16.9.06

Estranhas alianças, ou...nem por isso.

A mão da capital

Islam, religião de paz (3)

Islam, religião de paz (2)

Islam, religião de paz (1)

Diálogos mudos III

Saudi Arabia's highest religious authority, Grand Mufti Abdul-Aziz al-Sheik, said in remarks published Saturday that the pope's comments on Islam were "all lies."

"These are all lies. The prophet (Muhammad), peace be upon him, came as a mercy to the world," the daily al-Riyadh newspaper quoted al-Sheik as saying.

He said the pontiff's remarks showed reconciliation between religions was impossible.

Somali cleric calls for pope's death
A HARDLINE cleric linked to Somalia's powerful Islamist movement has called for Muslims to "hunt down" and kill Pope Benedict XVI for his controversial comments about Islam.
(via LGF)

Diálogos mudos II

Diálogos mudos

Entretanto, um grupo simpático que se chama Swords of Islamic Right, já atacou uma outra igreja em Gaza e ameaçou destruir todas as igrejas e instituições cristãs presentes na Faixa de Gaza. Têm, por certo, razão. Segundo a seita, o que o Papa disse é imperdoável, por isso vão continuar a dialogar com os edifícios e com quem esteja lá dentro.

Fotografia retirada daqui.



Racismo bom (e financiado pelos contribuintes)

Ora imaginemos agora que um teatro português, nacional ou outro, decidia levar à cena uma peça definida como sendo "não a favor dos brancos, mas sim contra os negros". Nem a ensaios iria, tal o alvoroço, tal o escândalo, tal a indignação que se levantaria, tal o 'tsunami' politicamente correcto que se abateria sobre ela. O mais certo era toda a gente envolvida na produção acabar na cadeia, sob a acusação de xenofobia e incitação ao racismo. Mas 'Os Negros', o texto anti-branco, racista, de Jean Genet, vai abrir hoje, com toda a pompa, a nova temporada do Teatro de São João do Porto. Teatro Nacional. Sustentado pelos contribuintes.

Religião de paz...

O clube dos "jornalistas" comunistas

Programa “Clube de Jornalistas” RTP2: A determinado momento do debate sobre o 11 de Setembro o entrevistado, Luís Costa Ribas afirma “o terrismo é um acto cobarde! O Bin Laden é um cobarde!” Não querendo que aquela punch phrase fique no ar durante muito tempo, o entrevistador, vermelho até à raiz dos cabelos, disserta sobre a cobardia dos líderes que mandam bombardear outros países e refere expressamente George W. Bush.

(...)

O programa é da responsabilidade do Sindicato dos Jornalistas.

A propósito dos métodos do PCP

Clinton e o 11 de Setembro

If you wonder why it took 50 years to get the truth about Joe McCarthy, consider the fanatical campaign of the Clinton acolytes to kill an ABC movie that relies on the 9/11 Commission Report, which whitewashed only 90 percent of Clinton's cowardice and incompetence in the face of terrorism, rather than 100 percent.

Islamic jihadists attacked America year after year throughout the Clinton administration. They did everything but blow up his proverbial "bridge to the 21st century." Every year but one, Clinton found an excuse not to fight back.

(...)

The day of Clinton's scheduled impeachment, Dec. 18, 1998, he bombed Iraq. This accomplished two things: (1) It delayed his impeachment for one day, and (2) it got a lot of Democrats on record about the monumental danger of Saddam Hussein and his weapons of mass destruction.

(...)

This is only an abbreviated list of Clinton's surrender to Islamic savagery. For a president who supposedly stayed up all night "working" and hated vacations, Clinton sure spent a lot of time sitting around on his butt while America was being attacked.

Less than a year after Clinton's final capitulation to Islamic terrorists, they staged the largest terrorist attack in history on U.S. soil. The Sept. 11 attack, planning for which began in the '90s, followed eight months of President Bush — but eight years of Bill Clinton.

Clinton's own campaign adviser on Iraq, Laurie Mylroie, says Clinton and his advisers are "most culpable" for the intelligence failure that allowed 9/11 to happen.

Aquecimento global, propaganda e junk science

Sol e Expresso

Jerusalém, Atenas e Roma

In the seventh conversation (*4V8,>4H - controversy) edited by Professor Khoury, the emperor touches on the theme of the holy war. The emperor must have known that surah 2, 256 reads: "There is no compulsion in religion". According to the experts, this is one of the suras of the early period, when Mohammed was still powerless and under threat. But naturally the emperor also knew the instructions, developed later and recorded in the Qur'an, concerning holy war. Without descending to details, such as the difference in treatment accorded to those who have the "Book" and the "infidels", he addresses his interlocutor with a startling brusqueness on the central question about the relationship between religion and violence in general, saying: "Show me just what Mohammed brought that was new, and there you will find things only evil and inhuman, such as his command to spread by the sword the faith he preached". The emperor, after having expressed himself so forcefully, goes on to explain in detail the reasons why spreading the faith through violence is something unreasonable. Violence is incompatible with the nature of God and the nature of the soul. "God", he says, "is not pleased by blood - and not acting reasonably (F×< 8`(T) is contrary to God's nature. Faith is born of the soul, not the body. Whoever would lead someone to faith needs the ability to speak well and to reason properly, without violence and threats... To convince a reasonable soul, one does not need a strong arm, or weapons of any kind, or any other means of threatening a person with death...".

The decisive statement in this argument against violent conversion is this: not to act in accordance with reason is contrary to God's nature. The editor, Theodore Khoury, observes: For the emperor, as a Byzantine shaped by Greek philosophy, this statement is self-evident. But for Muslim teaching, God is absolutely transcendent. His will is not bound up with any of our categories, even that of rationality. Here Khoury quotes a work of the noted French Islamist R. Arnaldez, who points out that Ibn Hazn went so far as to state that God is not bound even by his own word, and that nothing would oblige him to reveal the truth to us. Were it God's will, we would even have to practise idolatry.

(...)

Thus, despite the bitter conflict with those Hellenistic rulers who sought to accommodate it forcibly to the customs and idolatrous cult of the Greeks, biblical faith, in the Hellenistic period, encountered the best of Greek thought at a deep level, resulting in a mutual enrichment evident especially in the later wisdom literature. Today we know that the Greek translation of the Old Testament produced at Alexandria - the Septuagint - is more than a simple (and in that sense really less than satisfactory) translation of the Hebrew text: it is an independent textual witness and a distinct and important step in the history of revelation, one which brought about this encounter in a way that was decisive for the birth and spread of Christianity. A profound encounter of faith and reason is taking place here, an encounter between genuine enlightenment and religion. From the very heart of Christian faith and, at the same time, the heart of Greek thought now joined to faith, Manuel II was able to say: Not to act "with logos" is contrary to God's nature.

