12.11.05

O Universo como um projecto inteligente

VATICAN CITY — Pope Benedict XVI has waded into the evolution debate in the United States, saying the universe was made by an "intelligent project" and criticizing those who in the name of science say its creation was without direction or order.###

Benedict made the off-the-cuff comments during his general audience Wednesday. The Vatican newspaper, L'Osservatore Romano, published the full text of his remarks in its Thursday editions.

Benedict focused his reflections for the audience on scriptural readings that said God's love was seen in the "marvels of creation."

He quoted St. Basil the Great, a fourth century saint, as saying some people, "fooled by the atheism that they carry inside of them, imagine a universe free of direction and order, as if at the mercy of chance."

"How many of these people are there today? These people, fooled by atheism, believe and try to demonstrate that it's scientific to think that everything is free of direction and order," he said.

"With the sacred Scripture, the Lord awakens the reason that sleeps and tells us: In the beginning, there was the creative word. In the beginning, the creative word — this word that created everything and created this intelligent project that is the cosmos — is also love."

Fraternité

O Chavismo e seus Paradoxos

"Una contradicción más se suma a la Cumbre de las Américas. Mientras el presidente Hugo Chávez pide la muerte del ALCA y condena a EE.UU. por el fracaso económico de su país y el de los pueblos de América Latina, las cifras oficiales del Instituto Nacional de Estadísitica (INE) de Venezuela señalan a EE.UU. como el principal socio comercial de la República Boliviariana.
(...)
Otra paradoja que enfrenta Chávez es que mientras el precio del petróleo crudo—principal exportación de su país- sigue rompiendo récords también lo hacen los niveles de pobreza que azotan a Venezuela. Para tener una idea de la magnitud de este fenómeno, hacia fines del 2004 la pobreza y la indigencia alcanzaban al 47% de hogares y al 18,6% de los hogares respectivamente, cifras que superan los más álgidos momentos posteriores a la crisis de Argentina en los años 2001-2002, cuando la pobreza invadió al 45.7% de los hogares de este país (octubre 2002)."

Martín Simonetta, "Chávez reclama la muerte del ALCA pero tiene a EE.UU. como socio principal"

(via El Cato Institute)

Sobre a urgência de abandonar o modelo social europeu

The intense riots that started in the suburbs of Paris and have now spread throughout France and even across Europe may have been triggered by a single event, but their real causes run deep and are complex. They are a reflection of the way the so-called European Social Model has been applied in France. The areas involved can rightly be described as powder kegs that have been ready to explode for a long time.

(...)

France is one of the strongest defenders of the European Social Model. The main feature of the Model is a big state -- with high taxes, a regulated labor market, public welfare monopolies and large social security systems. But after the events in Paris, isn't it about time that France too realizes that this is an anti-social model that we should leave behind?###

(...)

The high taxes required to support the Model do not simply reduce people's opportunities to run their own lives, they also put a brake on growth. Economic activity is low and living standards stagnant; and in several places they are deteriorating. Small businesses must pay high taxes and are extremely regulated, so that way to a better life is also shut for many.

The anti-social effects of the Model hit immigrants harder. Regulated housing markets produce ghetto-like suburbs. Since hiring always involves a risk for the employer, a regulated and unionized labor market excludes immigrants. They are deprived of their opportunities to compete. Reforms that take us away from this Model could solve much of this. With low taxes, a free labor market and fewer regulations for companies, the situation could change. We could have new jobs and increased prosperity. And we could give immigrants the chance to integrate into society and work.

The countries of Western Europe could become winners in a globalized world. In a society with good conditions for creative activity -- where the state is smaller -- most people would get a chance to take care of their lives. There are countries that have done this, such as Ireland, New Zealand, Australia, Slovakia, the US and Estonia. For every job lost, there are two new ones. Small companies are growing. This is what we could do too.

Leaving this anti-social model behind may be the most important thing we could do to create better opportunities for immigrants. They want to contribute to society, they want to work -- not just be locked up in suburbs denied every opportunity.

If we don't do something soon to defuse this bomb, we will see Paris of today repeated all across Western Europe.

Reflexões sobre a Eurábia

Of course the French have been known for shabby treatment of the people they colonized, including Africans, Arab-Muslim immigrants, and Black citizens of the overseas territories and departments. But this is only half the story. The colonies have been independent for fifty years. What have they done with their independence? If the French are so nasty, why are millions of Muslims pouring in from all sides, by all means, legal and illegal, forthright and stealthy, justified and unjustified? Why are some of those "immigrant" children and grandchildren sacking and burning schools instead of taking advantage of the education that is offered to them?###

(...)

Decent law-abiding people who work, pay taxes, and raise their children properly have been begging the government to crack down on the Islamists and criminals who prey on them. If there is indeed 30 percent unemployment in the banlieues, it follows that 70 percent of the people are gainfully employed. High rents and low wages keep them in the housing projects. It is their cars that are burned, their public transportation that is interrupted, their safety that is jeopardized. Attacking bus drivers, raping women in cellars, hallways, and commuter trains, destroying public property, stealing purses and cell phones…this is nothing new. Young women are forced to wear hijab, one was burned alive for resisting advances, one was stoned to death, thousands are persecuted, confined to their homes, trapped in forced marriages. They beg, plead, and supplicate the French government to protect them. These are French women, born in France, and abandoned to de-facto Islamic rule in the country of their birth. It is their Islamist brothers, not French society, that reduce them to second class citizenship.

Nicolas Sarkozy is very popular in the banlieues. The hoodlums throw rocks at him, but law-abiding citizens bless his heart and if given the chance will vote for him in the next presidential elections. Unless the Chirac-Villepin duo succeeds in breaking his will. If his courage falters, if he eats crow and spits out sociological mush instead of following through on his promise to re-establish the rule of law, then the fusion ushered in by the architects of Eurabia will be accomplished by force in the meltdown of insurrection.

Wake up call II

Wake up call I

"We are just beginning to understand the magnitude of the challenge" of militant Islam, he said, "and I don't think we've got much in the way of the conceptual apparatus that we need."
When asked what year 2005 might compare to in the analogy to the cold war, Mr. Pike at first demurred, saying the parallel was too inexact. But when pressed, he said, "1922."
If that's the case, then more than a little history waits to play out.

Intifada francesa chega ao centro de Lyon

Police in the French city of Lyon have fired tear gas to break up groups of youths who hurled stones and bins hours before a curfew was due to begin.
Police on the city's famous Place Bellecour square made two arrests in what state news agency AFP says is the first rioting in a major city centre.###

Lyon has imposed a curfew for the first time in two weeks of nationwide unrest.

Thousands of police are patrolling Paris to enforce a ban on all public meetings likely to provoke rioting.

Trouble began at about 1700 (1600 GMT) on Place Bellecour where a large number of riot police were on duty as a preventative measure.

Around 50 youths attacked stalls and damaged vehicles, witnesses were quoted as saying by Reuters news agency.

