberg)

20 anos

Voooooooom

Da hiper-tolerância

Liberalism demands tolerance as a matter of principle, not from opportunism. It demands toleration even of obviously nonsensical teachings, absurd forms of heterodoxy, and childishly silly superstitions. It demands toleration for doctrines and opinions that it deems detrimental and ruinous to society and even for movements that it indefatigably combats. For what impels liberalism to demand and accord toleration is not consideration for the content of the doctrine to be tolerated, but the knowledge that only tolerance can create and preserve the condition of social peace without which humanity must relapse into the barbarism and penury of centuries long past.
Against what is stupid, nonsensical, erroneous, and evil, liberalism fights with the weapons of the mind, and not with brute force and repression.
Ludwig von Mises - Liberalism In The Classical Tradition

Absolut Envy (2): o anti-mirandismo

Parece que está na moda criticar João Miranda. Como não gosto de modas, digo o seguinte: a inveja cura-se com uns copos, com uma companhia amorosa ou, mais difícil, com a leitura. Ler, nestes casos, faz bem. Porque há por aí pessoas a falar de liberalismo, mas, parece-me evidente, essas pessoas nunca leram uma página liberal. A sua versão de liberalismo é a da novela das 5: "Pô, cara, V. tem de ser chapa legau, 'tá vendo, liberal".

Blue Lounge

Concorrência à socialista

Um Governo para quem a concorrência é uma bandeira e a privatização um pecado capital, não é socialista nem liberal. É esquizofrénico.
Pedro Marques Pereira no Diário Económico.

O dia da liberdade

Mas há quem esteja pior...

Mário Soares acusou, esta quinta-feira, Manuel Alegre de ser «pouco ético» ao concorrer às presidenciais contra o partido e de estar numa posição «patética».

24.11.05

Blue Lounge

Liberdade de expressão segundo a esquerda pró-aborto

Foi com grande consternação que os Juntos Pela Vida souberam da condenação do Pe. Nuno Serras Pereira no âmbito de um processo-crime no qual este sacerdote vinha acusado da prática do crime de difamação, em resultado de uma queixa apresentada pela APF (Associação para o Planeamento da Família), alegadamente ofendida pelo artigo “Os Abortófilos”, publicado no jornal do Entroncamento dirigido pelo Padre José Luís Borga.###

Queremos por isso publicamente:

1. Manifestar a nossa solidariedade e total apoio ao Padre Nuno Serras Pereira. Sabíamos que em alguns países que vivem em democracia (EUA, Canadá e outros) a manifestação de uma opinião contrária à mentalidade dominante nos “media” pode provocar processos semelhantes e às vezes resultar em prisão. Verificamos agora que tal também pode suceder em Portugal.

2. Testemunhar, em virtude de termos assistido à audiência de julgamento, que no processo ficou demonstrado que:

a) A APF não se socorreu, junto do jornal do Entroncamento, do “direito de resposta” como legalmente lhe era garantido, reagindo assim em termos normais a um artigo de opinião com que pretensamente se terá “ofendido”;

b) A APF não pediu no processo qualquer indemnização cível;

c) A APF usou o processo apenas para exercer uma inaceitável pressão sobre o Padre Nuno Serras Pereira e outras pessoas que sobre a APF e quem defende o aborto, fazem o mesmo juízo ou avaliação.

d) Correspondiam à verdade não apenas as citações incluídas no artigo em causa, como as situações descritas no mesmo. Isto mesmo foi confirmado pela testemunha Maria José Alves (membro destacado da Associação).

3. Reafirmar que a APF é hoje, como o é desde longa data, uma organização cuja grande preocupação política é a obtenção do aborto livre em Portugal, conforme nomeadamente se pode verificar de qualquer abaixo-assinado movido pelo mesmo propósito, da presença sistemática dos seus membros nos debates sobre o aborto, em posição favorável ao mesmo, ou até de declarações de Duarte Vilar quando descreve em relatórios internacionais da IPPF a actuação da sua organização e a caracteriza como desempenhando um papel determinante nessa batalha política. Nenhum problema existe nesse facto se simultaneamente a APF não fosse a organização tentacularmente mais instalada a nível de aparelho de Estado, nas questões da educação sexual e planeamento familiar, e através dessa posição desenvolva uma actividade persistente de formação das mentalidades no mesmo sentido dos seus objectivos políticos.

4. Acusar a APF de falta de cultura cívica e democrática. Ficou assim patente aos olhos de todos a intolerância que se esconde na posição de tantos tolerantes…

5. Lembrar que no debate político e naquele que versa sobre o aborto em especial, a temperatura da expressão sobe com frequência e que quem não é capaz de aguentar essas oscilações não deve frequentar essas paragens… Não é por acaso a palavra hipocrisia (que acreditamos é universalmente entendida como insultuosa) aquela que mais frequentemente é chamada à colação para descrever a atitude daqueles que se opõem ao aborto livre? E, apesar disso, há memória de algum processo judicial mandado instaurar por alguma dessas pessoas ou associações? Haja pois uma tolerância real, porque aquela da APF, já o sabíamos, passa sempre pela exclusão de alguém…

6. Informar a APF e todas as pessoas e organizações que defendem o aborto livre que manobras de pressão como esta não nos atemorizam. Apesar de, aqui sim, parecer que há quem queira mandar os outros para a prisão, fiquem sabendo que, como dizia o poeta, haverá sempre alguém que resiste, haverá sempre alguém que diga Não!