(...)

This inner rapprochement between Biblical faith and Greek philosophical inquiry was an event of decisive importance not only from the standpoint of the history of religions, but also from that of world history - it is an event which concerns us even today. Given this convergence, it is not surprising that Christianity, despite its origins and some significant developments in the East, finally took on its historically decisive character in Europe. We can also express this the other way around: this convergence, with the subsequent addition of the Roman heritage, created Europe and remains the foundation of what can rightly be called Europe.

(...)

In the light of our experience with cultural pluralism, it is often said nowadays that the synthesis with Hellenism achieved in the early Church was a preliminary inculturation which ought not to be binding on other cultures. The latter are said to have the right to return to the simple message of the New Testament prior to that inculturation, in order to inculturate it anew in their own particular milieux. This thesis is not only false; it is coarse and lacking in precision. The New Testament was written in Greek and bears the imprint of the Greek spirit, which had already come to maturity as the Old Testament developed. True, there are elements in the evolution of the early Church which do not have to be integrated into all cultures. Nonetheless, the fundamental decisions made about the relationship between faith and the use of human reason are part of the faith itself; they are developments consonant with the nature of faith itself.

And so I come to my conclusion. This attempt, painted with broad strokes, at a critique of modern reason from within has nothing to do with putting the clock back to the time before the Enlightenment and rejecting the insights of the modern age. The positive aspects of modernity are to be acknowledged unreservedly: we are all grateful for the marvellous possibilities that it has opened up for mankind and for the progress in humanity that has been granted to us. The scientific ethos, moreover, is - as you yourself mentioned, Magnificent Rector - the will to be obedient to the truth, and, as such, it embodies an attitude which belongs to the essential decisions of the Christian spirit. The intention here is not one of retrenchment or negative criticism, but of broadening our concept of reason and its application. While we rejoice in the new possibilities open to humanity, we also see the dangers arising from these possibilities and we must ask ourselves how we can overcome them. We will succeed in doing so only if reason and faith come together in a new way, if we overcome the self-imposed limitation of reason to the empirically verifiable, and if we once more disclose its vast horizons. In this sense theology rightly belongs in the university and within the wide-ranging dialogue of sciences, not merely as a historical discipline and one of the human sciences, but precisely as theology, as inquiry into the rationality of faith.

(...)

Modern scientific reason quite simply has to accept the rational structure of matter and the correspondence between our spirit and the prevailing rational structures of nature as a given, on which its methodology has to be based. Yet the question why this has to be so is a real question, and one which has to be remanded by the natural sciences to other modes and planes of thought - to philosophy and theology. For philosophy and, albeit in a different way, for theology, listening to the great experiences and insights of the religious traditions of humanity, and those of the Christian faith in particular, is a source of knowledge, and to ignore it would be an unacceptable restriction of our listening and responding. Here I am reminded of something Socrates said to Phaedo. In their earlier conversations, many false philosophical opinions had been raised, and so Socrates says: "It would be easily understandable if someone became so annoyed at all these false notions that for the rest of his life he despised and mocked all talk about being - but in this way he would be deprived of the truth of existence and would suffer a great loss". The West has long been endangered by this aversion to the questions which underlie its rationality, and can only suffer great harm thereby. The courage to engage the whole breadth of reason, and not the denial of its grandeur - this is the programme with which a theology grounded in Biblical faith enters into the debates of our time.

[destaques meus]

Global voice

Anabelo Fino e o Sindicato dos Jornalistas como instrumento do PCP

Todas as crianças são propriedade do Estado

A coordenadora da Área Educativa de Viana do Castelo garantiu que, a partir de terça-feira próxima, a GNR irá à Gemieira, Ponte de Lima, buscar os alunos da freguesia para o Centro Escolar da Ribeira, escreve a agência Lusa.

«O fecho da escola da Gemieira é irreversível, pelo que, a partir de terça-feira, se os pais continuarem a impedir os filhos de frequentar as aulas no Centro Escolar da Ribeira, onde estão matriculados, faremos cumprir a lei e pediremos à GNR para os ir buscar a casa, porque é a escolaridade obrigatória que está em causa», referiu, à Lusa, aquela responsável.
Sobre o mesmo assunto: All your children belong to us, por João Miranda.

Arrependei-vos

pequena fuga

15.9.06

Um ano de Dia(s) D

Considerando uma visão mais abrangente e realista sobre o funcionamento do estado e os efeitos dos impostos, a competição fiscal pode ser vista não como uma "corrida para o fundo" mas sim com uma forma de reduzir o poder discricionário dos governos. Assim sendo, a competição fiscal entre várias entidades políticas é na realidade um poderoso incentivo à redução das suas ineficiências e à concentração das suas activiades em funções que sejam mais consensuais e que (realmente) não sejam passíveis de fornecimento adequado pelo sector privado.

Amarelo não digo, mas fiquei com fome

Estou a ver a reacção desses inimigos da Festa vendo-a entrar no Guiness, de punho erguido e bandeira desfraldada. Ficarão amarelados ante três toneladas de arroz de marisco (avançam os camaradas do Algarve), quatro toneladas de cozido à portuguesa (avançam os do norte), e cinco toneladas de leitão de Negrais (avançam os do centro, pois)!
(via Água Lisa (6))

Oriana Fallaci 1929-2006 (II)

Nós, os comunistas, não aceitamos o jogo das eleições (...) Se pensa que o Partido Socialista com os seus 40 por cento de votos, o PPD, com os seus 27 por cento, constituem a maioria, comete um erro. Eles não têm a maioria
Asseguro-lhe que em Portugal não haverá Parlamento
Democracia para mim significa liquidar o capitalismo, os monopólios. E acrescento: não existe hoje em Portugal a menor possibilidade de uma democracia como as da Europa Ocidental

Oriana Fallaci 1929-2006

Genuíno

Já começa a doer

Descobrimos um fascista!

O apagão

AdC vai propor liberalização dos notários privados

A Autoridade da Concorrência (AdC) vai propor ao Governo que liberalize os notários privados, segundo um projecto de recomendação nesse sentido que estará em consulta pública antes de ser entregue ao Ministério da Justiça, noticia hoje o Jornal de Negócios.

(...)

os objectivos de liberalização visam o fim «do licenciamento, acabar com a competência territorial e extinguir as tabelas de preços».
[fonte: Diário Digital]

As coisas que se descobrem pela manhã

Leitura recomendada

Haja Paciência...