Shoppers hurried away from the area and most local shopkeepers closed their doors.

Officials in Lyon and 10 other towns to the east of the city earlier announced a curfew to bar unaccompanied minors from the streets over the weekend between 2200 and 0600 local time.

The worst suburban unrest on Friday night was reported in Lyon and the city of Toulouse in the south-west.

More than 500 cars were set on fire, two police officers were wounded and 206 people were detained across the country.

This was an increase on the previous night, when about 400 vehicles were torched and 168 people were arrested.

Super Mário faz publicidade enganosa

Para melhor muda-se sempre

Eu ainda sou do tempo…

...em que Cavaco Silva se dizia discípulo de Edward Bernstein, um marxista soft. Descobri ontem que, entretanto, havia aderido ao personalismo cristão. Quando é que se deu o corte epistemológico?

11.11.05

Nazism and Socialism

"The basis of the claim that Nazi Germany was capitalist was the fact that most industries in Nazi Germany appeared to be left in private hands.

What Mises identified was that private ownership of the means of production existed in name only under the Nazis and that the actual substance of ownership of the means of production resided in the German government. For it was the German government and not the nominal private owners that exercised all of the substantive powers of ownership: it, not the nominal private owners, decided what was to be produced, in what quantity, by what methods, and to whom it was to be distributed, as well as what prices would be charged and what wages would be paid, and what dividends or other income the nominal private owners would be permitted to receive. The position of the alleged private owners, Mises showed, was reduced essentially to that of government pensioners.

De facto government ownership of the means of production, as Mises termed it, was logically implied by such fundamental collectivist principles embraced by the Nazis as that the common good comes before the private good and the individual exists as a means to the ends of the State. If the individual is a means to the ends of the State, so too, of course, is his property. Just as he is owned by the State, his property is also owned by the State.

But what specifically established de facto socialism in Nazi Germany was the introduction of price and wage controls in 1936. These were imposed in response to the inflation of the money supply carried out by the regime from the time of its coming to power in early 1933. The Nazi regime inflated the money supply as the means of financing the vast increase in government spending required by its programs of public works, subsidies, and rearmament. The price and wage controls were imposed in response to the rise in prices that began to result from the inflation."

REISMAN, George. Why Nazism Was Socialism and Why Socialism Is Totalitarian.

Via Mises Institute

Vieira 2006: a alternativa que faltava

Cimeira em Londres

A propósito do Armistício de 11 de Novembro de 1918

Incoerente e desorganizado

Subsídiodependente falha no mercado

De acordo com Paulo Branco, “o encerramento das salas depende da administração do Freeport, a quem cabe decidir se vai ou não mudar as condições de exploração”.

Segundo o produtor, os cinemas do Freeport não são rentáveis pelo que a Cinemas Millenium requereu que sejam dadas as “condições necessárias para o sucesso do projecto”.

Entre as condições referidas por Paulo Branco, destaca--se a revisão do preço do aluguer das salas e da promoção do próprio local. Nesta última questão, o produtor referiu-se à estratégia de publicidade do Freeport, “que tem ignorado o cinema”.

(...)

Recorde-se que a empresa Cinemas Millenium solicitou a admissão no Código de Insolvência e Recuperação de Empresas (CIRE), tal como o CM noticiou a 13 de Julho último.
O produtor Paulo Branco não tem o perfil de empresário uma vez que nunca percebeu como funciona o mercado cinematográfico. A viabilidade financeira dos filmes que produz foi sempre assegurada por subsídios estatais.

Cry freedom

No seu discurso, Mariano Gago [ministro do Ensino Superior, Ciência e Tecnologia] defendeu que, ao nível do Ensino Superior , as prioridades do Governo serão as de definir um regime de "regulação para empréstimos a estudantes", a "contenção de novas construções de escolas" e o lançamento de "um programa de análise sistemática às causas do abandono e insucesso nos primeiros anos do Ensino Superior".
A causa do insucesso escolar é evidente: o Estado, ao confiscar riqueza aos cidadãos para financiar instituições públicas de "ensino" superior, está a fazer opções que apenas aos alunos deve respeitar.

Não são necessários mais estudos. Os portugueses precisam, sim, de mais liberdade.

PS: título do post copiado deste filme.

Trabalhos de rescaldo

Talvez seja tempo de voltar para a toca.

Deja vu orçamental

Choque tecnológico

  1. somente os estudos realizados a partir de 1998 estão, agora, disponíveis no site da NAER; seria interessante compará-los com os mais antigos...

  2. falta, ainda, a publicação dos mais recentes estudos, prometidos para o mês de Outubro.

  3. relembro que esta micro-causa foi iniciada por JPP no passado dia 29 de Julho.

Welfare State + Multiculturalismo

"Após dias proclamando a revolta dos jovens franceses, a mídia nacional finalmente disse com todas as letras que se trata de "uma espécie de Maio de 1968 dos subúrbios". Além de tentarem explicar a baderna pela pobreza, estão romantizando-a por associação à revolta estudantil liderada pelos comunistas em 1968, que levou de Gaulle a dissolver o parlamento francês.
(...)
O mais engraçado é que a solução apontada pela mídia - e pelo governo francês - é o aumento do "welfare state", ou seja, a intensificação das políticas socialistas que fizeram da França esse país de elevado desemprego e baixo crescimento. Opa! Mas não foi justamente isso que levou à revolta dos jovens?
(...)
Será só isso mesmo? E o que dizer da política de multiculturalismo européia? Do fato de que os muçulmanos foram preservados da assimilação ocidental pelos bem intencionados europeus? De que agora eles se dizem sob a sharia, negando as leis francesas, como, inadvertidamente, foi colocado ao fim da reportagem: '- Sempre recusei a nacionalidade francesa, porque a França não me reconhece como francês. Vou ser sempre árabe. Por que fico aqui? Porque tenho o direito de viver aqui.' Agora, acho que temos uma visão completa do inferno pelo qual passa a Eurábia: welfare state + multiculturalismo."

Por Marcelo Pessoa, no Mídia Sem Máscara

JAD surpreende

O teatro político

Estado de regulação total

O ÚLTIMO A SABER

Enviesamento ideológico

[Uma] característica dos programas [dos candidtos à presidência] é o da acentuação do papel do Estado (mais ou menos reformado), enquanto agente das propostas de modernização da sociedade portuguesa. Seja a propósito da globalização, da reforma da Segurança Social ou da educação, dir-se-ia que algumas dimensões da clivagem esquerda-direita se encontram esbatidas, apesar dos esforços do dr. Mário Soares em empurrar Cavaco Silva para ponta direita do espectro. A grande moderação ao centro do Programa de Cavaco Silva e a ausência de um liberalismo de direita vão de par. Esta é uma característica que faz com que, se compararmos os programas eleitorais destas eleições presidenciais com os manifestos de outras eleições europeias, Portugal se apresente, em termos de diferenciação ideológica, com um pendor mais para o centro-esquerda, o que não deixa de ser interessante.

