1.4.06

Um MNE desastroso

Novidades da Causa Liberal

A Revolução Francesa em 2006

Apple: 1976-2006

Liberdade individual e vida em sociedade

Interessante verificar que os que apregoam as virtudes do respeito pela liberdade individual e de um Estado mínimo são os que melhor se aguentam a viver em sociedade. Reflexo da vida real ?
Não se aplicará certamente a todos os casos (em ambos os campos) mas não deixa de ser uma reflexão interessante.

Reacção a propósito de (Salma) Hayek (2)

31.3.06

O Menino Gordo da Bola

A ONU lançou um repto temerário: ou o Irão abandona o seu programa nuclear ou... Ou a ONU vai agir. Algo me diz que vão tentar a antiga táctica do menino gordo que faz birra e leva a bola para casa. Regras que, para além de não
funcionarem desde os tempos de liceu, pouco importam a um país que não precisa de se interessar minimamente por quem tem a bola.

Rádio Europa-Atlântico

[A] partir de domingo a oito, poderão escutar por lá [Rádio Europa - 90.4] um programa semanal de debate em parceria com a Revista Atlântico. Chama-se Descubra as Diferenças e promete muita discussão. Em estúdio estará a directora da Rádio Europa, Antonieta Lopes da Costa, moi même [PPM] e mais dois dos quatro membros do Conselho Executivo da Atlântico: João Marques de Almeida, Luciano Amaral, Rui Ramos e Vasco Rato.
[transcrito d'O Acidental]

Sobre o novo Estatuto da Catalunha

Entre Alckmin e Lula

Claro que é. E vou votar nessa besta. Não tem problema, sempre votei em bestas – em Collor e Fernando Henrique e assim por diante.

Votar, por definição, é votar numa besta. Quem diabos vota feliz, vota empolgado? Voto em qualquer um para evitar Lula, de qualquer modo.

Me mandam denúncias contra o PSDB. Acredito em todas, e se não me mandassem nenhuma já tinha imaginado coisas piores de qualquer maneira. Mas que tenho eu com o PSDB? Que tenho eu com qualquer partido?

(...)

Vou votar no PSDB, mas não tenho dúvida que os dois partidos são feitos de gente burra, e que os dois são feitos de gente corrupta, e que os dois são feitos de gente socialmente inaceitável – você olha para a cara desses candidatos e sabe que são o tipo de gente que pede licença antes de entrar em casa e chamam pessoas sem diploma de médico de “Doutor”.

Mas o PSDB tem esta vantagem em relação ao PT: são burros demais para ter uma ideologia. São menos perigosos, porque são intelectualmente vazios demais para conseguir defender uma teoria que seja. O PT é mais perigoso. Por causa da ideologia, jornalistas e escritores e blogueiros e cantores de MPB e atrizes (nessa ordem descrescente de nível intelectual) não têm vergonha de defender o PT contra cada acusação de corrupção, abuso de poder e idiotice.

Reacção a propósito de (Salma) Hayek

Os construtores de muralhas

A partir de 2010, a licenciatura em Direito deixa de ser suficiente para permitir o acesso à carreira de advogado.(...)

"A Ordem dos Advogados não pode admitir que haja inscrições com licenciados que tenham uma frequência de 3 anos" e "com a implementação da decisão de Bolonha o que vai acontecer é que para se inscrever na Ordem terá que ter um grau superior ao da licenciatura" estas são as explicações de Rogério Alves, Bastonário da Ordem dos Advogados(...)

[RR]
Cada vez se percebe melhor para que servem, verdadeiramente, as Ordens profissionais.

Escândalo!

Barroso e os "campeões nacionais"

European Commission President Jose Manuel Barroso said that a recent bout of economic protectionism represented a "threat" to the European Union, and vowed Thursday to combat any attempt to favor national interests in the single market.
Energy companies have been at the center of disputes among EU nations in recent weeks, sparking accusations of protectionism against France and Spain for seeking to prevent takeovers of national power companies by rivals from Italy and Germany.

"My commission will fight all kinds of economic nationalism," Barroso said. "I believe economic nationalism is a threat to our European values."

[MSN Money]
Espero que o Presidente da Comissão mantenha a mesma linha de raciocínio para as relações entre a UE, os países da UE, e o resto do mundo e que isso venha a ter consequências na alteração de políticas comuns que afectam os mercados internacionais (a PAC, por exemplo).

Cada um sabe de si

Leitura recomendada

The Tragedy of Big Government - Why Failure Is Guaranteed!
No Iconoclast.

Se

Julgavam que nos víamos livres dele?

[...] gostava de saber se os portugueses que estão a ser expulsos do Canadá estão a ser tratados em igualdade de condições com os espanhóis e italianos que também lá estão.

Dr. Jorge Sampaio, ex-Presidente da República, revelando as suas dúvidas sobre um tema que o está a perturbar.

Podemos sempre criar um novo desígnio nacional...

O camarada Rainha contra os vampiros capitalistas

30.3.06

Coming soon in this blog...

Nas bancas a partir de hoje

Esquerda orgulhosa

Nesta guerra comunicacional a única solução vencedora é afirmar claramente, quando desdenhosamente qualificado de “esquerda”: “sou de esquerda sim senhor, e com orgulho! E sou de esquerda porque entendo que o mercado não é uma vaca sagrada mas uma criação humana imperfeita que tem de ser regulada pelo Estado! De esquerda porque entendo que a igualdade de oportunidades depende da existência de serviços públicos de qualidade! Laico porque sei que sem separação entre Estado e Igreja não há condições de efectiva liberdade! De esquerda e laico, com orgulho…”
Caro Rui Pena Pires, algumas dúvidas sobre o conteúdo do seu post:
  1. Se o mercado é uma "criação humana imperfeita" devo considerar que acredita ser o Estado uma criação divinalmente perfeita?