7. Declarar o dia de hoje como um dia negro para a liberdade de expressão em Portugal. 30 anos depois do 25 de Abril há por aí uns senhores que se dão mal com a democracia e querem repôr o “lápis azul”.

Lisboa, 21 de Novembro de 2005

A Direcção dos Juntos pela Vida


(via Último Reduto, Por Causa Dele e O Sexo dos Anjos)

Absolut Envy

O Filipe é fixe!

A esquerda e a numeracia

Em cinco das últimas seis sondagens, Manuel Alegre está à frente de Mário Soares. Numa eventual segunda volta, todas as sondagens dão mais votos a Alegre do que a Soares. No Blogue de Esquerda leio que o principal candidato de esquerda é Mário Soares. Alguma esquerda tem tantos problemas com os números que até parece que não sabe ler.

Voooooom

Sondagens

O Público coloca na primeira página o título Cavaco aumenta vantagem para vitória à primeira. Já o DN coloca na primeira página o título Cavaco Silva mais longe da vitória à primeira volta. Confusos? Não precisam de estar. Vamos por partes.

[...] os resultados da sondagem divulgada no DN e na TSF estão a ser tratados como se pudessem ser comparados como resultados de eleições e com os resultados da Católica, quando não podem, porque são calculados em relação a uma base que inclui abstencionistas, votos em branco e respostas "não sabe/não responde".

Quando se tornam as sondagens comparáveis [...] os resultados são muito semelhantes: 56/57 para Cavaco, 19/17 para Alegre e 5/6 para Jerónimo de Sousa. As diferenças só são maiores nos casos de Soares (13/16) e Louçã (6/4), confirmando aliás um padrão anterior de maior instabilidade nas estimativas para estes candidatos nas sondagens feitas até ao momento.

Esperemos que a diferença nos títulos seja coincidência e que não resida num critério editorial do DN que, por vezes, parece andar um pouco ao sabor do vento...

"Será porque teve medo das perguntas?"

Capitalism: the unknown ideal

por incrível que pareça, os euros a mais que gastou no seu computador para o equipar com o sistema Windows podem ter feito mais por África do que os bilhões que enviamos por ano em “ajuda” directamente para os bolsos de ditadores africanos.

Connecting good intentions to sound economics

Portugal Contemporâneo

Trampolinada (Nº sei-lá-quantos) (III)

Mário Soares contribui para o concurso "Qual o Socialista que Passa o Teste do Polígrafo" (via PD):

Questionado sobre a veracidade do que disse Manuel Alegre - que ficou com a certeza de que Mário Soares avançaria ao ouvir o discurso que fez no seu último aniversário, em Dezembro de 2004 - o candidato presidencial diz que não.
"Não, evidentemente que não. Isso é uma impressão poética com que ele ficou", disse Mário Soares.
Nessa ocasião, Soares disse que estava definitivamente afastado da política activa e rejeitou qualquer cenário de se candidatar a cargos públicos.

Ou seja, ao contrário de Soares, Alegre não sabe ouvir os portugueses. Ou, pelo menos, não compreende o que Soares diz (por ser poeta, aparentemente).

A bem ou a mal (II)

"We stand by the constitution," she said, adding that the reflection period agreed by EU leaders after the French and Dutch "no" votes should "by no means lead to the idea of the constitution being given up."


Pergunto-me se a Sra Merkel caso tivesse vencido o "Sim" consideraria que a questão constitucional continuava em aberto.

[fonte: EU Observer]

A bem ou a mal

The European Union should try to adopt its new constitution despite rejection by French and Dutch voters in referendums this year, new German Chancellor Angela Merkel said on Wednesday.

"We should not give up on the constitutional treaty," she said after talks in Brussels with European Parliament President Josep Borrell.

"We are willing to do what is necessary to see the constitution enter into force," she said, reiterating a plank of her new government's manifesto.


Declaro que a Sra. Merkel acaba de entrar para a minha "lista negra" e que gostava de saber o que ela entende por "what is necessary".

Portugal Contemporâneo

Filhos e enteados

Imaginemos o prof. Cavaco, com o ar frenético que o dr. Soares tem ostentado nas últimas semanas, a pedir por aí os boletins médicos dos outros candidatos, a acusá-los de não saberem bem o que é a democracia ou de serem vagamente ignorantes. Imaginemos a mandatária para a juventude do professor a insinuar a culpa de outro candidato na paraplegia de determinada pessoa. Imaginemos o professor, imitando o ar justiceiro do dr. Louçã, a propor novos impostos para equilibrar a Segurança Social. Valha-nos Deus Nosso Senhor, a escandaleira que não seria. Já pouco sobraria do pobre prof. Cavaco, frito e refrito na frigideira do comentário político e dos editoriais jornalísticos.

Ota

Que adianta uma gigantesca infra-estrutura de transporte para dotar de competitividade o território, se o esforço para construi-la significa a morte das companhias que transportam e a repulsa dos turistas a transportar?

Um novo aeroporto não é um fim em si mesmo. O país já entende que ele é necessário e que até se pode viabilizar. Mas só se deixará convencer na certeza de, uma vez construído, o aeroporto tenha turismo para receber e aviação comercial para operar. Não há estudos de impacto sobre isto. Afinal, sobre a razão de a Ota existir.

Tolerando a intolerância

"Os países europeus, especialmente, têm escancarado suas portas a um amplo influxo de imigrantes islâmicos que não têm nenhuma intenção de se tornar parte das culturas dos países que os acolhem, mas objetivam recriar neles suas próprias culturas.