O que preocupa o Jerónimo

Re: Fundos de Pensões, Livre Contratação, Regulamentação, Segurança Social

Joan Kennedy Taylor (1926–2005)

Many years after our friendship began, I saw a photograph of Joan Kennedy Taylor as a young woman. The shock of recognition was instantaneous. Dagny Taggart. I was looking at the cleanly defined planes, gravity, intensity, and radiant beauty that had been in my mind's eye since I had first read Atlas Shrugged as a teenager.

Joan was not Dagny. She laughed too much, for one thing, and was a devoted mother for another. But otherwise she was a Randian heroine.###

Many people visit the world of ideas during their workday. Joan inhabited that world continuously. If she was your houseguest, you had better be prepared to talk about von Mises before the coffee was ready, and then to keep on talking about serious thinkers (embarrassingly many of whom you had never heard of) and about serious ideas for the rest of the day.

(...)

Joan was a part of Ayn Rand's circle for years. I do not know what specific aspects of Objectivism she retained and which she modified in her own beliefs, but she lived the essence of Rand's concept of happiness as the moral purpose of life, productive achievement as life's noblest activity, and reason as her absolute.

Up to the end. We concluded that last visit by going out to dinner—Joan, her son Michael, my wife Catherine, and me—at a chic Chelsea restaurant. Joan had barely eaten in weeks. She had just gotten out of the hospital, where she had been given nourishment intravenously. But she was looking good in a little black dress, and was still in full conversational flight about the new book as we sat down. When I told the waiter I wanted a martini, straight up, with a twist, the words were barely out of my mouth before Joan said, "I'll have the same." She drank every drop, and followed it up by eating every bite of every course. Joan did not go quietly into that good night. She did not rage against it either. As life's end approached, she worked on a new project and then went out and had a good time. When our hour comes, may all of us who say the right things about the meaning of life affirm them so buoyantly.

(via Alina Stefanescu)

Uma Europa velha e com medo

Se se pensa que está consolidada nas democracias a condenação da violência como instrumento político, pensa-se mal. Desde que os movimentos radicais da extrema-esquerda e extrema-direita, que defendiam a violência "revolucionária", perderam influência e se desintegraram nos anos 80, com o fim do surto terrorista que das Brigadas Vermelhas italianas, às FP portuguesas, atravessou toda a Europa, que parecia haver um consenso político de intransigência quanto ao uso da violência nos sistemas democráticos. O caso da ETA e do IRA eram excepções que confirmavam a regra de que em democracia a violência estava de todo excluída.

Mas desenganemo-nos. Bastou surgir uma nova violência, com novos actores e novas causas, ocupando, mesmo que ilusoriamente, o local e a memória dessa violência radical do passado, para se verificar que importantes sectores políticos da nossa sociedade democrática mostram uma enorme complacência com a sua utilização como instrumento político. Nos sectores tradicionalmente da "esquerda", e numa "direita" complexada e temerosa, volta de novo a haver um caldo cultural para que a violência política surja como aceitável, como "justificada".###

O mecanismo fundamental de aceitação da violência nos nossos dias é uma espécie de sociologia de pacotilha, mais herdeira do marxismo do que parece, que explica a "revolta dos jovens" (bem-aventurado eufemismo) pelas condições sociais da sua vida. É uma "explicação" que tem muito de voluntarismo político e pouco de ciência, embora, como também acontecia com o marxismo no passado, pretenda fornecer uma inevitabilidade causal. Antes, os proletários deveriam fazer a revolução violenta porque eram explorados e a sua "mais-valia" apropriada pelos capitalistas, agora os jovens revoltam-se porque não têm "esperança no futuro" e são marginalizados. Em ambos os casos há sempre uma explicação social útil, que ilude o adquirido político do pensamento democrático, dissolvendo-o nas mesmas perigosas ideias sobre a "justificação" da violência pela causalidade social.

(...)

É por isso que nenhuma desta mecânica explicativa se usaria se os tumultos tivessem origem em grupos racistas da extrema-direita, ou de grupos neonazis. Aí, o que se ouviria de imediato era o apelo à repressão, a criminalização ideológica, a exigência de acções punitivas drásticas. Ora, tanto quanto eu saiba, a proliferação de grupos neonazis, na Alemanha de leste, por exemplo, também traduz a mesma "falta de esperança" de uma juventude que tem elevadas taxas de desemprego. Só que aí ninguém avança ou aceita explicações "sociais", e ai de quem minimizasse qualquer violência desses "jovens" que nunca teriam direito a este tratamento tão simpático, mesmo quando também são jovens...

(...)

Os "jovens" são de facto os filhos dos imigrantes, cuja demografia salva e condena a Europa ao mesmo tempo, salva-a da extinção demográfica e condena-a a ser uma Europa em cujo espelho a antiga Europa greco-latina e judaico-cristã, a única que há, não se reconhece. Este dilema não está apenas a fazer arder os carros, está também a incendiar a democracia política com ideias que lhe são alheias e hostis.

Este dilema só pode ser superado com intransigência na defesa da lei e do direito e na proclamação, sem dúvidas, de que não é legítima em qualquer circunstância, insisto, em qualquer circunstância, o uso da violência para obter objectivos políticos quando se vive em liberdade. Este é um adquirido de muitos anos de luta, que custou muito sacrifício e muito sangue, mas é das coisas em que a Europa deve ter orgulho e não culpa. O modo como se está a ser complacente com os tumultos franceses mostra que onde devíamos ter orgulho passamos a ter vergonha, e passamos a ter culpa.

Estamos velhos e com medo, este é o estado da Europa.

Santos da Casa muda de casa

10.11.05

Quem abre em quatro paus?

Segundo o patriarca da nossa democracia, e das sopeiras que cursaram Direito e se sentam no PE, aquela mudez granítica e injusta está a "privar da palavra" os outros candidatos. Ora os candidatos, principalmente o nosso Matusalém, precisam com urgência de matéria sobre que se pronunciarem. Sem isso ficam imerecidamente privados de assunto, vazios de ideias. Ora o único assunto, a única ideia, a única causa, é Cavaco. Com Cavaco petrificado lá longe nas areias do deserto, escasseiam os assuntos, as ideias e as causas. Se esta imobilidade perniciosa persistir, é a própria democracia que está em perigo. Corremos o risco de, em futuros debates televisivos, vermos os candidatos, falhos de assunto, aguardando desalentados por algum pronunciamento de Cavaco, iludirem entretanto a espera com uma partida de bridge, Jerónimo de Sousa sempre a Este e Mário Soares a fazer de morto.