Bento XVI e o Islão

Nel settimo colloquio (διάλεξις – controversia) edito dal prof. Khoury, l'imperatore tocca il tema della jihād, della guerra santa. Sicuramente l'imperatore sapeva che nella sura 2, 256 si legge: "Nessuna costrizione nelle cose di fede". È una delle sure del periodo iniziale, dicono gli esperti, in cui Maometto stesso era ancora senza potere e minacciato. Ma, naturalmente, l'imperatore conosceva anche le disposizioni, sviluppate successivamente e fissate nel Corano, circa la guerra santa. Senza soffermarsi sui particolari, come la differenza di trattamento tra coloro che possiedono il "Libro" e gli "increduli", egli, in modo sorprendentemente brusco che ci stupisce, si rivolge al suo interlocutore semplicemente con la domanda centrale sul rapporto tra religione e violenza in genere, dicendo: "Mostrami pure ciò che Maometto ha portato di nuovo, e vi troverai soltanto delle cose cattive e disumane, come la sua direttiva di diffondere per mezzo della spada la fede che egli predicava". L'imperatore, dopo essersi pronunciato in modo così pesante, spiega poi minuziosamente le ragioni per cui la diffusione della fede mediante la violenza è cosa irragionevole. La violenza è in contrasto con la natura di Dio e la natura dell'anima. "Dio non si compiace del sangue - egli dice -, non agire secondo ragione, „σὺν λόγω”, è contrario alla natura di Dio.
Esta frase que destaquei provocou alguma comoção em países islâmicos e também em algumas comunidades islâmicas europeias que reagiram, como de costume (cf. o caso das caricaturas), como púdicas virgens ofendidas. É o que podemos verificar, por exemplo aqui, aqui ou ainda aqui.

Lá vêm as habituais acusações sobre cruzadas (esquecendo-se que estas foram uma resposta, até bastante tardia, à agressão iniciada pelos muçulmanos contra os territórios cristãos), a Inquisição, a suposta aliança entre a Igreja e o Nazismo (no entanto que viveu como convidado de Hitler em Berlim foi o Mufti de Jerusalém) ou ainda as recorrentes exigências de um pedido de desculpas, etc., etc., etc.

É claro que a Inquisição aconteceu e que se matou muito em nome de Deus, mas quem for intelectualmente honesto, sabe que em nenhuma parte do Novo Testamento se faz a apologia de propagação da Fé através da espada e da força. Quem tiver dúvida que leia, por exemplo, Mt 10, 1-42. A expansão do Cristianismo no Império Romano fez-se muito à custa de numerosos mártires, não através da conquista.

Não querendo de modo algum fazer uma análise do que é a Jihad, não é difícil, para quem sabe um pouco de história, que a expansão do Islão se fez pela espada e pela conquista. Maomé e os seus sucessores iniciaram uma série de guerras contra os árabes pagãos, judeus, cristãos ou zoroastrianos, tendo convertido numerosos povos à força.

Enquanto esteve em Meca, numa posição relativamente frágil (tal como diz o Papa), podemos encontrar no Alcorão versículos como aquele que o Papa cita (Alcorão 2.256) que, na tradução portuguesa de que disponho (Europa-América, Parte 1, 2.ª ed.), diz o seguinte (p. 53):
2.256. Não há constrangimento na religião! A rectidão distingue-se da aberração. Quem se afasta do Demónio e crê em Deus, pegou a asa mais forte, sem fenda. Deus tudo ouve, é omnisciente.
Como a situação de Maomé se tornasse insustentável em Meca, fugiu para Medina (16 de Julho de 622, Hégira) onde, e agora passo a citar o "Mourre, Dicionário de História Universal" (Círculo de Leitores, Vol. II, p. 890):
... organizou a comunidade apostólica dos primeiros muçulmanos. Perante a reticência dos judeus de Medina em ouvir a nova palavra, qualificada de falsificação das Escrituras, Maomé substituiu a persuasão pela força, exterminou as comunidades recalcintrantes e ordenou, em 624, que se orientasse a oração já não para Jerusalém mas para Meca, cuja conquista se tornou um objectivo essencial, o da «guerra santa».
É deste período em Medina que saem os versículos que incitam os seus ao combate, havendo centenas de exemplos:
2.216: Prescreve-se-vos o combate, ainda que vos seja odioso. É possível que abomineis qualquer coisa que para vós seja um bem e é possível que prezeis qualquer coisa que para vós seja um mal. Deus sabe, enquanto vós não sabeis.

8.39: Combatei-os até que não exista tentação e seja a religião toda de Deus! Se abandonarem a idolatria, serão perdoados, pois Deus vê o que fazem.

9.5: Terminados que sejam os meses sagrados, matai os idólatras onde os encontrardes. Apanhai-os! Preparai-lhe todas as espécies de emboscadas! Se se arrependem, cumprem a oração e dão esmolas, deixai livre o seu caminho. Deus é indulgente e misercordioso.

9.29: Combatei os que não crêem em Deus nem no Último Dia nem proíbem o que Deus e o Seu Enviado proíbem, os que não praticam a religião da verdade entre aqueles a quem foi dado o Livro! Combatei-os até que paguem o tributo por sua própria mão e sejam humilhados.

9.73: Profeta! Combate os descrentes e os hipócritas! Sê duro para com eles! O seu refúgio será o Inferno. Que péssimo Porvir!

9:123: Ó vós que credes! Combatei, entre os incrédulos, aos que vos rodeiam! Encontrem em vós a dureza! Sabei que Deus está com os piedosos.

33.60: Realmente, se os hipócritas, os que têm em seu coração uma enfermidade e os alarmistas de Medina, não cessam na sua reticência, incitar-te-emos contra eles para que os castigues. Em seguida, não serão teus concidadãos a não ser por pouco tempo.

33.61: Malditos serão onde quer que se encontrem. Serão apanhados e mortos sem piedade,

33.62: segundo o costume de Deus para com aqueles que os precederam. Não acharás modificação no costume de Deus.
Não faltariam outros exemplos para demonstrar que é no próprio Alcorão que os islamitas encontram justificação para os seus ataques terroristas e para o apelo recente que a Al-Qaeda fez para a conversão da América ao Islão.