Em nome da tolerância, esses países têm importado intolerância, da qual o crescente anti-semitismo, na Europa, é apenas um exemplo. Em nome do respeito a todas as culturas, as nações ocidentais têm recebido indivíduos que não respeitam nem as culturas, nem os direitos das populações no seio das quais eles se estabelecem.
(...)
Assim também fazem nossa inteligentzyia e a nossa elite política e cultural. O termo balcanização tem sido glorificado como “diversidade”, e diversidade tornou-se excessivamente sagrada para ser manchada com coisas tão grosseiras como os duros fatos da realidade. Mas a realidade não é opcional. Nossa sobrevivência pode estar ameaçada, a longo prazo, pela degeneração interna – proveniente de muitas fontes e em formas diversas – como foi o caso do Império Romano."

Thomas Sowell, "Distúrbios na França"

Publicado originalmente no Townhall. Tradução de Antônio Emílio Angueth de Araújo, para o Mídia Sem Máscara.

23.11.05

Mitos e falacias

A esquerda é liberal nos costumes.


Não é.

Leitura recomendada

A síntese de conjuntura do INE refere igualmente que a economia portuguesa deu alguns sinais de recuperação no terceiro trimestre deste ano, suportada pelo desempenho das exportações! Ora o BP tinha, há dias, revisto em baixa as exportações para 2005. É claro que o relatório do INE é subtilmente vago, referindo uma «aparente» recuperação das exportações ... Ou seja, agora o INE não divulga números ... divulga feelings ... passou a ser o Instituto Nacional de Sensações (ou de Palpitações).

Esta frase é de antologia num serviço de estatística: «Durante o terceiro trimestre verificaram-se alguns sinais de recuperação da actividade, embora sem reflexos no andamento dos indicadores de clima e de actividade». Posta numa linguagem mais clara, o INE (ou o INS) tem uma sensação difusa e inexplicável que há «sinais de recuperação da actividade», embora os números não reflictam essas sensações e digam mesmo o contrário.

E o que se verifica, quanto a números, foi que o indicador de clima recuou dos 0,3 pontos negativos no segundo trimestre, para 0,8 pontos negativos no terceiro trimestre e o indicador de actividade económica desceu dos 1,5 para os 0,9. Mas o INE (ou o INS) abandonou o materialismo desumanizado dos números. O INE (ou o INS) enveredou pelo caminho da espiritualidade, onde as sensações e as visões prevalecem sobre o mesquinho mundo material.
(bolds meus)

Sobre o grau de cavaquismo dos leitores do Insurgente

Um livro humanista para candidatos a presidente

Quiero manifestar primeramente que hoy es, para mí, um día de gran emoción e importancia personal. Desde que era un niño y acompañara mi padre Jesús Huerta Ballester en sus viajes de negocios a Portugal, he aprendido a querer y amar a este gran país que, desde entonces he considerado como mi segunda patria. Por esto considero un gran honor y privilegio presentar hoy aquí mi libro en portugués sobre la Escuela Austriaca de Economia que, a pesar de su nombre, y como he intentado demostrar en mi libro, más que una escuela austriaca debería llamarse "Escuela Ibérica" o "Escuela Hispano-Portuguesa", pues tuvo su origen en el pensamento de nuestros escolásticos del siglo de oro en las Universidades de Coimbra y Salamanca.

Los principales aspectos diferenciadores de esta corriente de pensamento son los siguientes:
La Escuela Austriaca es una escuela muy humanista y multidisciplinar, que dearrolla sus aportaciones teóricas partiendo del ser humano, es decir, de los hombres y mujeres tal y como son en realidad, y por tanto, no centrándose en un estereotipo, especie de ser robotizado, ese "homo economicus" maximizador de beneficios que es el protagonista de los modelos matemáticos de las diferentes versiones de la Escuela Neoclássica (desde los neokeynesianos a los teóricos de Chicago).

Según los austriacos el protagonista de todos los fenómenos sociales es le empresario, entendido como el ser humano dotado de una innata capacidad, a la vez creativa y coordinadora, para descubrir los fines que le merecen la pena y actuar para alcanzarlos.

Los austriacos conciben la sociedad como un orden espontáneo, es decir, como um proceso competitivo, que jamás se encuentra en equilibrio y no puede ser diseñado ni controlado centralizadamente por nadie (precisamente y para recoger esta idea esencial es por lo que hemos bautizado a nuestra Revista Científica con el nombre de "Procesos de Mercado").

Finalmente, la Escuela Austriaca es la Escuela liberal de economía por antonomasia, pues es la que mejor explica cómo la intervención del Estado y la coacción sobre la función empresarial, perturban gravemente el proceso social de creatividad y coordinación.

Luego el humanismo, la función empresarial, la concepción dinámica del mercado y el liberalismo son las cuatro notas diferenciadoras de la corriente de investigación económica que preconiza la Escuela Austriaca.

Agenda LGBT e opressão estatal

Bishop Frederick Henry of the Catholic Diocese of Calgary, Alberta, has been at the forefront of Canada's battle over marriage. On Thursday, he will address the Minnesota Pastors Summit -- a ground-breaking interdenominational conference of Catholic and Protestant pastors -- at Grace Church in Eden Prairie.

When I spoke to Henry last week, he said that Canadians, too, were originally told that same-sex marriage was just a small step to promote "inclusiveness."

(...)