  2. Se todos somos inegavelmente diferentes o que para uns é uma oportunidade não pode ser para outros uma incoveniência?

  3. Só os cidadãos laicos são efectivamente livres? Está a dizer que a liberdade religiosa deve ser abolida?

Adenda: Se acredita num Estado laico então o ponto 1. é falso e esta instituição é, afinal, também uma "criação humana imperfeita".

Adenda: a resposta ao comentário de Rui Pena Pires a este post está aqui.

International Geographic

O primeiro animal é uma ave necrófaga, um abutre de Trás-os-Montes.
O segundo animal é um mamífero, um vampiro sul americano.
Este esclarecimento visa evitar algumas confusões, para que na hora de "enxotar aves necrófagas" não se corra atrás do primeiro mamífero que se encontra.

O partido sexy humorístico

Parece-me um bocado propagandex, à Socratex, mas se for verdadex, é bonzex.
temos o
Parece transparecer que existe dentro do Governo uma divergência entre Costas
Triste, triste é vermos que, mesmo assim, estes senhores não têm feito pior figura que os outros...

Premonição em cartoon

Aviso aos condutores: excesso de carga (fiscal)

Por um panorama político-partidário mais saudável em Portugal

Um plano simplex para a Constituição

Uma constituição que identifique o mínimo denominador comum de direitos e garantias, reduza ao essencial as obrigações e assuma, intransigentemente, as liberdades fundamentais – certamente com muito menos páginas – abriria o espaço de manobra suficiente para desenhar o futuro de Portugal sem constrangimentos.

E reduzir “constrangimentos” não é negar direitos fundamentais – a discussão poderá estar na identificação desses mesmos direitos. E, se essa questão foi “discutida a quente” no pós-revolução, poderá ser agora altura de a ponderar serenamente. E isto pode, também, ser uma atitude de esquerda!

É de um plano simplex que a Constituição necessita!

Recrutamento de juízes

1 - Juizes da Relação

Em Portugal só juízes podem ser Juízes dos Tribunais da Relação. Há um monopólio total dos juízes da primeira instância nos concursos - curriculares - para juíz desembargador.
Nem os magistrados do Ministério Público podem concorrer, como também não podem os restantes juristas, advogados, juriconsultos, notários,conservadores e outros.


2 - Juízes do Supremo Tribunal de Justiça

Aqui já podem concorrer magistrados do Ministério Público e juristas de reconhecido mérito.

Mas a fatia grande é para os juízes da Relação, podendo apenas 1 em casa 5 vagas ser preenchida por magistrados do Mº Pº, os procuradores-gerais-adjuntos.
José Maria Martins (via tomarpartido).

Educação sexual: da teoria à prática

Ela: Hmmm...! Gosto quando me beijas no pescoço...

Ele: No fundo, estou apenas a estimular as tuas zonas erógenas para facilitar o coito, segundo as regras básicas da excitação sexual.

Ela: Eu sei. Agora, vou estimular-te por sexo oral. Parece-me que dois minutos e meio de estimulação é a duração adequada ao teu estado neurológico e sensorial. Que achas?

Ele: Acho bem. Segundo os estudos de Dickinson, estás certa. Ahhh...! Onde é que aprendeste a fazer isto tão bem?

Ela: Foi no livro obrigatório do 5º. ano, o "1001 Maneiras de Enlouquecer um Homem na Cama".

Ele: Sempre gostei de sexo oral. Na escola, tive a melhor nota da turma no teste de cunnilingus...

Ela: Ohh!... Adoro ouvir-te falar Latim...
Continua no Espumadamente.

Complicadex

Os cidadãos nacionais, residentes no País e maiores de 18 anos, que pretendam inscrever-se em escolas até ao ensino secundário vão ser obrigados a exibir o cartão de eleitor no acto da matrícula ou da sua renovação. A medida consta do despacho nº 6539/2006, do secretário de Estado Valter Lemos, publicado em Diário da República a 22 de Março.

Curiosamente, esta novidade surgiu cinco dias antes de o Governo ter anunciado o programa Simplex de simplificação administrativa e legislativa que, entre outros 333 pontos, prevê precisamente o fim da obrigatoriedade da maioria das matrículas no ensino não superior.
No Diário de Notícias, via Blasfémias.

PS: gostaria de ver a blogosfera portuguesa contabilizar todas as medidas do Governo que se adequam no programa "Complicadex".

Escolhas responsáveis

O chefe do Governo anunciou também a nova regra de não financiar cursos superiores de licenciatura com menos de 20 alunos na primeira inscrição, nem pólos do Ensino Superior que não satisfaçam limiares mínimos de desempenho.

A propósito desta novidade, lembrei-me de uma conversa que há uns tempos tive com uma amiga:
Ela: A culpa de haver muitos professores desempregados é do Estado que permitiu tantos cursos para ensino.
LA: Mas os alunos e os pais podiam ter escolhido outro tipo de curso.
Ela: Não interessa! Porque é que o Estado permitiu tantas vagas nesses cursos?
LA: Alguém foi obrigado a escolher esse cursos?
Ela: Não interessa! A responsabilidade tem de ser do Estado. As Universidades não são do Estado?