Tal como os muçulmanos (e não só) estão sempre a atirar à cara dos cristãos as cruzadas (eesquecendo-se do seu contexto), a Inquisição ou a suposta colaboração com o nazismo, por que não aceitam eles ser criticados? Eu sei bem que aquilo que se critica nos exemplos que dei aos cristãos não está nos seus livros (em lado algum Cristo diz para converter as pessoas à força), ao contrário do que se passa com os muçulmanos que foram, indirectamente, criticados pelo Papa, mesmo se, como refere o porta-voz do Vaticano, o Islão não era o principal visado, sendo que o "central point of the Pope's presentation at the university [...] was that the tendency to dismiss religious attitudes and arguments is a serious flaw in Western thought today." É no Alcorão que se encontram todos estes exemplos de submissão pela força ao islão.

É claro que, quem ler toda a homília, e esta questão da Jihad era apenas um ponto de partida da reflexão de Bento XVI, em que ele procura explicar a relação entre a razão e a fé e que, valendo novamente das palavras de Manuel II Paleólogo: "Non agire secondo ragione, non agire con il logos, è contrario alla natura di Dio".

Os muçulmanos não podem, por outro lado, ficar ofendidos por o Papa por ele ter uma visão diferente de Deus e de Maomé. Afinal o Papa é católico, não é muçulmano, pelo que terá, forçasamente, uma outra opinião sobre o que Maomé fez na Terra.

Que reflexos vai ter este episódio nas relações entre a Igreja Católica e o Islão e, já brevemente, na visita que o Papa vai efectuar à Turquia, não sei. Mas, este discurso de Bento XVI é no mínimo encorajador e alimenta a esperança de que a Igreja Católica tome posições mais firmes (mas sem hostilidade gratuita) em relação ao Islão.

Post scriptum. Para quem quiser ler um texto muito interessante sobre a tolerância e Islão pode carregar aqui.



Brilhará o Sol para José António Saraiva?

O cepticismo como instrumento da vasta conspiração bushista

The full irony of this last point hit me while I was at the conference. Here was a group of about 400 people gathered to openly discuss the evil schemes of the U.S. government, whom they accuse of horrible atrocities in the service of establishing a police state. But if America really was a police state with such terrible secrets to protect, surely government thugs would have stormed the lecture halls and arrested many of those present, or would at the very least have conducted behind the scenes arrests and jailed the movement’s leaders. Yet even the most vocal leaders of the 9/11 Truth Movement are still going strong, and no one at the conference seemed very worried about government reprisals. This fact seemingly indicates that at some level, the conspiracy theorists themselves don’t really believe what they are saying.

Another reason for the appeal of 9/11 conspiracies is that they are easy to understand. As previously mentioned, most Americans did not know or care to know much about the Middle East until the events of 9/11 forced them to take notice. (The brilliant satirical newspaper The Onion poked fun at this fact with its article “Area Man Acts Like He’s Been Interested In Afghanistan All Along”).41 The great advantage of the 9/11 Truth Movement’s theories is that they don’t require you to know anything about the Middle East, or for that matter, to know anything significant about world history or politics. This points to another benefit of conspiracy theories — they are oddly comforting. Chaotic, threatening events are difficult to comprehend, and the steps we might take to protect ourselves are unclear. With conspiracy theory that focuses on a single human cause, the terrible randomness of life assumes an understandable order.

(...)

Solace is something all of us needed after the horrible events of 9/11, and each of us is entitled to a certain degree of freedom in its pursuit. However, there is no moral right to seek solace at the expense of truth, especially if the truth is precisely what we most need to avoid the mistakes of the past. Truth matters for its own sake, but it also matters because it is our only defense against the evils of those who cynically exploit truth claims to serve their own agendas. It is concern for the truth that leads us to criticize our own government when necessary, and to insist that others who claim to do so follow the same rigorous standards of evidence and argument. 9/11 was a powerful reminder of how precious and fragile human life and liberty are — the greatest possible rebuke to those who would live in service to delusions.

Filosofia freitista

14.9.06

Bernardino Soares tem razão

As FARC vistas pelos dedos

Uma imagem vale mil palavras

E o número de adeptos da teoria de conspiração continuará a crescer...

PS: obrigado ao PSL pela dica.

Só alguém de má fé poderia pensar isso

Míssil mágico

Recomendado (III)

Pigmeus

Se li bem, os terroristas (nos quais a al Qaida parece valer cada vez menos), são predominantemente muçulmanos, actuam em terras de muçulmanos e fazem sobretudo vítimas muçulmanas, embora a maior parte dos atentados tenha sido dirigida a instalações e não tenha provocado baixas. Numa guerra, que logo no seu início foi declarada como difícil, longa e a exigir grandes sacrifícios, parece que o terrorismo começa a ficar razoavelmente circunscrito. Parece sobretudo que a maior das realizações dos terroristas, é arrastar os seus para uma espiral de violência que os torna progressivamente mais pobres, mais atrasados e mais próximos do abismo, como é notoriamente o caso do Iraque, da Palestina, do Líbano, da Somália, do Sudão, etc.. Qualquer que seja o índice de desenvolvimento internacionalmente consensuado, a performance é má e degrada-se. Pode bem ser que o terrorismo, aos olhos de uns, torne grande Alá e o seu Profeta, por mim, não passam de pigmeus, uns e outros!

A retórica do "Todo" não paga pensões

Alguém podia explicar ao Jorge Coelho - e, já agora, ao Primeiro-Ministro e ao PS - que um regime de transição para um sistema misto com um pilar de capitalização individual não aumenta a dívida pública: apenas a titula, torna-a evidente na contabilidade pública, em vez de a diluir no tempo.
Mais sobre este assunto aqui.

A Conspiração não pára (4) - 9/11 Case Study: Pentagon Flight 77

A Conspiração não pára (3) - Loose Change Viewer Guide

A Conspiração não pára (2) - The Loose Change Connection

A Conspiração não pára

Tal e qual como em Portugal – exibido no RTP 2 – também aqui na Holanda, às 23:30, assistiu-se à exibição do “Loose Change” no canal cultural do Estado, o Neaderland 3, ou N3. A pergunta é: porque é que as televisões que são controladas por aqueles que estão a desenvolver esta nova ordem mundial, vão apresentar um filme que conta parte da verdade do que está por trás do 9/11, logo, de todos estes movimentos militares e financeiros no Médio Oriente, assim como das leis e medidas de controle quase absoluto que têm sido instauradas sobre as populações? Porque razão se haveriam “eles” de revelar? Só uma resposta me ocorre: “eles” já fizeram as coisas de modo a que fosse evidente que foram “eles”. Agora, lançam os videos para ver se acordam aqueles que, determinantemente, por uma, ou outra razão, se recusam a aceitar a verdade.

Teocracia nos EUA?