Today, Canada is combing through its laws and institutions to remove evidence of heterosexist discrimination. Terms such as husband and wife are now forbidden across the spectrum of Canadian law and government programs. The legal meaning of parenthood is being transformed, with consequences no one can predict.

Henry says Canadian schools are becoming battlegrounds. "Children will have to be taught about homosexual acts in health class, as they now are about heterosexual acts. Books that promote same-sex marriage are being introduced in some elementary schools. In one action, complainants have demanded 'positive queer role models' across the whole curriculum. If parents complain, they'll be branded as homophobes." Sound farfetched? People who disagree with same-sex marriage risk charges of hate speech. In British Columbia, teacher Chris Kempling has been found guilty -- and disciplined -- for defending male-female marriage in newspaper opinion pieces. Henry himself has been hauled before the Alberta Human Rights Tribunal for promoting traditional marriage in his pastoral letters. "The human rights tribunals have become like thought police," he says. "In Canada, you can now use the coercive powers of the state to silence opposition."

(via Santos da Casa)

Sobre os inimigos da religião e da liberdade

In the conclusion of Cardinal Ratzinger’s lecture, now Pope Benedict XVI, delivered on April 1st, the eve of John Paul II’s death, the then Cardinal strongly denounced the European Enlightenment culture and its increasing dogmatism against religion, Christianity and freedom.###

(...)

Instead, Ratzinger continued, it is obvious that the exclusion of religion from the public sphere is rather the result of the imposition of Enlightenment dogma, which dogma falsely professes the ideals of freedom and tolerance. Indeed, one of the inevitable consequences of what Ratzinger called the ‘Culture of Rights’, as divorced from its Judeo-Christian roots, is that “the concept of discrimination is ever more extended, and so the prohibition of discrimination can be increasingly transformed into a limitation of the freedom of opinion.”

“Very soon,” said the Cardinal in a chilling prophesy that is already coming to fulfillment in many Western nations, including Canada, “it will not be possible to state that homosexuality, as the Catholic Church teaches, is an objective disorder in the structuring of human existence.”

According to Ratzinger it is “obvious that the ill-defined or undefined concept of freedom, which is at the base of this culture, inevitably entails contradictions…A confused ideology of freedom leads to dogmatism, which is showing itself increasingly hostile to freedom.”

Ratzinger concluded by expressing his strong doubt that the Enlightenment culture will ever provide a common cause for men. “We have to ask ourselves,” says the Cardinal, “if it is really complete in itself, to the degree that it has no need of a root outside itself.” The implied answer, of course, is no, the Enlightenment culture without the firm foundation of Europe’s roots in Christianity can only devolve into a pseudo and dogmatic religion, ultimately restrictive of freedom.

(via The Conservative Philosopher)

Mais umas achas para a fogueira

the Danish Supreme Court has taken it upon itself to determine the conditions under which a church can excommunicate one of its members

O risco e o prémio

É verdade que a generalidade dos portugueses se têm revelado avessos ao risco e à iniciativa privada, como se no final o “Velho do Restelo” tivesse prevalecido sobre os feitos heróicos do passado. Mas não é menos verdade que o Estado e as políticas públicas não se cansam de colocar barreiras à livre iniciativa. Regra geral, abrir uma empresa em Portugal é exactamente o contrário do ‘slogan’ do Totoloto: é difícil, é caro e não dá milhões.


A propósito deste artigo recomendo a (re)leitura dos seguintes posts do André Abrantes Amaral:

- Perseguição fatal;
- O crime social.

O século do Atlântico

Try a simple experiment. Lay out a map of the world. With a pencil and ruler, connect the United Kingdom, Spain, and Portugal with all the countries in the Americas or in Africa to which they have historical or cultural ties. Next, connect the countries of Africa to those states of the Western Hemisphere to which they have ethnic and cultural ties. Now connect the United States to the countries in Latin America and Africa to which we have ties of population and culture. You have just drawn the most promising strategic network of this century.

RALPH PETERS, Parameters, The Atlantic Century, Outono 2003, p. 16.


É muitas vezes referido ser o século XXI, o século do Pacífico. Depois do Atlântico ter substituído o Mediterrâneo, como centro estratégico e de trocas comerciais, uma nova troca estaria agora a operar-se. O poder mundial e a capacidade de investimento seriam transferidos para aquela região. Os interesses norte-americanos, o seu dinheiro, poder e capacidade militar, que tanto contribuíram para a paz de 60 anos na Europa, seguiriam o mesmo caminho. O Atlântico ficaria estrategicamente morto e os Estados por ele banhados marginalizados. Haveria menos oportunidades económicas, consequente descida do nível de vida, menor interesse nas alianças existentes e menor capacidade em lidar com as ameaças que assolam qualquer sociedade em decadência.

No entanto, todas as teorias que apontam para a substituição da Europa pelo Extremo Oriente, apenas o fazem em referência ao Atlântico Norte. Mas se olharmos mais a sul, o futuro está lá. No Atlântico Sul. Na América Latina e em África, que passam no presente por profundas transformações e, em muitos locais, apresentam magníficos resultados. A título de exemplo, temos Moçambique e Angola que apresentam das maiores taxas de crescimento económico a nível mundial.