Um debate a dois sem Cavaco ha-de fazer lembrar a reunião de condominos do Gato Fedorento. Imaginem, Soares vs Alegre, Alegre vs Louçã, Alegre vs Jeronimo, Louçã vs Soares, Soares vs Jeronimo (lavagem de roupa suja), Jeronimo vs Louçã (saco de gatos) e para desenjoar o debate dos debates: Louçã-Garcia Pereira, ou Manuel João Vieira-os outros todos.

867 mil euros em subsídios para a Fundação Mário Soares

O CM apurou, através de uma pesquisa no Diário da República, que a instituição ligada ao ex-Presidente da República recebeu, entre Fevereiro de 2002 e Julho de 2005, 867 055,94 euros dos ministérios da Defesa, da Cultura, da Administração Interna, através do Governo Civil do Distrito de Leiria, das Actividades Económicas e do Trabalho, através do Instituto do Emprego e Formação Profissional, e da Presidência do Conselho de Ministros.###

Só em 2002, altura do Governo de Durão Barroso, o Ministério da Cultura, através do Fundo de Fomento Cultural, atribuiu à Fundação Mário Soares 498 797,90 euros, um montante superior aos apoios recebidos do Estado em 2004, que totalizou 348 258,04 euros. No ano passado, a verba mais alta foi dada pela Presidência do Conselho de Ministros, em 6 de Julho. O então ministro da Presidência, Morais Sarmento, atribuiu à Fundação 198 247,41 euros, um apoio que seria acrescido de 61 168,42, em Setembro, e de 79 522,03 em Novembro. Estes subsídios, apesar de terem sido atribuídos em 2004, só foram publicados em Diário da República em Março deste ano. Em 2005, o único subsídio dado até agora pelo Governo à Fundação diz respeito aos 20 mil euros atribuídos pelo Ministério da Defesa para um projecto de investigação sobre Missões de Paz. Ontem, Mário Soares considerou “natural” o apoio do Estado à instituição. E, apesar de ter remetido as explicações para a Fundação, esta ainda ontem não conseguiu disponibilizá-las.
(via A Mão Invisível)

Os media como instrumento da propaganda de esquerda

One of France's leading TV news executives has admitted censoring his coverage of the riots in the country for fear of encouraging support for far-right politicians.
Jean-Claude Dassier, the director general of the rolling news service TCI, said the prominence given to the rioters on international news networks had been "excessive" and could even be fanning the flames of the violence.

Mr Dassier said his own channel, which is owned by the private broadcaster TF1, recently decided not to show footage of burning cars.

"Politics in France is heading to the right and I don't want rightwing politicians back in second, or even first place because we showed burning cars on television," Mr Dassier told an audience of broadcasters at the News Xchange conference in Amsterdam today. [destaque meu]
(via lgf)

George Clooney e o mito esquerdista anti-McCarthy

The most cosseted, self-indulgent, worthless people in the universe are worried their suffering has been downgraded. For 50 years Hollywood drama queens have churned out plays, movies, TV shows, books, poems, allegories, museum exhibits, personal testimonials, dioramas, interpretive dances, wood carvings, cave paintings, needlepoint wall hangings and scatological limericks about their victimization at the hands of a brute named Joe McCarthy. Schoolchildren who will learn nothing about George Washington, Thomas Edison or Paul Revere are forced to read chapter and verse about the black night of fascism (BNOF) under McCarthy.

But half a century of myth-making later, one little book comes out and gives the contrary view — and Hollywood thinks it's Treblinka.###

(...)

I gather the movie's two examples of McCarthy's perfidy are the cases of Annie Lee Moss and Milo Radulovich. As described in detail on Pages 62-64 of "Treason," Moss was a proved Communist Party member — who happened to be working in the Code Room of the Pentagon. It was an act of sheer madness, like, say, putting a member of al-Qaida at the Pentagon today or putting Pat Leahy on the Senate Judiciary Committee. Oh wait ...

Moss put on a big Amos 'n' Andy show for a Senate committee, delighting racist liberals who happily proclaimed Moss too simpleminded to be a communist. Only thanks to McCarthy, who ignored the barrage of calumnies from liberals, Moss was moved to a less sensitive position at the Pentagon.

As for Milo Radulovich, he had absolutely nothing to do with McCarthy. McCarthy never mentioned his name. So maybe liberals have finally found the one liberal in the '50s who was not on the payroll of the Soviet Union. I don't know and I don't care.

Amusingly, Clooney said in an interview that Alger Hiss was "probably" a communist spy. By now, I believe even the Nation magazine has been forced to admit Hiss was more than that. But, Clooney says, the point is McCarthy "was wrong about 99 percent of them."

If McCarthy was "wrong about 99 percent of them," when are we going to get a movie about one of the 99 percent? I might go see that movie.

Clooney reverts to the standard Hollywood talking point, saying: "More important than that, (McCarthy) was wrong every time he denied people their civil liberties."

Ah yes, the old civil liberties canard. Apparently, the only period worse than the BNOF under McCarthy is the current BNOF under President George Bush. This was followed by the usual number of specific examples of civil liberties that had been denied: zero.

J.M. Barroso e sus muchachos - os ultra-neo-liberais

Via Telegraph:

Once the bastion of Franco-German corporatism, the European Commission is now slipping ever further under the control of "Thatcherites".
Jose Manuel Barroso, the Commission's president, yesterday purged the Brussels machine, picking a free-market radical to run the 22,000-strong civil service.(...)Mr Barroso, a Maoist turned free-market crusader, is determined to bring Brussels back to its core task of fostering prosperity. As a down payment, he has begun a "bonfire of the diktats", scrapping 60 pending EU laws that have no obvious value. All ideas of tax harmonisation have long since been abandoned.(...)
Emboldened by the shifting balance of ideological power, Mr Barroso yesterday dared to pick Ireland's Catherine Day to be the new secretary-general. An ultra-liberal, she is famed in Brussels for her sparring matches with the ageing Ayatollahs.(...)To cap it all, a British EU trade commissioner, Peter Mandelson, is using his vast discretionary powers to offer a 39pc cut in farm tariffs and at total phase-out of export subsidies in global trade talks.

Via Le Figaro:

Orchestré par José Manuel Barroso depuis plusieurs mois, sous l'oeil inquiet des Etats membres, ce vaste jeu de chaises musicales entérine la perte d'influence de la France à Bruxelles et confirme la montée en puissance des Anglo-Saxons et des libéraux.(...)
Déjà très influents dans l'équipe Barroso, où ils détiennent les clés du commerce extérieur et du marché intérieur, les Anglo-Saxons confortent leurs positions dans les directions générales, là où se trouve le vrai pouvoir, ce qui donnera à la politique bruxelloise une orientation toujours plus libérale et anglophone.

Emigrantes na Suiça

At 164,700 people, the Portuguese make up the third largest foreign community in Switzerland, after the Italians and those from Serbia and Montenegro.(...) Though once regarded with mistrust, the Portuguese are now well established in Swiss society. But, as with many other foreign communities, this does not mean they are well integrated.