This is a paranoid moment in American politics. A host of conspiracies haunt our national imagination, and apparent incompetence is assumed to be the consequence of a dark design: President Bush knew about the attacks of September 11 in advance, or else the Israelis did; the Straussians took us to war in Iraq, unless the oil companies did; the federal government let the levees break in New Orleans, unless it dynamited them itself.

Perhaps the strangest of these strange stories, though, is the notion that twenty-first-century America is slouching toward theocracy.

(...)

Premillenarian dispensationalism’s emphasis on the imminent collapse of all institutions, foreign and domestic, would seem an odd fit with Reconstructionism’s idea of hastening Christ’s coming by building his (political) kingdom on Earth. But every 1950s conspiracist knew that when Communists seemed to differ—Tito and Stalin, Stalin and Mao—it only concealed a deeper concord. Similarly, everyone on the Christian Right is understood to be on the same side, no matter their superficial disagreements.

And the Rapture thesis has too much explanatory power to be ignored. Why did George W. Bush go to war in Iraq? The answers are all in the Book of Revelation—or perhaps on the “Christian fiction” aisle of your local Barnes and Noble.

(...)

In addition to casting religious conservatives as mullahs, proto-fascists, and agents of American decline, this strict-separationist interpretation of world history frees the anti-theocrats from the messy business of actually arguing with their opponents. From sex education and government support for religious charities to stem cells and abortion, it’s enough to call something “faith-based” and dismiss it. Indeed, reading through the anti-theocrat literature, one gets the sense that the surest way to judge if a political idea is wrong, dangerous, or antidemocratic is to tally up the number of religious people who support it.

(...)

There’s a great deal of confusion here—the Religious Right is nothing if not multidenominational, for one thing—but also a grain of truth. No religion-infused movement can afford to be used by a political party as a way to gain votes and nothing more. That’s how the Democrats have used the Al Sharpton / Jesse Jackson–era civil rights establishment and, sadly, how the GOP has often used the Religious Right. But this is less of a danger to the nation’s self-government than to the integrity of religious witness. When Tom DeLay cloaks himself in the “perfect redeeming love of Jesus Christ” to brush off charges of corruption, it’s not the separation of church and state that’s in danger but DeLay’s own Christian faith. When preachers echo GOP talking points rather than shape them, they risk going down the same path trod by the liberal clerics of the 1960s, whose sermons became indistinguishable from the gospel according to the New York Times—until, as David Frum once put it, their parishioners began to wonder “why they should spend a Sunday morning listening to the same editorial twice?”

But any idealistic movement has to risk such compromises if it intends to leave the mountaintop and make a difference in the valley below.

(...)

The tragedy is that so many religious people have gone along with this revisionism—out of sympathy for the lifestyle liberalism of the secular Left, or out of disdain for the crudity and anti-intellectualism of some religious conservatives, or out of embarrassment in the face of a culture that sneers at anyone who takes their faith too seriously. In the process, they have become everything they claim to oppose: bigoted and hysterical, apocalyptic and self-righteous. What’s worse, they have corrupted themselves for the sake of a politics that cares nothing for their faith—that would tame it to suit the needs of secular society or do away with it entirely.

Garry Wills is half-right: There is no single Christian politics, and no movement can claim to have arrived at the perfect marriage of religious faith and political action. Christianity is too otherworldly for that, and the world too fallen. But this doesn’t free believers from the obligation to strive in political affairs, as they strive in all things, to do what God would have them do. And the moments when God’s will is inscrutable, or glimpsed only through a glass, darkly, are the moments when good-faith arguments between believers ought to bear the greatest fruit.

In today’s America, these arguments are constantly taking place—over issues ranging from abortion to foreign policy; over the potential, and potential limits, of interfaith cooperation; over the past and future of the Religious Right. But they are increasingly drowned out by cries of “theocracy, theocracy, theocracy” and by a zeal, among ostensibly religious intellectuals, to read their fellow believers out of public life and sell their birthright for the blessing of the New York Times.

Crescente importância da blogosfera

Um ministro exemplar?

A social-democracia sueca em acção (2)

Criação e evolucionismo

O debate criacionismo/evolucionismo está a chegar a Portugal e eu espero que tenha vindo para ficar. Curiosamente, muitos adeptos do evolucionismo parecem muito desagradados com o debate. Não se percebe. Se estão tão convictos que têm razão, deviam estar contentissimos com a coça que vão dar aos criacionistas.

Recomendado (II)

Há toda uma geração de europeus que percorreu a sua juventude, em termos políticos, a gritar slogans contra quem estivesse no poder em Washington. O desfecho da Guerra Fria, conjugado com as alterações estratégicas na ideologia oficial (e sobretudo na prática quotidiana) chinesa, criou milhões de órfãos do comunismo soviético e do maoísmo. Muitos converteram-se à democracia representativa e espalharam-se pelos partidos do "sistema", mas não falta quem nunca tivesse perdoado aos americanos a responsabilidade pela ruína de tantas ilusões.

Recomendado

Ficou provado este Verão que o lançamento de mísseis sobre um país (e o rapto de soldados seus) não é suficiente como casus belli. Pelo menos para Israel, a avaliar pela opinião dos signatários de certas petições. Percebe-se. Israel é o caso típico do país que a História não absolverá. O que desde logo o diferencia, por exemplo, do Comandante Fidel Castro.

Não armem barraca!

O presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo, não tem em grande conta quem tenta defender a sua propriedade. Em causa a demolição, prevista para a semana, do já famoso prédio Coutinho, cujos 13 andares estão no caminho das bulldozers do Polis. Diz o autarca:

"Atrevia-me a pedir para que os moradores que estejam de boa fé, não se sujeitem eles próprios e as suas famílias a situações que são mais vistas em bairros periféricos de pessoas marginais que estão instaladas inadequadamente em barracas. Acho que, nesta fase, em que se verifica a determinação quer da Câmara, quer do Ministério do Ambiente, quer do Primeiro-ministro devia haver o bom senso de evitar situações pouco dignificantes para Viana do Castelo e para as próprias pessoas", refere Defensor Moura.

Ou seja, alguém sonhou, a vontade política continua a existir, a propriedade privada que se lixe.
Um grupo de moradores do prédio recorreu (mais uma vez) ao tribunal para impedir a posse administrativa do prédio pela VianaPolis:

O presidente da comissão de moradores, Abílio Teixeira, disse à Lusa que este o procedimento judicial visa o reconhecimento da caducidade da declaração de utilidade pública emitida pelo ministro do Ambiente para a expropriação e demolição do prédio.
"Por lei, a validade de uma declaração de utilidade pública é de um ano, pelo que a que diz respeito ao prédio já caducou, porque foi emitida a 18 de Agosto de 2005"(...)