Não cabe aos governos liderar processos de investimento, mas criar condições que permitam a concretização de bons investimentos. O Estado não deve apoiar com subsídios os negócios das empresas no estrangeiro, mas cabe-lhe garantir a segurança dos mercados. Ora, existe para isso melhor meio que o da integração de Estados como o Angola, Brasil, Cabo Verde e Guiné-Bissau no Pacto do Atlântico Norte, na NATO?
###
O novo euro-atlantismo poderá passar pelo alargamento do seu conceito geográfico. Deverá ser uma união de nações de raiz liberal e ocidental. Dever-se-á alargar ao Atlântico Sul, cooperando com os Estados mencionados.

Para ameaças globais, alianças globais. Alianças feitas entre países independentes e soberanos, num futuro promissor para todos. Construídas com seriedade, baseadas na dignidade da pessoa humana e na aspiração dos povos, na igualdade entre os Estados e na abertura dos mercados. Se a NATO foi uma aliança de países ocidentais contra a União Soviética, poderá ser agora uma aliança de nações democráticas

Os EUA estão atentos ao Atlântico Sul, o que explica a citação do artigo do Coronel Ralph Peters, na revista militar Parameters. De acordo com Peters, Portugal (tal como a Espanha e o Reino Unido), também por estar na União Europeia, serão os grandes aliados da América neste desafio. Portugal corre o risco de perder importância estratégica, mas tem uma oportunidade de ouro que não pode desaproveitar. Basta mudar o disco. Alterar a política e afastar fantasmas. Apostar na Europa, como europeus que somos, mas não esquecer laços e oportunidades que existem no Atlântico.

O mundo está cada vez mais integrado. Zonas esquecidas e recônditas ganham interesse e força. A Europa é importante, mas desde 1989 que já não é o centro. A bem da paz, da democracia e no respeito mútuo dos povos, está na hora do regresso. A Espanha já está na América Latina. O que falta para irmos a jogo?

Qualquer estrangeiro que olhe para o mapa-múndi e conheça os contactos portugueses em África e no Brasil, pasma-se com a tacanhez da nossa da política externa. Vejamos uma coisa: Estamos na Europa, banhados pelo Atlântico e com um óptimo capital humano no relacionamento com o Brasil (um das potências emergentes) e com África. Qual a vergonha em tirar partido disto?

O mundo globalizou-se e espera por nós. Na verdade, está à espera de todos.

P.S.: O conhecimento deste artigo de Ralph Peters deveu-se a indicação do Professor Miguel Monjardino.

Fundamental

Trampolinada (Nº sei-lá-quantos) (II)

O caso Valter Lemos e as donzelas ofendidas

Trampolinada (Nº sei-lá-quantos)

"(...)vejo-me obrigado a repor a verdade dos factos: a primeira vez que falei com Manuel Alegre sobre as candidaturas presidenciais foi para lhe comunicar a minha decisão de apoio ao Dr. Mário Soares (...) Portanto, a tese geral, segundo a qual Manuel Alegre foi desconsiderado pelo PS só tem um problema: não condiz com a verdade dos factos"(...)

Alegre desmente Sócrates e mantém a sua versão dos acontecimentos: "Sou um homem de palavra e mantenho a versão. Aquilo que eu disse é verdade, não tenho nada a repor nem a retirar", disse. O candidato presidencial gostava de saber "como é que [Sócrates] convive com esse desmentido. Eu desminto o líder"

Muito bonito. Edificante mesmo.
Noutras eras, noutros endereços, com outros protagonistas, no que não daria isto.
O que pensarão, os muitos militantes socialistas que apoiam Alegre, desta discussão sobre quem consegue passar o teste do polígrafo? Já agora, como actuará Sócrates se Alegre passar à segunda volta?
Talvez por isso se empenhe em apoiar Soares: pensará ele que aumenta a hipótese de Cavaco ganhar à primeira e de não ter de passar pelas agruras de apoiar quem ele chama de mentiroso e quem chama mentiroso a ele.

F*****' brilliant!

22.11.05

Activismo LGBT e intolerância

Voador-pagador

O Banco Efisa, um dos financiadores do aeroporto que vai nascer na Ota, quer cobrar sete euros por passageiro da Portela para ajudar ao financiamento do novo aeroporto. A ideia é taxar em sete euros cada bilhete aéreo dos passageiros do aeroporto da Portela, permitindo esse dinheiro criar um fundo de desenvolvimento para ajudar a pagar o novo aeroporto.
Afinal, parece cada vez mais demonstrado que vão ser os privados (portugueses ou não) a financiar o novo aeroporto da OTA.
Será que o Banco Efisa poderia fazer um estudo semelhante para as SCUT's?

Blasfemos "beatos"

O liberalismo definido pelos seus inimigos

Nova sondagem

Resultados finais

Até logo

Subsidiodepente não consegue largar o vício

O ministro das Obras Públicas Transportes e Comunicações, Mário Lino, afirmou hoje que a construção de um novo aeroporto internacional num local que não a Ota poderia inviabilizar o financiamento comunitário do projecto.

(...)

O ministro lembrou que o novo aeroporto de Lisboa, orçado pelo Governo em três mil milhões de euros, faz parte dos projectos da rede transeuropeia de transportes, que prevê a atribuição de fundos comunitários e a obtenção de empréstimos junto do Banco Europeu de Investimentos (BEI) em condições vantajosas.

"Uma das condições previstas para a atribuição dos fundos comunitários é que a construção comece antes de 2010", lembrou o ministro.

(in Público, via Blasfémias)
O ministro Mário Lino - uma vez que em 2010 já não vai ser responsabilizado politicamente - quer hipotecar a riqueza de futuros contribuintes porque um investidor minoritário assim o exige.