Na altura concluí que o facto de os cursos superiores públicos serem pagos com o dinheiro dos impostos de todos os contribuintes, diminuia a necessidade de avaliar com ponderação qual o resultado das escolhas feitas. A responsabilidade é transferida para o estado, resultando as suas decisões de financiamento como orientação currícular para as famílias e para os futuros doutores. Uma distorção no mercado de trabalho que os licenciados, mais tarde, pagarão com desemprego

Tirem os burocratas da educação

Ao cobrar impostos, o governo impõe um pagamento e oferece um serviço cuja qualidade você pode contestar, na melhor das hipóteses, com longínquas esperanças. Se você não tem a educação que deseja, talvez seu neto venha a tê-la se houver suficiente lobby político, um determinado partido vencer as eleições etc. Já no mundo das escolas particulares (que não fossem regulamentadas pelo governo como hoje), se você não está satisfeito com uma, pode simplesmente mudar para outra.
Do insurgente Pedro Sette Câmara (via A Arte da Fuga).

Teste político

Talvez se devesse introduzir, em todos os partidos, antes de qualquer proposta de militante ser aceite, um teste, como aqueles que de vez em quando preenchemos na net, para observar em que área política a pessoa se enquadra melhor, de acordo com os pontos de vista manifestados em diversas áreas. Bem como os filiados podiam ser abrangidos por esse teste.
CMC, no Tugir.

Confissão

Incoerências comunitárias

Mais cartoons

Example
Este cartoon foi publicado pelo jornal indonésio Rakyat Merdeka (curiosa palavra...), de pendor islamita segundo a notícia do News.com.au. Satirizados são Alexander Downer, ministro dos negócios estrangeiros australiano e o primeiro ministro John Howard ("I want Papua!! Alex! Try to make it happen!"). Eis o comentário de Downer:
"You can publish cartoons which are tasteless and grotesque, but you are free to do so, and Indonesia is a free and pluralistic society," he [Downer] said today.
"Obviously, there are standards of public taste which publications are measured against.
"I would have thought those cartoons, in our society, fell way below the standards of public taste. I think a lot of Australians would regard those kind of publications as very offensive.
"But they're free to be offensive in a magazine in Indonesia if they wish to be."
Australia's decision to grant visas to 42 of 43 Papuan asylum seekers has sparked outrage in Indonesia, with nationalists accusing Canberra of secretly plotting the province's breakaway from Jakarta's grasp.
They have likened the situation to the 1999 independence crisis in East Timor.
Na sequência da referida decisão, a Indonésia retirou o seu embaixador da Austrália. Downer disse também que, quando ele voltasse a Canberra lhe perguntaria o que o seu governo poderia fazer para que os jornais indonésios não ultrapassassem a decência.

Se no seu comentário inicial, o ministro esteve bem, já discordo que sugira a outro governo que influencie a sua imprensa. Se há limites à decência, esses deverão ser os impostos pelos editores (de livre vontade) e são demonstrados pelos leitores do próprio jornal se decidirem não o comprar. Finalmente, o ministro australiano tem sempre a hipótese de processar o publisher do jornal, se entender que lhe é devido um reparo.

O homem que era quinta feira

29.3.06

O "proyecto estratégico" de Chávez e o colapso da Venezuela



Mais videos no YouTube sobre o desastre socialista na Venezuela:

Los derechos humanos en Venezuela

Miseria y Hambre en Venezuela

(via My Guide to Your Galaxy)

Pontos de Fuga

Parece que querem instituir um sistema de quotas para as mulheres na política. E até há quem, discordando das quotas, as aceite como medida de estímulo, meramente temporária, e se apresse em declarações de voto profundamente contraditórias. O que trespassa das ideias de quem defende as quotas é, simplesmente, a tentadora e ingénua ideia de que o Estado pode, por decreto, criar a sociedade perfeita. A perfeição é, neste caso, uma maior participação das mulheres na política. Mas se há falta de participação das mulheres na política em Portugal, das duas uma: ou estas não querem participar na política ou estas estão factualmente e/ou legalmente impedidas de o fazer. Vejamos.

Se as mulheres não querem fazer política, têm todo o direito de o não fazer ou de pugnar pelas mudanças de hábitos necessárias ao seu interesse em participar. E o caso está arrumado. Se as mulheres estão legalmente impedidas de o fazer, por constrangimentos legais vários, então essas barreiras legais são inconstitucionais e devem ser banidas da nossa ordem jurídica, por restrição inaceitável da liberdade de actuação política das mulheres. E o caso arrumado está. Resta-nos o caso das mulheres que se dizem factualmente impedidas de participar na política. E que factos são estes? Geralmente são dois: a difícil compatibilização da carreira política com as suas tarefas familiares e as excessivas limitações impostas pelos homens no seu ingresso e progressão na actividade política.
####
Se o problema do acesso das mulheres à política reside na difícil compatibilização entre as tarefas familiares e a actividade política, não vejo como podem as quotas resolver o problema. As quotas não resolvem nenhum problema de compatibilidade, não diminuem as tarefas diárias a cargo de ninguém e não funcionam como mecanismo harmonizador dessas tarefas. O que as quotas podem eventualmente fazer é proporcionar às mulheres um acesso mais garantido à actividade política. Mas as suas tarefas familiares, a existirem, continuam lá. Podem objectar que, num sistema de quotas, os homens seriam obrigados a ficar com algumas dessas tarefas, visto que as mulheres seriam chamadas a outros lugares. Mas, se é assim, tal significa que essas dinâmicas e cheias de garra senhoras estão casadas com maridos que só à força de uma lei aceitam partilhar tarefas. Ora, entre marido e mulher, não meto eu a colher...