Espero que a CMVC e a sociedade Polis local, depois de considerar este prédio "o maior aborto urbanístico" da cidade, não venham no futuro a ser construtoras (usando de dinheiros públicos para financiar os seus conceitos estéticos) de inúteis "abortos urbanísticos" como os promovidos pelo Polis de Setúbal.

Estava-se mesmo a ver...

Novos artigos

Palavras de Bento XVI deturpadas (mais uma vez) por ignorantes e fanáticos ateístas

Silence of the lambs

“A census taker once tried to test me. I ate his liver with some fava beans and a nice chianti.”

13.9.06

A social-democracia sueca em acção

Imagine that we are in the US in the first week of November 2004, just before the presidential election. The federal school board, the electoral comission and the government are arranging elections in American schools to teach the students about democracy. Among them are some in the upper secondary school with a right to vote. And to all schools that want to participate they send an information package, including one dvd about how elections are arranged and one dvd about a specific ideology - compassionate conservatism.

What do you think that American journalists say?

(...)

Now two days have gone since I wrote that this is what is happening in Sweden right now, the days before he election - with socialism instead of conservatism, of course. The Swedish blogosphere is in uproar about it. But as far as I have seen, not a single mainstream journalist has written a single sentence about it.
What does that say about them? And what does that say about Sweden?

A/c de Yiossuf M. Adamgy, "intelectual islâmico"

TV Insurgente

Democracia participada - versão Porto Alegre

Carlos Sousa (agora caído em desgraça junto dos seus camaradas do PCP) trouxe-o das suas passagens por Porto Alegre, pelo Fórum Social Mundial. Claro que Boaventura Sousa Santos apreciou o esforço do ex-edil de Setúbal e Palmela.

O Estado social como fonte de conflitos geracionais

Identificar os inimigos

Avalanche

Como es sabido, una avalancha de blogues de derecha, de otros que se identifican con las políticas de derecha de gobiernos que se dicen de izquierda y hasta de viejos conocidos que resolvieron abandonar su lugar en la lucha y pasarse para la social-democracia (y también aquellos que posiblemente hablan presionados por sus amigos), protestan por la presencia de la Revista Resistencia , portavoz de las FARC-EP en la Fiesta de Adelante!, fiesta del àrgano Central del Partico Comunista Portugués (PCP).

(...)

EL PCP a través de un comunicado confirmó que estuvieron dos organizaciones colombianas, el Partido Comunista Colombiano y la Revista Resistencia ? una publicación que funciona como portavoz de las FARC ? en el ámbito de los invitados por PCP y que se ?basa exclusivamente en su política de relaciones internacionales y en la solidaridad de los comunistas portugueses con aquellos que en todo el mundo desarrollan procesos de resistencia y lucha contra las políticas antisociales, antidemocr ticas y belicistas de las principales potencias imperialistas, o de gobiernos claramente maniatados e instrumentalizados por esas potencias .como es el caso del gobierno colombiano?

EL PCP aprovechó la oportunidad para mostrar su solidaridad con la justa lucha de las FARC-EP y denunció ?las tentativas de criminalización de la resistencia al gran capital y al imperialismo? y reiteró ?su frontal oposición a la clasificación EE.UU. y la Unión Europea de las FARC ?una organización popular armada que hace más de 40 años se propone entre otros objetivos, la lucha por la real democracia en Colombia y por una justa y equitativa redistribución de la riqueza, de los recursos naturales de Colombia y la posesión y uso de la tierra- como organización terrorista?

Desde aquí demostramos también nuestra más profunda solidaridad para con todos aquellos que luchan por una Colombia independiente, soberana y socialista. Las Fuerzas Armadas Revolucionarias de Colombia ? Ejército del Pueblo, representan lo que de más genuino hay en el movimiento bolivariano.
(destaques meus; link via Blasfémias)

Sugestão para a liderança do PP

2001, Odisseia das Teorias da Conspiração (2)

Pior do que isso.

Será do interesse de qualquer adepto das teorias da conspiração pesar o argumento de que grande parte dessas mesmas teorias só são fabricadas com o único objectivo de desacreditar os próprios teóricos de conspirações.

2001, Odisseia das Teorias da Conspiração

Os adeptos das teorias da conspiração deviam ter mais cuidado. O proliferar de teorias da conspiração é uma prova de que existe uma organização secreta cuja função é criar teorias da conspiração para desviar as pessoas dos problemas realmente importantes. Não se deixem enganar.

"Ele" existe?

O 11 de Setembro e os heróis de Nova Iorque

Passados alguns anos, compreendo que NY honre os seus heróis. Muitos morreram sem escolha. Mas tantos foram salvos por cidadãos anónimos que, interrompendo a fuga, paravam, regressavam, para ajudar o próximo. Histórias de homens e mulheres comuns. Cidadãos anónimos, mas com nome. Alguns deles, perderam a vida. Os ataques às Torres Gémeas fizeram as suas vítimas. Mas a América descobriu os seus heróis. Meros cidadãos, com sentido de entreajuda. Uma sociedade com uma forte coesão comunitária. Com alma própria. Com amor à bandeira. Que não se rendeu ao medo. Nem aceita alterar o seu modo de vida, que assenta, como em nenhuma parte do planeta, na liberdade, no mérito, na iniciativa, na confiança, na verdade. No optimismo e na luta contra a adversidade.

Muito se tem escrito, falado, projectado, sobre o 11 de Setembro. Milhares de "factos" inundam os nossos ouvidos e ofuscam os nossos olhos. A democracia perverteu-se, ao ponto de tantos conseguirem simplificar e terem ideias lineares, sólidas, sobre assuntos tão complexos. A globalização da informação trouxe destas coisas: os "factos" são prêt a porter, à medida da nossa "consciência" ideológica. Petróleo. Iraque. Conspiração sionista. Guerra de Civilizações. Incursões diplomáticas do Vaticano a Bagdad e à Casa Branca. Supostos movimentos financeiros na iminência dos ataques. Ligações à família de Laden. Dan Brown fez escola: muitos falam, poucos ouvem, e ainda menos pensam. Parte do Ocidente é uma enorme Torre de Babel, onde os governantes estão manietados, fogem das ideias próprias, antes procurando agir de acordo com um incidioso e mutável politicamente correcto, que se descobre na interpretação do ruído.

Eu, por mim, apenas observo. E peço a Deus que não se esqueça deste pequeno espaço perdido na imensidão do Universo. Onde tantos o invocam. Mas cada vez menos o ouvem e respeitam.