Apetite Fiscal

"If you measure as a percentage of GDP, discretionary Spending under Bush has decreased! In 2001 the figure was 3.4% of GDP, compared to 3.2% of GDP in 2006. If we exclude Homeland Security and Veterans spending the decrease is even larger, 3.0% to 2.7%."
(...)
Bush has cut taxes, cut or mostly restrained spending, quashed Kyoto and expanded free trade. If he has not done more it is because of political and ideological pressure, not a part of his agenda. The Democrats, on the other hand, promise to turn the US economy to the French or Swedish system."

Tino Sanandaji, "The Myth of Bush the Spender"

(via Neolibertarian.net)

Palocci

Escola Austríaca - Hoje às 18h00 na UCP

2 anos de Causa Nossa

Os portugueses são OTArios? (5)

Ao que parece o governo vai publicar estudos económicos feitos pela banca de investimentos. Não preciso ler os estudos para saber o que por lá consta: a Ota é um excelente projecto, com uma TIR entre 11% e 13%, e com um worst case scenario em que a taxa de rentabilidade baixa para os 7%.

Já fiz muitos do género para saber que é assim. O estado raramente quer saber da viabilidade económica de um projecto. O estado pretende quase sempre algo diferente. Em vez de se avaliar o mérito de um projecto baseado num conjunto de pressupostos, pretende-se encontrar o conjunto de pressupostos que melhor viabilizam o projecto. Nesses pressupostos incluem-se todas as garantias e alcavalas necessárias para tornar qualquer nado-morto sem pés nem cabeça numa apelativa mina de ouro para os investidores.
Post do blasfemo jcd. Leitura obrigatória!

The different concepts of liberalism

The term is now used with a variety of meanings which have little in common beyond describing an openness to new ideas, including some which are directly opposed to those which are originally designated by it during the nineteenth and the earlier parts of the twentieth centuries (...). This movement derives, however, from two distinct sources, and the two traditions to which they gave rise, though generally mixed to various degrees, coexisted only in an uneasy partnership and must be clearly distinguished if the development of the liberal movement is to be understood.###

The one tradition, much older than the name 'liberalism', traces back to classical antiquity and took its modern form during the late seventeenth and the eighteenth centuries as the political doctrines of the English Whigs. It provided the model of political institutions which most of the European nineteenth‑century liberalism followed. It was the individual liberty which a 'government under the law' had secured to the citizens of Great Britain which inspired the movement for liberty in the countries of the Continent in which absolutism had destroyed most of the medieval liberties which had been largely preserved in Britain. These institutions were, however, interpreted on the Continent in the light of a philosophical tradition very different from the evolutionary conceptions predominant in Britain, namely of it rationalist or constructivistic view which demanded a deliberate reconstruction of the whole of society in accordance with principles of reason. This approach derived from the new rationalist philosophy developed above all by René Descartes (but also by Thomas Hobbes in Britain) and gained its greatest influence in the eighteenth century through the philosophers of the French Enlightenment. Voltaire and J.‑J. Rousseau were the two most influential figures of the intellectual movement that culminated in the French Revolution and from which the Continental or constructivistic type of liberalism derives. The core of this movement, unlike the British tradition, was not so much a definite political doctrine as a general mental attitude, a demand for an emancipation from all prejudice and all beliefs which could not be rationally justified, and for an escape from the authority of 'priests and kings'. Its best expression is probably B. de Spinoza's statement that 'he is a free man who lives according to the dictates of reason alone'.


Excerto de "Liberalism" de F.A.Hayek: Introduction: The different concepts of liberalism

Die Kanzlerin

Example

O Bundestag votou favoravelmente o governo dirigido por Angela Merkel. O resultado obtido, mostra que a Grande Coligação não colhe total apoio entre os parlamentares dos dois partidos que a suportam: de um total de 614 lugares, a CDU e o SPD detém 448 lugares mas a Coligação recebeu só 397 votos a favor.
O Secretário-Geral do FDP, Dirk Niebel, diz que se trata de um governo claramente social-democrata, com uma Chanceler conservadora, sem perspectivas para acabar com o problema do desemprego.

Pedido

Crises

Geldof para Presidente

21.11.05

Here we go again….(revisto)

Europa de comerciantes

O ministro dos Negócios Estrangeiros português é da opinião que, em cinco meses de presidência da União Europeia, o governo britânico não fez nada em matéria de perspectivas financeiras.

À entrada para a reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros dos 25, a decorrer esta segunda-feira em Bruxelas, Freitas do Amaral revelou-se bastante crítico para com a presidência britânica a propósito das negociações sobre o orçamento comunitário para o período 2007-2013.

(...)

«É o que está à vista. Portanto, temos de lutar pelo nosso, que é mais antigo e que é mais substantivo e que não é o de uma Europa de comerciantes mas sim um projecto político, económico, financeiro e social. Tudo coisas que a Grã-Bretanha não quer admitir e está a tentar diluir», disse.
Um acordo comercial é caracterizado pela liberdade contratual. Não posso dizer o mesmo de um "projecto político"....

Geldof na luta contra a pobreza

Segundo Geldof, Portugal é uma «economia pequena» no seio da UE, mas, pela sua responsabilidade histórica, pode ter um «papel fundamental» e exercer pressão junto dos «grandes» para que mudem as suas políticas, nomeadamente em relação ao livre acesso dos produtos africanos ao mercado mundial.