###
Young people have to contend with discrimination in the job market. A high percentage of them are unemployed and it is still difficult to gain access to skilled occupations.
Da Cunha [president of the Federation of Portuguese Associations in Switzerland and professor of geography at Lausanne University], who is also president of the Forum for the Integration of Migrants, says the Portuguese community leads an almost "invisible existence" due to its lack of involvement in Swiss social and political life.
Some of the blame for this can be taken by the host country, says the professor. But he adds that many ex-pat Portuguese have tended to avoid contact outside their own communities.
Many limit their horizons to their families and to voluntary and sports organisations.


E sobre os italianos:

They now number 312,000 - the largest foreign community in Switzerland, according to official statistics for 2003.(...)But there are still some integration problems - especially for first-generation immigrants who, on reaching retirement age, decide to remain in Switzerland so they can be close to their children.
"It is apparent that these people are not so well integrated as we thought," said Micheloni [Italian-born general secretary of the Forum for the Integration of Migrants].
The younger generation, on the other hand, were born and brought up in Switzerland, speak the country's national languages and have embraced Swiss habits and customs.
But they do not feel fully accepted by the Swiss, especially as it remains very difficult to gain Swiss citizenship.
Last September voters threw out proposals to grant automatic citizenship to third-generation foreigners and ease naturalisation restrictions on the second generation.
This means that the community cannot take part in the political life of the country. Only a handful of cantons grant voting rights to foreign nationals.
"It is only when immigrants obtain political rights that will we be able to say that they are successfully integrated," concludes Micheloni.

Tranferência de Fundos de Pensões para o Estado: "A culpa é do Opus Dei" afirma CAA do Blasfémias

  1. Caixa Geral de Depósitos, S.A (CGD) [Decreto-Lei n.º 240-A/2004, de 29 de Dezembro, e Decreto-Lei n.º 241-A/2004, de 30 de Dezembro];
  2. Aeroportos de Portugal, S.A. (ANA, S.A.) [Decreto-Lei n.º 240-B/2004, de 29 de Dezembro]
  3. Empresa Pública Navegação Aérea de Portugal (NAV Portugal, E.P.E.)[Decreto-Lei n.º 240-C/2004, de 29 de Dezembro]
  4. Imprensa Nacional – Casa da Moeda, S.A. (INCM, S.A.) [Decreto-Lei n.º 240-D/2004, de 29 de Dezembro]
  5. CTT - Correios de Portugal, S.A. [Decreto-Lei n.º 246/2003, de 8 de Outubro]
  6. Casa do Douro [Decreto-Lei n.º 277/2003, de 6 de Novembro]
  7. Radiodifusão Portuguesa, S.A. (RDP) [I] [Decreto-Lei n.º 291/2003, de 19 de Novembro]
  8. INDEP [Despacho do Secretário de Estado do Orçamento de 21/10/2002]
  9. Radiodifusão Portuguesa, S.A. (RDP) [II] [Decreto-Lei n.º 90/99, de 22 de Março]
  10. Dragapor [Decreto Lei n.º 10/98, de 17 de Janeiro]
  11. Banco Nacional Ultramarino, S.A. (BNU) [Decreto-Lei n.º 227/96, de 29 de Novembro]
[Fonte: Relatórios e contas da Caixa Geral de Aposentações 2004, 2003, 2002, 1999, 1998, 1997]

Conclusão lógica e nada paranóica do CAA do Blasfémias:

"esta negociata [com o BCP] nada mais é do que uma constatação de que a política do "Trono e do Altar", directa ou indirectamente, continua a mandar neste país, agora em nova e enganosa embalagem."

Eles andem aí...

P.S. Tentativa de explicação do comportamento do CAA.

Super Mário

Integração europeia avança

Novo blog de apoio a Cavaco Silva

European Dawn: After the Social Model

Western Europe is in deep trouble. Growth is low, unemployment is high, most people are dependent on the state and welfare services are falling apart. Yet most politicians defend the European Social Model. Reforms merely scratch the surface.

But the Model is not the solution to our problems—it is the problem. The high taxes put a brake on growth, the regulated labour market stops new jobs and public monopolies can’t deliver welfare services.

Forces like the international competition and the demographic situation make the need for radical reform desperate. Without reform, a collapse is coming. But if we decrease the size of the state and liberate the forces of development, Western Europe will face a new dawn.

Many other countries have done it with great success. It is no secret what can be done, all it takes is political will. Facts and reality speak for themselves. This book shows what should be done and why.

Força!

Cavaco: o censor

Mathieu Kassovitz's, realizador de La Haine: It's hard not to cheer on the rioters

The Maginot Line is still holding

Egalité (i.e. French Apartheid)

German magazine offers insight into Iran's support for terrorism

Cheiro a Weimar

A imigração em geral não depende apenas da existência de níveis de vida muito diferentes entre dois territórios. Depende sobretudo da existência de postos de trabalho por preencher no território que é mais rico. As grandes vagas de (e)imigração dos séculos XIX e XX fizeram-se para países com um pujante crescimento económico.

Ora, as economias europeias pouco crescem. O que atrai os imigrantes à Europa é a escassez de mão-de-obra para alimentar o Estado Social, que precisa deles para manter os subsídios de desemprego e as pensões de reforma.

É notável a perversidade de todo o mecanismo os europeus recusam-se a entrar em certas profissões desqualificadas, a isso preferindo o desemprego e o subsídio que ele garante.###

Mas como elas têm de ser desempenhadas, os imigrantes são convidados a fazê-lo. Aceitam condições de trabalho e remunerações intoleráveis para um europeu original. Já os seus filhos recusam o mesmo destino. Não só as suas expectativas são mais elevadas, como, sendo cidadãos plenos, recorrem livremente às esmolas do welfare state.

É assim oferecido à segunda geração um incentivo ao desemprego. E deste modo se alimenta a elevada taxa de desemprego que caracteriza as sociedades europeias, a qual tem de ser coberta por novos imigrantes, que voltam a aceitar horríveis condições laborais. Afinal, aquele que é suposto ser o modelo de protecção social mais sofisticado não dispensa a existência de uma subclasse permanente, sem plenos direitos económicos, cívicos e políticos.

Incapazes de lhes oferecerem oportunidades para além do perpétuo subsídio de desemprego, os países europeus remetem os filhos de imigrantes para aldeias etnográficas, onde, em nome do multiculturalismo, os deixam prosseguir hábitos tantas vezes contrários à lei e à moral tradicionais europeias.

(...)

E agora, depois de 15 dias de manifestação de ódio dos filhos de imigrantes pela sociedade que acolheu os seus pais, o que vai fazer a França tradicional? A França branca e dos imigrantes de primeira geração (onde, de resto, se encontra grande número de votantes em Le Pen)?