Se o problema do acesso das mulheres à política reside numa espécie de complot masculino que as impede de participar mais activamente na política, restringindo o seu acesso, então estamos perante uma prática concertada discriminatória. Mas será exclusiva da política? É que se essa prática se estende, como sempre se argumenta, a todas as áreas de chefia de todos os sectores da vida, por que razão devem as mulheres políticas ser beneficiadas sobre as mulheres não políticas? Mas imaginando que apenas na política se sente tal complot, sempre se dirá que este se funda em critérios absolutamente discricionários: uma mulher é excluída porque sim. Ora, as quotas não estabelecem nenhum mecanismo racional ou vinculado, de acesso à política. As quotas substituem uma alegada discricionariedade injustificada por uma outra, de contornos semelhantes. Se as mulheres querem estar em condições de igual acesso, devem pugnar pela criação de mecanismos de selecção que assegurem a racionalidade do acesso e à igualdade de oportunidades. Se uma mulher incompetente tira o lugar a um competente homem (ou transexual masculino, em última instância), estamos perante um sistema que promova a igualdade de acesso?

Perante isto, já ouço as vozes a clamar contra este meu post, dizendo que eu não admito a existência de barreiras às mulheres na política. Mas eu tenho de confessar que admito a sua existência, ainda que muitas delas comecem em casa, com a partilha de tarefas que voluntariamente se estabelece entre o casal. O que penso é que essas barreiras, que levam o seu tempo a serem levantadas, se conseguem apenas com a consciencialização expontânea do valor e da capacidade das mulheres, não por serem mulheres, mas por serem seres humanos. É isso que acontece hoje no ensino superior, sem necessidade de quotas. Nenhuma licenciada tem actualmente o labéu de ser licenciada apenas por ser mulher. É licenciada porque trabalhou e mereceu o título e não porque o Estado precisou de actualizar estatísticas.

Capitalismo, não obrigado!

An opinion poll, published by Le Figaro newspaper on Saturday, showed that 50 per cent of French people did not have faith in the market economy - compared with 20 per cent in communist China. One of history's eternal questions resounds around Paris once again: can France reform itself without revolution?
No Financial Times, via My Guide to your Galaxy e Johan Norberg.

Cristãos perseguidos... na Bélgica

Every thoroughly islamized Muslim child that is born in Europe is a time bomb for Western children in the future. The latter will be persecuted when they have become a minority.
O engrançado é que este mesmo centro, especialista, pelo que se vê, em perseguir todos os que põe em causa o mantra multiculturalista, recusou processar o discurso racista de muçulmanos, como foi o caso dos cartoons anti-semitas publicados na Bélgica.

Dois pesos, duas medidas como de costume. E a tentativa de controlar o pensamento das pessoas através das palavras que se podem ou não dizer continua nesta abençoada União Europeia que cada vez mais parece candidata a herdeira da defunta União das Repúblicas Socialistas Soviéticas.

Não é só no sexo!!!

O socialismo e a democracia, no sexo, não funcionam. Se todos governam, ninguém governa. Se toda zona é zona erógena, não há zona erógena e a mulher teria um orgasmo ao pentear o cabelo.
No Manobra, 1979, via A Origem das Espécies.

Subscrevo

Os direitos dos trabalhadores devem prender-se com a formação e qualificação, mais do que as regalias laborais, que, algumas delas, chegam a incentivar a falta de aplicação.
CMC, no Tugir.

Ignorância socialista

A caminho do socialismo

Talvez não se possa dizer que a Constituição faz trinta anos no domingo. Depois de aprovada na Assembleia Constituinte a 2 de Abril de 1976, foi tão reformada e reescrita que só por uma ficção de continuidade podemos dizer que é a mesma. No entanto, assim se convencionou, e para tornar a lenda mais credível até se manteve o ”preâmbulo” intacto. Aí continuamos todos, como condenados, a ”caminho de uma sociedade socialista”, embora ”no respeito da vontade do povo português”. Certamente que já não vale a pena notar a contradição.
Rui Ramos no Diário Económico.

I Want Out (II)

Itália concede asilo a Abdul Rahman

KABUL, Afghanistan - Afghanistan's parliament demanded Wednesday that the government prevent a man who faced the death penalty for abandoning Islam for Christianity from being able to flee the country. Italy granted asylum to Abdul Rahman, 41, and the Foreign Ministry said he would arrive there "soon," maybe within the day.

Rahman was released from prison Monday after a court dropped charges of apostasy against him because of a lack of evidence and suspicions he may be mentally ill.

(...)

The Italian government granted asylum to Rahman after Muslim clerics called for his death.

"I say that we are very glad to be able to welcome someone who has been so courageous," Premier Silvio Berlusconi said.

Há vida além do défice?

Diário de Notícias e Jornal de Notícias em forte perda

Os cinco principais diários portugueses venderam menos cerca de 26 mil exemplares por dia no ano passado do que em 2004, tendo o Jornal de Notícias registado a maior descida ao perder 16 mil compradores por edição.

Este diário, detido pela Controlinveste de António Oliveira desde Agosto passado, perdeu 14,5% de compradores, passando a ter, em média, uma circulação paga (vendas em banca e por assinatura) abaixo dos 100 mil exemplares (95.231) diários, de acordo com dados hoje divulgados pela Associação Portuguesa para o Controlo de Tiragem e Circulação (APCT).

(...)

Entre os dois diários considerados de referência a maior descida foi sentida pelo Diário de Notícias (também da Controlinveste), cuja circulação paga caiu 12,8%, passando para uma média de 33.434 exemplares por edição.

Leituras blasfemas

Provocação à direita tradicionalista (e corcunda)

Vende-se apartamento em Lisboa!