O músico referiu-se especificamente às negociações que decorrem em Hong Kong, no âmbito da Organização Mundial do Comércio (OMC), sendo um dos assuntos o acesso de África ao mercado mundial.

«Se estas negociações falharem, será catastrófico», disse, exemplificando com o que considera ser «uma responsabilidade de Portugal»: «os produtores de açúcar de Moçambique não podem aceder ao mercado europeu».
Não sei se era ou não intenção de Geldof, mas julgo que faz uma verdadeira e significativa contribuição pela luta contra a pobreza em África: a crítica (indirecta?) à PAC.

Os portugueses são OTArios? (4)

[Um estudo do Banco Efisa] sustenta que a participação de financiamento público pode ser mínima e "sem recurso a dotações do Orçamento do Estado" e divide o total do investimento necessário para a empreitada - 3,5 mil milhões de euros -, dando a maior fatia dos encargos aos privados (68,8%), calculando em 18,1% as verbas atribuídas pela União Europeia e como encargos directos do Estado uma fatia de 13,1% (472 milhões de euros). Para a Efisa, no entanto, a participação de capitais públicos "pode ser reduzida ou ou mesmo eliminada" deixando aos responsáveis políticos uma série de sugestões de cortes.

(...)

Mais concreta é, no entanto, a possibilidade do Governo lançar um "Fundo de Desenvolvimento do Novo Aeroporto", uma espécie de taxa adicional a pagar pelos utentes da Portela durante a fase de construção (entre 2010 e 2016) e que reverteria directamente para o financiamento da nova estrutura.
A solução proposta é retirar, desde logo, competitividade ao aeroporto da Portela aumentando o custo para os seus utentes. Por outras palavras, um novo imposto!

Nota: uma obra desta envergadura terá uma forte componente de incerteza relativamente a desvios orçamentais pelo que os privados só estarão interessados em investir 68,8% do valor referido (2,4 mil milhões de euros) se houver garantias do Estado quanto a eventuais "derrapagens" além de - em caso de concessão do aeroporto a privados - uma cartelização dos aeroportos portugueses concorrentes (que já acontece através da gestão da ANA).

Eu não me queixo

Em destaque

Etiquetagem

(...)fascist is a cheap insult because its meaning is difficult to pin down and it invariably casts a slur on the person so described. Back in the Comintern days of the 1930s, everybody who was not a communist was a fascist, from the social democrats through to liberals, to the real thing. In the heyday of the New Left, the word fascist was flung around with gay abandon to describe anyone who did not share the ideological preferences of student radicals.###
(...) In bringing together nationalism and socialism, it is unclear whether fascism was a left-wing or a right-wing movement. What can be said is that, like communism, it saw itself in opposition to liberalism as well as parliamentary democracy.

(...)Fascists, like socialists, did not support the idea that individuals were the best judges of their own interest. Rather, individuals needed the state to organise them and to tell them what to do. Moreover the fascist state, what Mussolini called the ethical state, sought to bring every member of society under its control.
In fascist Italy and Nazi Germany, this meant bringing individuals under state domination by controlling the organisations to which they belonged

(...)There were two enemies. The first was liberalism and the autonomous individual who could exercise his or her conscience in deciding a proper course of action. The second was civil society, those voluntary organisations that individuals freely create to pursue their particular interests and that stand outside state supervision. In particular, fascism opposed the various churches. Fascist ideals and the worship of the state would form the core of people's religious beliefs.

Jogada de alto risco

Comunistas com carapaça de democratas

Sobre o anti-liberalismo dos activistas LGBT

O que os activistas LGBT querem não é uma sociedade liberal que resulta de acção de indivíduos que respeitam a esfera de liberdade dos outros, o que até poderia resultar numa sociedade conservadora em termos de costumes mas liberal no verdadeiro sentido do termo. O que os activistas LGBT querem é uma sociedade modelada à luz dos interesses LGBT, mesmo que para isso a esfera de liberdade dos indivíduos tenha que ser violada.

Entre as ideias anti-liberais dos grupos LGBT incluem-se: o controlo do ensino para que os valores favoráveis aos LGBT sejam ensinados, o reforço da estatização da instituição do casamento, a criação de tipos especiais crimes de que outros indivíduos não beneficiam e a criação de direitos especiais para pessoas que pertencem a um grupo específico.

O crime social

Time for action on free trade

Instead of wasting their energy uselessly trying to lobby Brussels, supporters of free-trade should realise that their only real hope of success and of helping fight global poverty is to strike out on their own. The outlook for world trade liberalisation would dramatically improve if one or more European countries, led by Britain, were to declare unilateral free-trade. Not only would this shame many WTO members into greater radicalism, it would also make the outcome of the WTO trade talks far less important. We have no illusion that exiting the EU customs union would be easy; it would trigger a massive crisis in the EU and would probably only be feasible if several pro-trade countries worked together. But if we are truly to tackle the scandal of global poverty, such a possibility should now be openly and frankly discussed.


The Business Online

Cinco dias dá para muita coisa

20.11.05

Finalmente uma notícia boa!

"Beber uma ou duas xícaras de café por dia pode diminuir o risco de pressão alta, aponta um estudo realizado por um grupo de médicos japoneses, divulgado neste domingo."