Atrevo-me a sugerir (esperando, porém, que um milagre aconteça) que fará uma de duas coisas (ou as duas juntas) igualmente trágicas ou demonstrar uma compreensão ainda maior pela desgraça dos "jovens rebeldes", assim contribuindo para aprofundar a deliquescência da autoridade republicana, ou afirmar um ódio radical ao "estrangeiro". Parece uma situação sem saída? Parece. Mas há circuntâncias em que assim é. Também a fraqueza da Alemanha de Weimar não tinha uma solução feliz.

Notícias da frente britânica

promoting wealth creation - at home and abroad - means changing the climate of opinion so that politicians and bureaucrats who argue for measures that damage business and economic competitiveness are less likely to succeed. In short, we need to campaign for capitalism. To promote profit. To fight for free trade. To remind, indeed to educate our citizens about the facts of economic life. The message is simple - you cannot win the battle against red tape unless you win the intellectual and cultural battle for open markets


(via Samizdata)

9.11.05

Terror na Jordânia

Enough is enough? (corrigido)

«Depois da desastrosa visita do Presidente Bush à América Latina, é enervante realizar que a sua presidência ainda tem mais de três anos pela frente. Uma administração sem agenda e sem competência seria suficientemente dura para suportar no plano doméstico. Mas o resto do mundo não pode simplesmente aguentar um governo americano tão mau por tanto tempo».

Esta pérola de «anti-americanismo», que indignaria os lacaios que em 2003 me acusaram da doença por antecipar o que agora todos estão a reconhecer, não é minha, não. É do «anti-americano» NEW YORK TIMES em editorial de hoje. Vale a pena ler o resto e ...chorar. Mas não desesperar. A América começa a acordar.
Estamos a falar do mesmo NY Times que publica e assumidamente apoiou John Kerry? Para os mais esquecidos, foi há cerca de um ano e o editorial terminava assim:
We look back on the past four years with hearts nearly breaking, both for the lives unnecessarily lost and for the opportunities so casually wasted. Time and again, history invited George W. Bush to play a heroic role, and time and again he chose the wrong course. We believe that with John Kerry as president, the nation will do better. [...] All citizens can do is mix guesswork and hope, examining what the candidates have done in the past, their apparent priorities and their general character. It's on those three grounds that we enthusiastically endorse John Kerry for president.
Assim percebemos melhor a que América se refere AG (não VM)... mas mesmo que os approval ratings de Bush estivessem nos 10%, o problema de AG (não VM) é que não existe nos EUA um supra-presidente que possa, qual Sampaio, salvar o povo americano e, claro está, o resto do mundo...


PS: nota-se bem a sobranceria de AG (não neste caso de VM), tão típica do candidato presidencial que apoia, quando utiliza a palavra "lacaio".

PS2: Obviamente que me penitencio pelo erro (trocar AG por VM), mas penso que o post mantém a sua relevância.

Memórias

TODA A VERDADE !!!

Pulo do Lobo

Os neo-ultras

A coisa espalha-se...

In recent years, a growing number of university students have made efforts to develop an accurate understanding of the value of the market economy and free democracy. This autumn, at universities such as Kyunghee and Ewha, student activists of New Right movement ran for the student presidency. They argued for respecting free market economy and criticizing human rights abuse in North Korea. Among their favorite books are “The Fatal Conceit” (Hayek), “Statecraft” (Margaret Thatcher), and “The Future of Freedom” (Fareed Zakaria). These books are about fallacy of socialism, freedom of business activities, small government, opening, and so on.

###
Upon listening to the news about the collapse of now-defunct Soviet Union in 1991, Friedrich August von Hayek (1899 ~ 1992) said, “Well, I told you so.” In his book “The Road to Serfdom” (1944), he predicted the collapse of socialism. In the book, he wrote, “Socialism pursues suppression and equality as the status of a slave.” Ludwig von Mises (1881 ~ 1973), a teacher of Hayek, also became a public enemy of socialists due to his criticism of socialism’s contradiction in his book “Liberalism” (1972). Both of them advocated their belief in the market economy and free democracy during their lifetime.

Liberals, who opposed planned economy and government interference, have long been excluded from capitalism too, since Keynesian economics, which emphasizes the role of the government, prevailed. In the mid 1970s, stagflation, the combination of high inflation and a high unemployment rate, led to the perception that Keynesian economics was no longer valid, turning people’s attention to liberalism again. Hayek, a Nobel Prize winner, said in an interview in 1977, “The intellectual trend that favored socialism began to reverse. The change is apparent among young people.”

China-US textile trade: a win-win game

Some 300 million US customers prefer "made-in-China" which is high in quality and low in prices. How can the interests of such a huge group be played down compared with the interests of a much smaller group of manufacturers?


Texto integral aqui.

A realidade que se dane...

Catástrofe ambiental

'We hate France and France hates us'

Mentiras e omissões

"Tenho a certeza de que não houve pagamentos mensais" aos deputados, disse "Lula" da Silva, ontem à noite, durante uma entrevista de duas horas transmitida pela TV Cultura.

Fonte: Rádio Renascença

Já os membros da Comissão que investiga as denúncias de corrupção afirmam que há evidências de repasses ilegais:
"Outro integrante da CPI, o deputado tucano Eduardo Paes (RJ) afirmou que Lula mentiu na entrevista.

— A evidência da conexão entre o Banco do Brasil e o PT, com os repasses feitos pela empresa Visanet, mostra que há dinheiro público no esquema montado com Marcos Valério e caracteriza que o presidente não disse a verdade. De omisso, passou a mentiroso — atacou Paes, lembrando que o relatório da CPI que pediu a cassação dos parlamentares citados na lista de Valério como beneficiários de saques foi aprovado com votos de petistas."

Fonte: O Globo

Dien Bien Phu - 20/11/1953

  • A derrota de Dien Bien Phu foi também resultado do imperialismo americano, das patetices do Bush Jr. e das políticas neoliberais dos neoconservadores.

  • A derrota de Dien Bien Phu abriu caminho a uma "intensa intervenção pública na matéria" que permitiu transformar a oprimida e explorada terra do Vietname (na altura chamada Indochina Francesa), num paraíso socialista onde corre o leite e mel. [O candidato anacleto louçã afirmou recentemente em entrevista ao DN que as contradições das sociedades actuais só seriam resolvidas se se implantasse uma sociedade socialista. E, como toda a gente sabe, o anacleto louçã tem estudos].

  • As ondas de choque desta batalha estenderam-se aos países vizinhos, contribuindo decisivamente para evitar a repetição dos mesmos erros (e.g. Laos).
Dien Bien Phu representa também um sinal de esperança para o estado francês: Um exército de maltrapilhos terceiromundistas derrotou o invasor francês e, mais tarde, os invasores americanos e chineses - três dos mais poderosos exércitos do mundo. Portanto, haja esperança, um dia as forças da ordem francesa conseguirão escorraçar os incendiários parisiences.

no-passaran.blogspot.com

Entitled and empowered

"In reading a lot of commentary on the French Riots, I repeatedly see a lot of commentators repeating the idea that people riot because they feel weak, powerless and helpless. This is exactly backwards. The real pattern is that people tend to riot when they feel both entitled and empowered."