Segundo contas do vereador da CDU, Ruben de Carvalho, em 2005, cada um dos cerca de 550 mil lisboetas pagou em impostos à Câmara [Municipal de Lisboa] 540 euros, um valor superior aos 470 euros pagos em 2004 e aos 427 euros em 2003.

(...)

O passivo da Câmara de Lisboa atingia no dia 31 de Dezembro de 2005 um total de 1,2 mil milhões de euros, sendo que 956 milhões de euros são dívidas de curto prazo;
Ou seja, os impostos municipais continuarão a aumentar dado que cada lisboeta deve à Câmara Municipal de Lisboa cerca de 2.181,82 euros.

Sugere-se a quem pensa comprar casa em Lisboa que pesquise, em alternativa, os valores da dívida de municípios nos arredores. A dívida é um importante indicador sobre os futuros montantes de impostos municipais a pagar.

Leitura recomendada

[A] desmaterialização [do Diário da República] é positiva mas não resolve o problema do legislador compulsivo, que, em 20 anos, levou o jornal oficial a duplicar o número de páginas (de 4.000 para 8.000 na primeira série). A burocracia também resulta de sobrecarga de leis.

5,20 euros aos 100 km

Os jacobinos à espreita (2)

Boas novas de Israel

Ehud Olmert já proclamou a vitória e declarou-se pronto a concessões territoriais que permitam a existência, lado a lado e em paz, de um estado palestiniano e de um estado israelita.

Os sinos dobram por nós

Contra o proteccionismo

O Secretário do Comércio americano, Carlos Gutierrez, esteve na China e deixou um alerta para o perigo que representa o aumento do proteccionismo nos EUA e chama a atenção das autoridades chinesas para algumas das suas causas:

Gutierrez said China needed to act on U.S. complaints about widespread Chinese piracy of films, software and other intellectual property, as well as demands to expand market access for American companies.
But he said legislation threatening China was not the way to defuse complaints and narrow the U.S. trade gap with China, which reached $202 billion in 2005.(...)
"Clearly, a protectionist sentiment in the U.S. that is backed by action and legislation ... would be very bad for China and the United States."(...) ###

Gutierrez (...) repeatedly warned against rising protectionist rancor aimed at China, while urging Beijing to address U.S. complaints.
"All that we have done together can be put at risk by rising the level of trade tension in the U.S. government,"(...)he said Chinese efforts to subsidize local industries, promote home-grown security standards for wireless computer networks, and restrict multinationals' access to government purchasing programs were straining trade ties.(...)
Commerce Minister Bo Xilai told Gutierrez on Tuesday that China was not to blame for the gap, which he said was the outcome of broader global economic shifts, according to a report on his ministry's Web site.
"A considerable amount of Chinese exports to the United States comes from U.S. companies who have invested in China," Bo told him.

Blogs no Irão

Na "Business Week":

Dozens of Iranian bloggers have faced harassment by the government, been arrested for voicing opposing views, and fled the country in fear of prosecution over the past two years.
In the conservative Islamic Republic, where the government has vast control over newspapers and the airwaves, weblogs are one of the last bastions of free expression, where people can speak openly about everything from sex to the nuclear controversy.###

(...)Although exact figures are not known, experts estimate there are between 70,000 and 100,000 active weblogs in Iran. The vast majority are in Farsi but a few are in English.(...)
The debates on Iranian weblogs are rarely political. The most common issues are cultural, social and sexual. Blogs also are a good place to chat in a society where young men and women cannot openly date. There are blogs that discuss women's issues, and ones that deal with art and photography.

But in Iran, activists say all debates are equally perceived as a threat by the authorities.(...)

Redução do défice

Estatísticas...

"Há várias formas de mentir com estatísticas. É possível apresentar tendências através de lentes tendenciosas, mudar proporções em apresentações gráficas para causar um determinado impacto, estabelecer nexos causais inexistentes a partir de relações entre variáveis, fazer projeções baseadas em estatísticas defasadas, ignorar informações que sejam inconvenientes para a tese que se deseja sustentar, maquiar imperfeições numéricas e inclusive praticar a patifaria pura e simples de falsificar dados ou basear-se deliberadamente em fontes secundárias de qualidade duvidosa (por sinal, Marx e Engels eram adeptos dessas duas últimas práticas).
(...)
A informação, em um Estado de Direito, pode ser utilizada para o bem ou para o mal e é uma ferramenta indispensável do aparelho de Estado. Os resultados – benéficos ou não – dependem do grau de participação da sociedade na vida política da nação. Infelizmente, uma pesquisa recente do Ibope (sempre as estatísticas!) aponta que a sociedade brasileira é tolerante com a corrupção, o que é incompatível com a inserção do Brasil no time dos países democraticamente maduros e, ainda com maior razão, no grupo das nações economicamente desenvolvidas."

Claudio Téllez, "Estatísticas Furadas"

(via Claudio Téllez)

Para evitar confusões sobre o liberalismo (2)

EL siglo XXI exige de los liberales una actitud beligerante a favor de la libertad. Porque ser liberal significa admirarse, como decía Tocqueville, por los prodigios que provoca la libertad cuando actúa liberada de ataduras intervencionistas. En este sentido, el liberal es siempre crítico frente al intervencionismo, venga de donde venga. Las coordenadas liberales fueron trazadas con nitidez dentro de una secuencia histórica instalada en un racionalismo crítico, empirista y nominalista que hizo -y hace- de la libertad, entendida en su sentido más amplio, el único instrumento de legitimación moral de cualquier política que se reclame públicamente como liberal.

(...)