(AFP via Terra)

Terça-feira é dia de Escola Austríaca

Mundo Moderno

Galloway

"The reason that Syria is facing this crisis is not because of any bad thing which Syria has done or any weaknesses within its democracy, or within its economy, or within its human rights record - and there are weaknesses in all three of these. The reason why Syria is being threatened is not because of anything bad which she did, but because of the good which she is doing. That's the reason why Syria is being threatened - because she will not betray the Palestinian resistance, because she will not betray the Lebanese resistance, Hizbullah, because she will not sign a shameful surrender-peace with General Sharon, and above all - more than any of these others - because Syria will not allow her country to be used as a military base for America to crush the resistance in Iraq. These are the reasons why Syria is being targeted by these imperial powers."
(...)
"What your lives would be if from the Atlantic to the Gulf we had one Arab union - all this land, 300 million people, all this oil and gas and water, occupied by a people who speak the same language, follow the same religions, listen to the same Um Kulthum... The Arabs would be a superpower in the world if they had this unity, instead of the shameful situation in which the Arabs find themselves today."
(...)
"Hundreds of thousands are ready to fight them in the Middle East, and in Latin America there is revolution everywhere. Fidel Castro is feeling young again. Brazil, Argentina, Uruguay, Bolivia, Ecuador, Chile are all electing left-wing governments which are challenging American domination. And in Venezuela, the hero Hugo Chavez has stood against them over and over and over again."

(via MEMRI)

Vasco Pulido Valente e Mário Soares

Ironia não intencionada?

Grandes desígnios nacionais

Em defesa de Joseph McCarthy

ARE YOU NOW OR HAVE YOU EVER BEEN A SECOND-RATE FILMMAKER?

As noted here previously, George Clooney's movie "Good Night, and Good Luck," about pious parson Edward R. Murrow and Sen. Joseph McCarthy, failed to produce one person unjustly accused by McCarthy. Since I described McCarthy as a great American patriot defamed by liberals in my 2003 book, "Treason," liberals have had two more years to produce a person — just one person — falsely accused by McCarthy. They still can't do it.

Meanwhile, I can prove that Murrow's good friend Lawrence Duggan was a Soviet spy responsible for having innocent people murdered. The brilliant and perceptive journalist Murrow was not only unaware of the hundreds of Soviet spies running loose in the U.S. government, he was also unaware that his own dear friend Duggan was a Soviet spy — his friend on whose behalf corpses littered the Swiss landscape.###

Contrary to the image of the Black Night of Fascism (BNOF) under McCarthy leading to mass suicide with bodies constantly falling on the heads of pedestrians in Manhattan, Duggan was the only suicide. After being questioned by the FBI, Duggan leapt from a window. Of course, given the people he was doing business with, he may have been pushed.

After Duggan's death, Murrow, along with the rest of the howling establishment, angrily denounced the idea that Duggan could possibly have been disloyal to America.

Well, now we know the truth. Decrypted Soviet cables and mountains of documents from Soviet archives prove beyond doubt that Lawrence Duggan was one of Stalin's most important spies. "McCarthyism" didn't kill him; his guilt did.


Sobre o mesmo assunto, recomendo também a leitura do artigo 'Romantic Radicals', de Lauren Weiner.

VeryBadPlan.com

The UN has a large number of non-democracies as its members, and the ITU is dominated by monopolistic incumbent telecom companies and former monopolistic telecom companies, as well as their pals from respective government ministries. Giving representatives of incumbent telecom companies from non-democratic countries the right to vote on issues of Internet governance would increase the level of politicization of global Internet governance. It is doubtful that such governance would be more transparent than its current state.

The real reason for wanting to throw the current arrangement out the window is much simpler: a desire to end perceived US hegemony in Internet governance. The US formally controls the domain name system root, even if international treaty organizations and other governments have a significant input in regard to the ICANN agenda. EU spokesman David Hendon told Reuters that many EU nations "just cannot accept that the Americans have control of the Internet in their countries." Such criticism of American hegemony in Internet governance seems to rest on some kind of romantic notion of autarky.###

Most importantly, the United States has been a benign hegemon in the global Internet governance and has efficiently delivered a global public good that has not conflicted with the interests of economically and politically open countries. So far, there is no evidence that US dominance has seriously hindered countries' ability to use and diffuse the Internet. Actually, quite the opposite is true. Instead of spending their energy on efforts to throw sand into the mechanism of global governance, interested parties should look at other international and domestic arrangements that continue to pose serious obstacles for Internet use and diffusion around the globe.

If the priority of the EU and other countries is to facilitate Internet diffusion and encourage its use, then the list of priorities should head in the direction of further reform of domestic telecom markets instead of spending energy on transforming the global Internet governance from ICANN to the ITU. The current arrangement of Internet governance is far from perfect, but the EU-proposed alternative is far worse.

Um trio de ouro

Populismo...

"En Sudamérica, el país que en los últimos años ha logrado el mayor crecimiento, no tan sólo en la economía, sino en sus indicadores sociales: educación, salubridad, reducción de diferencias sociales, es Chile. El secreto de ese país es que han sabido mantener políticas de libertad comercial, independientemente de que lo gobiernen presidentes socialistas.
(...)
Quienes más empujaron la agenda para alcanzar un libre comercio en América, como en Europa, fue el Presidente socialista de Chile, Ricardo Lagos y el Presidente de México, Vicente Fox, países donde el libre comercio ha mostrado sus bondades. Es triste constatar que en Sudamérica todavía muchos políticos no acaban de despojarse de dogmas contra el libre comercio agotados en el siglo XX, ignorando la globalización en la que viven en el siglo XXI."

Luis Pazos, "Populismo Contra Libre Comercio"