Yiossuf M. Adamgy, "intelectual islâmico"

OTA: "Engines Warming"

RR:

A NAER - Novo Aeroporto recebeu seis propostas ao concurso para escolha do consultor financeiro do projecto de desenvolvimento do aeroporto da Ota.(...)Esta quarta-feira, adiantou a mesma fonte, as propostas vão ser abertas perante o júri do concurso.(...)

O consultor financeiro do projecto da Ota terá como principais incumbências a elaboração do caderno de encargos do concurso de construção do novo aeroporto internacional de Lisboa e colaboração na avaliação da componente financeira das propostas recebidas.

O processo avança. Apertem os cintos. A sério.

China: censura, espirros e pneumonias económicas

Chinese Premier Wen Jiabao promised on Tuesday that the country would protect foreign media's rights on news reporting in China in line with the law in an effort to assure the smooth flow of the economic and financial information.[During a banquet held by the China-Britain Business Council (CBBC) in London]

The New China News Agency, mouthpiece for the Communist Party, announced revisions Sunday to 10-year-old regulations governing foreign news agencies in China.
The new rules explicitly forbid foreign agencies to distribute news that undermines China's national unity or sovereignty or endangers China's national security, reputation and interests. Under the rules, agencies cannot include content banned under Chinese laws, and the New China News Agency has the right to decide what news and information will be released in China and can delete anything it deems inappropriate.(...)

"The news that goes into newspapers in China is already controlled, and already goes out through Xinhua," said James McGregor, who was chief executive of Dow Jones's China business operations when Xinhua first tried to regulate foreign news services in 1996. "They're trying to take over the financial information business in China. They want to make the money instead of the foreigners. This is not a control issue -- they already have control. This is a money issue."(...)
"This is bad for China," McGregor said. "It doesn't matter if it's politically sensitive news or a rumor, it's information that can move markets. That's valuable to Chinese traders as well. They need the same information as everybody else. When China sneezes, the world's commodity markets get pneumonia."

Leitura recomendada

State of Terrorism Address

"OSAMA BIN LADEN has issued many audio- and videotapes to spread his message. But what might he tell his most loyal followers about the state of the global war against the infidels five years after 9/11?

What follows is that fictional speech, using his jihadist ideology as the guide. The sentiments are based on the views Bin Laden is believed to hold. My purpose here is not to parrot Al Qaeda propaganda, but to better understand why it has been so difficult to dent the determination of the jihadists.
###
"The five years since 9/11 have been difficult. Our Taliban protectors in Afghanistan have been overthrown, our training centers there dispersed and thousands of jihadist brothers worldwide have been thrown into dungeons where the infidels and their henchmen probably tortured them. Our communications are vulnerable to interception. We no longer can move large sums of money easily. Every border crossing is more risky. We face martyrdom daily.

"A number of Al Qaeda's key operational planners have been killed or captured — talent hard to replace. Continual pursuit by the infidel assassins has forced me and the rest of our top leadership to stay on the run. We have decentralized our operations to meet this challenge, but at the risk of fragmentation and loss of unity — our historical weakness.

"Yet despite our evil enemies' best efforts, we remain on Earth to do the work of God, and every success that we experience is his will expressed. God enables us to incite righteous young men to shed centuries of humiliation, join the jihad, take up arms and restore their honor by attacking wherever the infidel is inattentive.

"The jihad is wired. Our public pronouncements providing inspiration and instruction are accessible on a growing number of websites. Production values have improved. We have harnessed the most modern methods of communication to transmit the ancient words of God and our holy prophet.

"Our worldwide campaign continues at an accelerated pace. Since 9/11, our holy warriors have carried out more than 30 major attacks from Mumbai to Madrid, not counting any of the continuing operations in Afghanistan or Iraq.

"If we add to these successes the attempts that nearly succeeded, we are, on average, undertaking an attack every four weeks. Unfortunately, the scale of the operations remains well below that of 9/11. Spectacular attacks involve too many people or take too long to put together, thus exposing the operation to betrayal or discovery by infidel spies. We have a quality-control problem. But we expect that the valuable experience our jihadist brothers are gaining in Iraq will soon raise our operational and technical skills on other fronts.

"Since 9/11, none of the major terrorist operations have directly hit an American target. Operations before 9/11 hit Americans in Saudi Arabia, destroyed their embassies in Kenya and Tanzania and nearly sunk one of their warships off the coast of Yemen. Yes, some infidels were killed in the attacks on the foreigners' residences in Riyadh three years ago. But more Saudis were killed, which obliged us to issue a document disputing the casualty figures and justifying collateral Muslin casualties.

"Sending another team to the United States, as we did in 2001, is beyond our operational capability. We are thus obliged to rely on locals there, and they seem little inclined to action. Our operational prospects are much better in Europe and better still in Iraq. The American invasion of that country was a gift to us. Although we hear from Baghdad that our organization there is in disarray, violence has spiraled beyond the Americans' ability to control it. The late brother Abu Musab Zarqawi's strategy of fomenting a civil war appears to be succeeding.

"The immediate objective in Iraq remains: to inflict a humiliating defeat on the Americans. Despite their military might, they are weakening, and they lack moral conviction. Remember how they fled from Lebanon in 1983? From Yemen in 1992? From Somalia in 1993? When the Americans withdraw from Iraq, chaos will follow. Deprived of American protection, the apostate regimes in the region will tremble and fall. On their ruins, we will control the oil. The shopkeepers of Europe will abandon all support of Israel while the United States licks its wounds.

"We must acknowledge that not since the days of colonial rule have we seen as many infidel soldiers in the Middle East and western Asia. But we must remember that the infidels we confront today are no different from the brutal infidel colonialists who tired to subjugate Muslims and rule the Holy Land, no different from the Crusaders who tried to establish their enclaves in the Middle East centuries ago. They are aggressors and will tighten their grip until they are defeated, once and for all. Their growing military presence and the atrocities their soldiers inflict upon Muslims will galvanize the Muslim world.

"We need not concern ourselves with such new competitors as Hezbollah's Hassan Nasrallah. He is not our ally, but his defeat of the vaunted Zionist army helps us by demonstrating the impotency of the infidel's modern military technology, just as our heroic fighters are doing in Iraq. We should not focus on our losses — they test our faith. We need not worry exactly how victory will be achieved. God is our strategist. It is our mission to be worthy of his reward.