Shannon Love, Misconceptions on Rioting
Via Chicago Boyz

Lançamento do livro "Escola Austríaca: Mercado e criatividade empresarial"

8.11.05

Sempre o Foro de São Paulo...

"Os conservadores americanos precisam entender que a política latino-americana em geral, salvo talvez Chile e Colômbia, deve ser entendida à luz de uma única instituição: Foro de São Paulo.
(...)
Somente agora, 15 anos após a fundação do Foro de São Paulo, é que jornalistas da FoxNews e do Washington Times começam, ainda que timidamente, a admitir a formação de um “Eixo do Mal” Latino-Americano gravitando em torno de Castro, Chávez e Lula. Mas os relatos do falecido Constantine Menges e de Bill Gertz a respeito da América do Sul dissolvem-se em meio a questões geopolíticas mais importantes para os americanos: Iraque, Israel, Europa, Irã, China, Coréia do Norte, Bálcãs, Rússia etc."

Diplomacia inconseqüente
por Editoria MSM

Prefiro Sampaio

"All politics is a reaction to felt needs. You need to get people to feel the need. Our job is to make sure the right felt need is taken into consideration."


E quem decide a "right felt need"? O fantasma de Estaline?

(via Dissecting Leftism)

Oooh pobrezinhos! Ficam ofendidos? Que chatice.

Louçã: o demagogo

Louçã: o equivocado

Louçã: o anti-Soares

Este anda a treinar para Sampaio

Se não existirem políticas activas extremamente eficazes e sem um grande envolvimento da sociedade, é fácil surgirem situações de desenraizamento, em que a pessoa não se sente ligada a nenhuma identidade, nem à sua comunidade de origem, nem à sua nova pátria.

[...] quando o medo é utilizado para ganhar votos, há o risco de que as opiniões públicas sejam totalmente contaminadas pela irracionalidade.

Quando se exploram estes sentimentos para efeitos políticos e mediáticos de curto prazo tem de se ter a consciência de que se está a brincar com fogo. O que está em causa é a coesão das nossas sociedades e a paz entre os povos.
Está encontrado o candidato independente apoiado pelo PS para as eleições presidenciais de 2016...

Foram as políticas neo-liberais? (4)

Já se tornou um hábito assistir ao indecente escrutínio dos fracos e à tolerância em relação aos poderosos, a um sistema que esmaga quem não pode suportar mais a miséria e a exclusão.
Mas, se o problema da insegurança já existia anos atrás, como é possível que os "fracos" continuem a destruir propriedade alheia? Ainda não foram todos "esmagados"???

No século XXI, tal como é impensável aceitar a escravatura, também já não é possível desviar o olhar da miséria.
Estranho, então, que os franceses desviem o olhar da miséria em África para os subsídios aos seus agricultores, excluindo, do mercado europeu, a concorrência dos cidadãos daquele e de outros continentes.

Só quem não conhece a realidade francesa é que pode afirmar que «a França será talvez o país mais anti-liberal da Europa». Na verdade, já foi, em tempos idos. Hoje, a direita e a esquerda francesas, tal como as portuguesas, deixaram-se levar pelos cantos da sereia do capitalismo selvagem, camuflado por um conceito de globalização que tem servido para sustentar o insustentável.
E, contudo, o presidente francês Jacques Chirac condena publicamente as políticas ultra-liberais (pois!) de José Manuel Barroso.

Ainda, será possível o RCP explicar de que forma o facto dele escrever num computador fabricado (total ou parciamente) no estrangeiro, usar um sistema operativo não-"Made in Portugal" e publicar os seus posts num site americano o fazem mais "selvagem"???

Só os fundamentalistas de direita conseguem recusar a evolução civilizacional e a falência de um modelo assente na pobreza e na injustiça.
Os socialistas (de direita e esquerda) é que parecem recusar tal "evolução civilizacional": primeiro foi o modelo comunista, a seguir será o modelo social europeu!

Hoje, até a generalidade dos fundamentalistas de esquerda já perceberam que a ditadura política não é uma solução. Só uma pequena fracção de idiotas de direita, hipócritas e/ou destituídos de qualquer vivência cosmopolita, é que não percebem que a nova ditadura do liberalismo está condenada ao fracasso.
Ora, se liberalismo significa maior liberdade de escolha para o indivíduo sem, contudo, violar a liberdade de outros, como pode haver uma "ditadura do liberalismo"???

Será que os franceses estão interessados?

O candidato presidencial Mário Soares afirmou esta terça-feira que como Presidente da República, estará em «melhor posição» do que qualquer outro candidato para evitar em Portugal uma situação semelhante à que se vive em França
Estou certo que o governo francês apreciaria ouvir os seus conselhos sobre como apaziguar os "émeutiers".

O mercado, o neoliberalismo e a CIA

Terá falhado a escola, a economia, a sociedade de acolhimento? O urbanismo falhou certamente, com a política de solos e um desordenamento territorial que fazem das grandes urbes, como Paris e Lisboa, cidadelas sitiadas e cercadas por arredores intranquilos. Enfim, o mercado, na sua adolescente desconformidade. O milagre só pode vir de uma intensa intervenção pública na matéria. Os que querem remeter o Estado para o reduto da ordem pública são insensatos sociais.

O mercado. Dos PDM's, da lei das rendas, dos bairros sociais, do crédito bonificado, dos realojamentos, do financiamento das Câmaras Municipais? Da "política de solos" e do "ordenamento territorial"? Qual destes "mercados"?
"O milagre só pode vir de uma intensa intervenção pública na matéria" Em substituição do quê? De si mesma?

Não foram as políticas neoliberais...antes pelo contrário

Liberdade de expressão

Segundo uma notícia publicada na edição on-line do L'Éxpress, em Aix-en-Provence e na região de Paris terão sido detidos três bloggers que, alegadamente, incitavam à insurreição e à agressão aos polícias. Os blogues já haviam sido fechados pela rádio (Skyrock) que os albergava.
Para já, e pelo menos oficialmente, não terá sido estabelecida qualquer relação entre estas acções e a violência que nas últimas duas semanas tem assolado, sobretudo, alguns municípios dos arredores de Paris.

Se eu tiver a opinião de que as pessoas deveriam revoltar-se e combater a polícia, enquanto representante do aparelho repressivo do Estado, e a escrever no meu blogue, posso ser preso? É estranha a noção de democracia e liberdade que os magistrados e os políticos têm. Ou talvez não, porque, afinal, a Revolução Francesa depôs um regime socialmente injusto, repressivo e corrupto para criar outro que viria a ficar enfermo dos mesmos males...
Deve a liberdade de expressão ser limitada quando se trata de incitação à destruição de propriedade alheia incluindo, claro, a integridade física de cada indivíduo (a mais importante propriedade)?