Receloso de cualquier fórmula patriarcal y estatista, el liberal ha puesto siempre la proa frente a cualquier ingeniería social llevada a cabo en nombre de la justicia colectiva, humana o divina. Para el liberal, la dignidad del hombre es sagrada. Ya sea a la hora de organizar su vida afectiva, moral, económica o social. No en balde los liberales llegan en el siglo XVIII a la defensa del mercado y su espontaneidad después de haber defendido con igual intensidad la autonomía moral de la sociedad y de la persona frente al patriarcalismo del Antiguo Régimen. Adam Smith nos depara La riqueza de las naciones después de recorrer el camino de La teoría de los sentimientos, siguiendo la estela de Locke, y no al revés. Aquí, precisamente, hay una diferencia notable con los conservadores y sustancial con los socialistas. En honor a la verdad, la diferencia con los primeros no ha sido nunca incompatible -siempre y cuando rebajen su compromiso con la Tradición y no crean que el liberalismo tan sólo es económico-, mientras que con los segundos la aproximación ha sido imposible. El dirigismo planificador y la moralización estatista de éstos ha sido extraordinariamente destructivo para la capacidad autorreguladora de la sociedad civil y el mercado.
(agradeço ao leitor que indicou o link)

Para evitar confusões sobre o liberalismo (1)

Ao invés do que escreve Martim Avilez de Figueiredo, na edição de ontem do Diário Económico, não existe qualquer «ingenuidade» em privilegiar as «virtudes do mercado» às «virtudes» do Estado. Do ponto de vista do liberalismo clássico (o norte-americano é, como sabemos, o socialismo democrático europeu, ou social-democracia) o Estado é sempre de desconfiar. E o motivo é simples: a racionalidade dos decisores públicos não é a do «interesse público», mas sim a que corresponde à interpretação, necessariamente subjectiva e politicamente comprometida, do que o «interesse público» possa ser. Em 1975, por exemplo, essa interpretação levou às nacionalizações e à destruição da economia nacional, decisão de que ainda hoje estamos a padecer.

28.3.06

Presidente desinformado

"A revista Época ainda não divulgara a presença de quase R$ 30 mil na conta bancária de Francenildo Costa e o presidente Lula já sussurrava a amigos, em Florianópolis, a boa nova. Logo seriam divulgadas informações que deixariam mal no retrato o caseiro Nildo, testemunha das visitas do ministro Antonio Palocci à mansão alugada por amigos e ex-assessores para negócios suspeitos e noitadas alegres.
(...)
Como não é capaz (ainda) de prever o futuro, de que modo Lula antecipara o amanhã? Muito simples: tudo fora feito com o consentimento do presidente. Ele sabia do estupro do sigilo da conta mantida pelo caseiro na Caixa Econômica Federal. Sabia que o presidente da Caixa, Jorge Mattoso, participara diretamente da ação criminosa.
(...)
Sempre com a cumplicidade ativa de Lula, o caseiro passou de testemunha a réu. Suspeito de 'lavagem de dinheiro', foi intimado pela Polícia Federal. Sofreu constrangimentos de que até delúbios e valérios escaparam."

Augusto Nunes, "Lula tem culpa nesse cartório" (Jornal do Brasil, 28/03/06)

(via e-agora)

Sobre os últimos escândalos na política brasileira, do mensalão ao pisoteamento do Estado de Direito com a quebra indevida do sigilo bancário do caseiro Francenildo Costa (que levou, em última análise, à substituição do Ministro da Fazenda), a necessidade imperiosa do governo é preservar a imagem do presidente da Silva, fazendo de tudo para sustentar que ele nunca sabia de nada.

Há duas opções: se ele sabia, é, no mínimo, conivente com a corrupção. Se não sabia, é despreparado para governar. De qualquer maneira, a política brasileira passa por um período triste e a população demonstra que não está preparada para o exercício da democracia já que a corrupção está enraizada como parte do ethos cultural brasileiro.

Até na blogosfera o bloquismo está em crise

I Want Out

Paul Krugman’s favorite sport lately, including today (“The Free Lunch Bunch,” Jan. 21), is championing Social Security – “It’s not in crisis!” “It’s a great deal!” “It’s a bulwark against penury in retirement!”

Irrelevancies all. I want out. I don’t care if Social Security is as solvent as Midas, and is the greatest bargain since Peter Minuet bought Manhattan. I want out. It’s my money and my future. I want the right and responsibility to care for myself without politicians and ‘experts’ intruding uninvited into my business – for suffering that arrogance and officiousness is, for me, the greatest burden of Social Security.

I want out.

Abdul Rahman: o que está em jogo (2)

A crise da civilização e as confusões sobre o liberalismo

Infelizmente, as nossas elites (mesmo as mais à direita) são pouco dadas à metafísica e por isso muito devotas dos consensos e bastante tolerantes com motins. Daí a nossa dificuldade em entender a crise e como sair dela. Não sabemos como nos livrarmos do tão propalado consenso sobre a superioridade do nosso modelo social europeu. Muito menos percebemos porque a gestão da crise da civilização obriga à mistura de propostas de consenso com outras fracturantes.