"It has been 10 years since we declared war on the United States, 15 since we first assisted attacks on the United States in Yemen and Somalia, 18 years since the creation of Al Qaeda, and a quarter of a century since I first went to Afghanistan to participate in the first truly global jihad, against the Soviet Union. For Americans, this is a long time. For us, it is a mere instant in a conflict that began centuries ago and will last until Judgment Day."

Brian Michael Jenkins, "State of Terrorism Address: What Would Osama Bin Laden Say to Jihadists Five Years Later?"

(via RAND Corporation)

"Liberais por excelência", blocos e pactos

Prado Coelho revela-nos a astúcia de um conhecido escritor que, em Paris, ao ver que os restaurantes e cafés tinham indicação com fitas para as zonas de não fumadores e de fumadores, resolveu pegar numa das que dizia ”zona de fumadores”, colocando-a onde quer que se sentasse e retirando-a ao sair para servir para a próxima ocasião. E conclui: ”Mas os franceses, povo liberal por excelência, não ligavam muito à lei, e só quando alguém a invocava por motivos de saúde se sentiam compelidos a respeitá-la” (Público, 31. VIII. 06)

Fiquei triste: somos, afinal, só o segundo País do mundo com maior percentagem de liberais por excelência. Mas podemos melhorar: se em Portugal a ascensão social (em bloco central) se continuar a dar bem com a ”astúcia” e o desrespeito pela lei. Um desrespeito que a boa imprensa leva a peito e o outro ”bloco” aproveita para marchas e causas fracturantes.

Entretanto, se a perda de sentido da íntima relação entre deveres e direitos – que levou à substituição do direito a ”procurar a própria felicidade” pelo direito a ”desfrutar dessa felicidade”, a desfrutá-la, claro, à custa do orçamento público – continuar, a deslegitimação do Estado acabará por abrir caminho à ilusão de novos Pactos.

Marxismo cultural e instrumentalização da Igreja

Padre Paulo Ricardo de Azevedo, consultor da Congregação do Clero, em assuntos de catequese junto à Santa Sé, professor de Filosofia e Teologia, e reitor do Seminário Cristo Rei de Cuiabá (MT) denuncia as influências materialistas do marxismo cultural no mundo Ocidental com o objetivo de "descristianizar" a sociedade. Alerta para o perigo de uma leitura sociológica da Bíblia em função dos interesses do comunismo.
Uma entrevista com preocupações que são igualmente válidas dos dois lados do Atlântico... ###

cancaonova.com: Quais os principais meios utilizados pelos militantes do marxismo cultural para difundir suas idéias?

Padre Paulo Ricardo: O primeiro ponto é que eles agem em dois campos muito distintos. O primeiro campo mais importante para eles são as universidades, onde, basicamente, quase todos os professores, de alguma forma, foram influenciados por esse tipo de pensamento materialista e socializante. Já o segundo são os meios de comunicação. Através das novelas e noticiários, eles vão influenciando e montando a mentalidade do povo de uma forma contraria à do Cristianismo e à visão espiritual da realidade.


cancaonova.com: Como padre, na sua história de vida, o senhor percebe que foi alguma vez instrumentalizado pelos pensadores do marxismo cultural?

Padre Paulo Ricardo: Sem dúvida nenhuma. Quando eu era um jovem estudante de Filosofia, eu seguia aquilo que os professores ensinavam em sala de aula, dentro da universidade. E, sem perceber, ia escorregando para esse tipo de leitura sociológica, uma leitura socializante da Bíblia. Mas graças a Deus e pela providência divina, eu fui encontrando livros que, aos poucos, foram me abrindo os olhos e é por isso que, hoje, quero prestar esse serviço para as pessoas, ajudando-as também a encontrar o caminho de saída desse tipo de pensamento que esvazia o Evangelho.

Mário Soares no Prós e Contras (9)

Estou convencido que esta foi a segunda maldade que fizeram a Soares, depois de o haverem empurrado para o desastre das presidenciais. Ocorreu-me maldade análoga que Marcello mandou fazer a um Salazar diminuído em 1969. Não se lembram ? Salazar continuava convencido que era primeiro-ministro. Marcello queria acabar, de vez, com o mal entendido, e permitiu que lhe fizessem uma entrevista. Ontem, Soares foi Salazar. Há coisas que não se fazem às pessoas.

Mário Soares no Prós e Contras (8)

A prestação de Mario Soares está, sem dúvida, há muito longe dos seus tempos de brilhantismo tribunício. A arrogância, permanentemente demonstrada pelo tom de sobranceria moral e histórica, e por uma tentativa permanente de subalternizar Pacheco Pereira, fizeram notar com clareza que Mario Soares não aprendeu nada durante a trágica espiral descendente que foi o seu desempenho durante a última campanha presidencial. A forma quase infantil como mordeu o isco de todas as armadilhas argumentativas que lhe eram servidas de bandeja assumiu proporções quase confrangedoras em alguns momentos.

Mário Soares no Prós e Contras (7)

9/11 conspiracy morons

Sobre a importância dos direitos de propriedade e as expropriações nos EUA

Real-life stories and solid legal analysis combine to show why property rights are the “cornerstone of liberty,” how they are protected in the U.S. Constitution, and how the Supreme Court's Kelo v. New London case has impacted them.

12.9.06

Sobre o Loose Change

Conspiracy theories alleging that 9/11 was a U.S. government operation are rapidly infiltrating the mainstream. These notions are advanced by hundreds of books, over a million Web pages and even in some college classrooms. The movie "Loose Change," a slick roundup of popular conspiracy claims, has become an Internet sensation. (...) We talked to Walter and, like so many of the experts and witnesses widely quoted by conspiracy theorists, he told us he is heartsick to see the way his words have been twisted: "I struggle with the fact that my comments will forever be taken out of context."

Here's another: An article in the American Free Press claims that a seismograph at Columbia University's Lamont-Doherty Earth Observatory picked up signals indicating that large bombs were detonated in the towers. The article quotes Columbia geologist Won-Young Kim and certainly looks authoritative. Yet the truth on this issue is not hard to find. A published Lamont-Doherty report on the seismic record of 9/11 says no such thing. Kim told Popular Mechanics that the publication's interpretation of his research was "categorically incorrect." Yet the claim is repeated verbatim on more than 50 Web sites as well as in the film "Loose Change."
###
Relacionado:
9/11: Debunking The Myths

Vídeos:
9/11 Deniers Speak - Part 1/5
9/11 Deniers Speak - Part 2/5
9/11 Deniers Speak - Part 3/5
9/11 Deniers Speak - Part 4/5
9/11 Deniers Speak - Part 5/5

Somos uma grande equipa

Cópia e cola integrais