Pessoalmente, penso que não. A liberdade de expressão deve apenas respeitar o direito de propriedade de outros (no caso acima descrito, pela decisão do site em fechar os blogs que alojava). É que o perigo de não calar a voz de fanáticos é também, agora e no futuro, uma garantia de liberdade.

State of Emergency Declared in France

"President Jacques Chirac declared a state of emergency Tuesday, paving the way for curfews to be imposed on riot-hit cities and towns in an extraordinary measure to halt France's worst civil unrest in decades after 12 nights of violence.

...The state-of-emergency decree _ invoked under a 50-year-old law _ allows curfews where needed and will become effective at midnight Tuesday, with an initial 12-day limit...

...The recourse to a 1955 state-of-emergency law that dates back to France's war in Algeria was a measure both of the gravity of mayhem that has spread to hundreds of French towns and cities and of the determination of Chirac's sorely tested government to quash it."

..."We are facing determined individuals, structured gangs," Villepin told parliament on Tuesday. He vowed that France will "guarantee public order to all of our citizens."
[Fonte]

O exemplo francês

O lema “Liberdade, Igualdade e Fraternidade” tem sido o motor do desenvolvimento civilizacional. A tomada da Bastilha inspirou toda a humanidade, plantando o marco da contemporaneidade na cronologia histórica. Acabando com a Idade das Trevas, ofereceu-nos a consciência da dignidade humana. Foi em França, no final do século XVIII que Robespierre e Marat realizaram o enterro do Antigo Regime, de uma mentalidade errada e caduca.

No século XX a França voltou a agitar – e contagiar – as mentalidades mais progressistas. O Maio de 1968 evoluiu de um fenómeno parisiense para um acontecimento à escala mundial. A manifestação de um descontentamento estudantil transformou-se numa revolta social em todo o mundo. As águas agitaram-se e o poder instituído foi forçado a inflectir.

Não sei se Novembro de 2005 ficará na história, mas tenho a certeza que irá obrigar a uma revisão da política social francesa.

(...)

É bom não esquecer que a realidade que se vive em França é transversal à maioria dos países, principalmente nos ditos “Estados Ocidentais”.

A economia é extremamente importante em mercados abertos! É um facto!

E as pessoas? Qual é a importância que essa economia liberal atribui às pessoas? São apenas consumidores? Mão-de-obra mais ou menos qualificada? São todos necessários? Como consumidores ou como mão-de-obra? Que fazer aos excedentários? Continuar a estupidificá-los? Confirmar a caducidade do Estado-Social? Passar à caridade?
No Orgia Política.

A tale of two cities: Paris e Nova Orleães

Hordas de analfabetos funcionais

Durante anos, 'educaram-se' jovens para as estatísticas, criaram-se autênticas hordas de analfabetos funcionais, e a muitos deu-se até um canudo. Foi bonito enquanto o estado social funcionou, e se pôde viver à custa dos paizinhos, ou enquanto havia trabalho pouco qualificado (e ainda não deslocalizado).

Com o tempo os jovenzinhos ficaram mais exigentes, já não era qualquer trabalho que lhes servia, ao mesmo tempo que os seus pais iam ficando desempregados ou reformados. Nunca houve qualquer esforço de integrar estes jovens, de minorias ou não, na sociedade, como nunca houve qualquer esforço de lhes mostrar que eram parte da sociedade. Já nasceram 'urbanos', e nunca souberam o quer era verdadeiramente uma família, conceito aliás 'demodé', desenraízados não tem nem cultura nem ideologia e, face à inacapacidade do 'estado' de lhes dar aquilo que davam por garantido, viram-se agora contra ele, já que se 'eles' não tem os outros também não devem ter.
Manuel, no Grande Loja do Queijo Limiano.

Culto da vítima

As pessoas e grupos que adoptam este culto da vítima e do multiculturalismo permissivo acabam por cair numa incoerência que é sintoma, afinal, de hipocrisia e critério dúplice: os mesmos que se comprazem em discutir "temas fracturantes" na sua sociedade "progressista" não se incomodam com a situação das mulheres em comunidades imigrantes; os mesmos que não deixam escapar sem crítica uma intervenção da Igreja, e que recusam reconhecer o papel do cristianismo no cimento da nossa cultura, encaram com naturalidade manifestações de violência apadrinhadas por um poder religioso reaccionário em extremo. No fundo, desprezam, mesmo que seja inconscientemente, as tais comunidades com outras culturas: o que pensam é que, para selvagens, está bem assim, e se isso servir de ajuda às suas posições políticas de vistas curtas, tanto melhor.
No falta de tempo, via GLQL.

Memória curta ou selectiva?

É falso que nos estejam a apresentar a verdade. É isso uma das coisas que nos distingue do PS e do PSD. A sensação que tenho quando vejo a política do PS em matéria das finanças é que estão a fazer um esforço para alcançar um equilíbrio com medidas extraordinárias para que depois tudo volte ao mesmo.
Parece-me que Lobo Xavier deve andar um bocado esquecido, caso contrário como interpretar os Orçamentos de Estado de 2003, 2004 e 2005 apresentados por governos de coligação PSD/CDS? Não esquecer que aquando da elaboração do OE de 2005, o ministro das finanças era Bagão Félix. Será que a tese de Lobo Xavier é que nesses anos o PSD faltou à verdade perante os portugueses e o CDS-PP fechou os olhos? Ou então, será que nestes anos o PSD teve uma política de finanças pautada pela verdade, mas apenas por influência da pureza do CDS-PP nestas matérias?

Eu até, habitualmente, gosto de ouvir Lobo Xavier. No entanto, é uma pena que esta demagogia barata para consumo interno seja difundida publicamente... é que fica mal quem a profere.

Foram as políticas neo-liberais? (3)

Dans un continent économiquement convalescent, le Chili affiche une très belle santé. "Le Chili continue d'enregistrer d'excellents résultats économiques, sous la houlette avisée des autorités, note l'Organisation de coopération et de développement économiques (OCDE) dans une étude publiée vendredi 4 novembre. Cette saine gestion macroéconomique est maintenant confirmée et reconnue, et le Chili est le seul emprunteur souverain en Amérique latine, en dehors du Mexique, à jouir d'une cote de crédit "qualité investissement". Cet aspect ne doit pas être sous-estimé."

(...)

Selon la mission économique du Trésor français au Chili, "ces bons résultats sont largement imputables aux réformes structurelles libérales mises en place à partir des années 1970 : privatisations, dérégulation, modernisation des marchés de capitaux, indépendance de la banque centrale, réforme de la législation du travail et de la prévoyance sociale". Des réformes qui ont permis une grande ouverture de l'économie sur l'extérieur et une spécialisation de la production dans des secteurs où le pays dispose d'avantages comparatifs (cuivre, produits de la mer, vins, etc.).

(Le Monde)
Obrigado ao lucklucky pela sugestão.