Primeiro debate "Atlântico" - 10 Abril na FNAC do Chiado

É o primeiro debate organizado pela revista Atlântico, em conjunto com o Centro de História Contemporânea e Relacões Internacionais e a Editora Edeline. A propósito do livro "A Ascensão ao poder de Cavaco Silva 1979-1985", de Adelino Cunha. Com moderação do jornalista José Eduardo Fialho Gouveia, a sessão tem como convidados os historiadores Rui Ramos e António Costa Pinto. Espera-se mais do que um choque ideológico pelas 18 horas em ponto no próximo dia 10 de Abril, na FNAC do Chiado. Estão todos convidados. Brevemente serão anunciadas novas iniciativas no âmbito das Conferências Atlântico, um projecto obviamente liberal.
(via O Acidental)

O Insurgente ajuda a humanidade

José Conde Rodrigues e a procura de um liberalismo de esquerda

O secretário de Estado adjunto e da Justiça, José Conde Rodrigues, apresentou, segunda-feira, na Universidade Católica Portuguesa, o livro «A Política sem Dogma», ensaios sobre o liberalismo de esquerda.

Uma iniciativa louvável, não só pelo interesse do tema como pelo facto de José Conde Rodrigues conjugar a sua actividade no terreno, com a reflexão no plano teórico, isto independentemente de se concordar ou não com os seus argumentos.

Sobre a relação do liberalismo com o conservadorismo e o socialismo, recomendo, entre nós, a leitura do livro Liberalismos: Entre o Conservadorismo e o Socialismo, de José Manuel Moreira (Lisboa, Ed. Pedro Ferreira, 1996).

"liberalismo nacional"

Martim Avillez Figueiredo diz que "há uma forte confusão sobre o conceito de liberalismo em Portugal":

Não é defeito do país. É desconhecimento da teoria. Numa frase, ser-se liberal em Portugal significa que se tem uma crença ingénua nas virtudes do mercado e, portanto, que se assume que tudo aquilo que se afaste da simplicidade desarmante da mão invisível de Adam Smith é ser contrário a esse liberalismo. Não é assim: há muitos liberalismos.(...)
O país conhece os desafios que enfrenta e deve ponderar nas respostas que quer dar. Uma delas, é a resposta errada: defender a liberdade acima da lei ou o interesse próprio sobre o colectivo invocando, por exemplo, as virtudes do livre funcionamento do mercado.(...)
Portugal tem mercado a menos e Estado a mais, mas pode pensar liberal sem que isso implique que a valorização de um conduza ao fim do outro. Dahrendorf fala em “liberalismo singular”. Aqui pode usar-se expressão mais simples: liberalismo nacional. Parece a quadratura do círculo. Não é.

Leitura recomendada

O governo prometeu outra vez uma caixa de correio electrónico gratuita para cada português. A ideia não é nova. Da primeira vez custou 1 milhão de contos, o ministro chamava-se Mariano Gago e a coisa foi lançada com pompa e circunstância. Correu tudo bem, excepto num detalhe. Os ingratos dos portugueses ignoraram as caixas de correio que, involuntariamente, pagaram.

Sócrates e Aristóteles

Não concordamos com o primeiro-ministro. Ao contrário do que José Sócrates afirmou este fim-de-semana, a alteração das funções do Estado é uma matéria decisiva para a modernização da Administração Pública. Sem ela, as reformas indispensáveis que o actual Governo está a pôr em marcha perdem sentido.

Sem ela, em vez de se construir um Estado burocraticamente minimalista, constrói-se um Estado tecnologicamente burocrático.###

Porque o que todos sabemos de há muito é que uma Administração Pública eficiente nunca resolve a questão do peso do Estado na economia, peso que em si mesmo é a maior das ineficiências.

E porque, todos o sabemos, a própria eficiência da máquina do Estado obedece a sistemas de controlo político e não ao mecanismo dos preços. Fomenta a criação de regimes próprios para os funcionários do Estado distintos do sistema geral. Alimenta-se de um orçamento do Estado, através dos impostos, e não das receitas condicionadas ao desempenho.

É preciso um exemplo recente para demonstrar quanto Sócrates está errado?

A ligação do Estado à internet não é uma reforma

O Rapto da Europa

China vs EUA e UE

China's textile exports benefit the United States, the European Union and other developed countries, as the low-cost products help them save money, Chinese Commerce Minister Bo Xilai said Monday.

The United States saves nearly 100 billion dollars every year by buying imported textile products from China, Bo told a textile forum in Beijing.
The sector's development has also increased China's imports of raw materials and production equipment, he said.

China's demand for production equipment at present stands at about eight billion dollars, accounting for nearly 30 percent of the global market, he said.
[fonte: EU Business]

Os jacobinos à espreita

Coisas que fascinam

A tragédia francesa (2)

27.3.06

Paixão no Gato Fedorento?

Se calhar sou honesto demais para cá andar.

[Coloco a hipótese de regressar ao futebol] se as coisas melhorarem.

Mises em Lisboa

When Hitler invaded the Netherlands on May 10, 1940, I really became frightened. I had to talk to Lu [Ludwig von Mises]. He did not want to leave. He never had been so happy as he was in Geneva, and he did not feel any fear. I reminded him of the night the Nazis came to Vienna. I told him the Nazis would never take him off their blacklist. I begged him, I implored him to leave, to think of me, if he would not think of himself.

It took the breakdown of the Maginot Line, the occupation of Paris on June 14, and the raising of the German swastika on the highest point of the Eiffel Tower to make Lu aware of the danger. Finally, he gave in and promised to make the necessary preparations for us to leave for the United States.

(...)

When we arrived in Lisbon, we took a deep breath. Our first days there were fully occupied with visits to the police (every foreigner had to register), to the various transportation offices, and to the American consulate. We were staying at a small but beautifully located hotel on the coast. Many of our new friends from the bus were also there, and we frequently met the other passengers in town. We still were like a big family.

(...)

I was lucky enough one morning to get hold of the manager [of the American Export Line] — a Mr. Heart — who was very, very friendly and promised to do for us whatever he could. "But," he said, "you will have to call the office every morning and tell us exactly where you are during the day and what you will be doing." That was not easy for Lu was seeing many people, among them Professor M. Bensabat Amnzalek, the Portuguese minister of finance. Lu had various meetings with him, and Amnzalek also arranged a meeting for Lu with President Salazar and a seminar, which Lu held at the statistical office. He was busy all the time and I had to report all this to the American Export Line. When we went out sightseeing, Lu did what he always did in a new city: he took a tramway or a bus and crisscrossed the town with me. "The only way" he said, "to really get to know a place."

(Margit von Mises, "Our Escape from Europe")
Infelizmente, Salazar escolheu outro caminho!!!

Bush e a gripe das aves

O sea que el resumen del cuento es el siguiente:
Los amigos de Bush deciden que un fármaco como el TAMIFLU es la solución para una pandemia que aún no se ha producido y que ha causado en todo el mundo 100 muertos en 9 años.

Ou seja, o resumo da história é o seguinte:
Os amigos de Bush decidem que um fármaco como o TAMIFLU é a solução para uma pandemia que não apareceu e que causou 100 mortos em 9 anos, EM TODO O MUNDO.###

Editorial do número 81(abril-2006) da revista DSALUD, por José Antonio Campoy
(Texto original em espanhol e na segunda linha em português)

¿Sabes que el virus de la gripe aviar fue descubierto hace 9 años en Vietnam?
Sabes que o virus da gripe das aves foi descoberto há 9 anos, no Vietnam?

¿Sabes que desde entonces han muerto apenas 100 personas EN TODO EL MUNDO TODOS ESTOS AÑOS?
Sabes que desde então morreram apenas 100 pessoas EM TODO O MUNDO, EM TODOS ESTES ANOS?

¿Sabes que los norteamericanos fueron los que alertaron de la eficacia del TAMIFLU (antiviral humano) como preventivo?
Sabes que os norte-americanos foram os que alertaram sobre a eficácia do TAMIFLU (antiviral humano) como preventivo?

¿Sabes que el TAMIFLU apenas alivia algunos síntomas de la gripe común?
Sabes que o TAMILFLU apenas alivia alguns sintomas da gripe comum?

¿Sabes que su eficacia ante la gripe común está cuestionada por gran parte de la comunidad científica?
Sabes que a sua eficácia perante a gripe comum está questionada por grande parte da comunidade científica?

¿Sabes que ante un SUPUESTO virus mutante como el H5N1 el TAMIFLU apenas aliviara la enfermedad?
Sabes que perante um SUPOSTO virus mutante como o H5N1, o TAMIFLU apenas aliviará a doença?

¿Sabes que la gripe aviar hasta la fecha solo afecta a las aves?
Sabes que a gripe aviária, até ao momento, só afecta as aves?

¿Sabes quien comercializa el TAMIFLU? LABORATORIOS ROCHE
Sabes quem comercializa o TAMIFLU?..... LABORATÓRIOS ROCHE.

¿Sabes a quien compró ROCHE la patente del TAMIFLU en 1996? a GILEAD SCIENCES INC.
Sabes a quem comprou a ROCHE a patente do TAMIFLU em 1996?...... a GILEAD SCIENCES INC.

¿Sabes quien era el Presidente de GILEAD SCIENCES INC y aun hoy principal accionista? DONALD RUMSFELD, actual Secretario de Defensa de USA
Sabes quem é o Presidente da GILEAD SCIENCES INC e hoje o seu principal accionista? DONALD RUMSFELD, actual Secretário da Defesa dos EUA.

¿Sabes que la base del TAMIFLU es el anís estrellado?
Sabes que a base do TAMIFLU é o anís estrelado?

¿Sabes quien se ha quedado con el 90% de la producción mundial de este árbol? ....ROCHE
Sabes quem ficou com 90% da produção mundial desta planta? ..... ROCHE

¿Sabes que las ventas del TAMIFLU pasaron de 254 millones en el 2004 a mas de 1000 millones en el 2005?
Sabes que as vendas do TAMIFLU passaram de 254 milhões de dólares em 2004 para 1000 milhões em 2005?

¿Sabes cuantos millones más puede ganar ROCHE en los próximos meses si sigue este negocio del miedo?
Sabes quantos milhões mais pode ganhar a ROCHE nos próximos meses, se continuar o negócio do medo?

Este fármaco no cura ni la gripe común.
Este fármaco não cura nem sequer a gripe comum.

El virus no afecta al hombre en condiciones normales.
O virus não afecta o homem em condições normais.

Rumsfeld vende la patente del TAMIFLU a ROCHE y este le paga una fortuna.
Rumsfeld vende a patente do TAMILFLU à ROCHE e esta lhe paga uma fortuna.

Roche adquiere el 90% de la producción del anís estrellado, base del antivírico.
ROCHE adquire 90% da produção do anís estrelado, base do antivírico.

Los Gobiernos de todo el Mundo amenazan con una pandemia y compran a ROCHE cantidades industriales del producto.
Os Governos de todo o Mundo ameaçam com uma pandemia e compram à ROCHE quantidades industriais do produto.

Nosotros acabamos pagando el medicamento y Rumsfeld, Cheney y Bush hacen el negocio....
Nós acabamos por pagar o medicamento e Rumsfeld, Cheney e Bush fazem o negócio......

¿ESTAMOS LOCOS, O SOMOS IDIOTAS?
ESTAMOS LOUCOS OU SOMOS IDIOTAS?
Assim às cegas, apostaria um X na última questão colocada por José Antonio Campoy (referente a ele próprio, obviamente).