18.6.05

Impostos e aumento de receitas fiscais-Leitura recomendada

One of the apparently invincible fallacies of our times is the belief that President Ronald Reagan’s tax cuts caused the federal budget deficits of the 1980s. In reality, the federal government collected more tax revenue in every year of the Reagan administration than had ever been collected in any year of any previous administration.

Como desconstruir a realidade

Na origem da manifestação esteve o assalto ocorrido a semana passada na
praia de Carcavelos, levada a cabo por cerca de 50 jovens, que terão agredido e roubado vários banhistas.

"50 jovens"? "terão agredido"? O quê? Estava de chuva nesse dia em Carcavelos?

É muuuito bom!

Será desta?

A liberdade segundo a extrema esquerda

Para o fim de semana, um post sobre a "direita" socialista de inspiração "cristã"

Christian Socialism, as it has taken root in the last few decades among countless followers of all Christian churches, is merely a variety of State Socialism. State Socialism and Christian Socialism are so entangled that it is difficult to draw any clear line between them, or to say of individual socialists whether they belong to the one or the other.###

(...)

The protagonists of Christian social reform as a rule do not regard their ideal Society of Christian Socialism as in any way socialistic. But this is simply self-deception. Christian Socialism appears to be conservative because it desires to maintain the existing order of property, or more properly it appears reactionary because it wishes to restore and then maintain an order of property that prevailed in the past. It is also true that it combats with great energy the plans of socialists of other persuasions for a radical abolition of private property, and in contradistinction to them asserts that not Socialism but social reform is its aim. But Conservatism can only be achieved by Socialism. Where private property in the means of production exists not only in name but in fact, income cannot be distributed according to an historically determined or an any other way permanently established order. Where private property exists, only market prices can determine the formation of income. To the degree in which this is realized, the Christian social reformer is step by step driven to Socialism, which for him can be only State Socialism.

(...)

Only a part of the Christian socialist movement has openly subscribed to this radical programme. The others have shunned an open declaration. They have anxiously avoided drawing the logical conclusions of their premises. They give one to understand that they are combating only the excrescences and abuses of the capitalist order; they protest that they have not the slightest desire to abolish private property; and they constantly emphasize their opposition to Marxian Socialism. But they characteristically perceive that this opposition mainly consists in differences of opinion as to the way in which the best state of society can be attained.

-Ludwig von Mises, Socialism (Section III: Particular Forms of Socialism and Pseudo-Socialism)

Momento Rodrigo Moita de Deus

Momento Mirandês

What Europe Really Needs

[EU] has tried to do too much, too quickly and in too much detail. Jean Monnet, architect of the Coal-Steel Pool, the original blueprint for the EU, always said: "Avoid bureaucracy. Guide, do not dictate. Minimal rules." He had been brought up in, and learned to loathe, the Europe of totalitarianism, in which communism, fascism and Nazism competed to impose regulations on every aspect of human existence. He recognized that the totalitarian instinct lies deep in European philosophy and mentality--in Rousseau and Hegel as well as Marx and Nietzsche--and must be fought against with all the strength of liberalism, which he felt was rooted in Anglo-Saxon individualism.

In fact, for an entire generation, the EU has gone in the opposite direction and created a totalitarian monster of its own, spewing out regulations literally by the million and invading every corner of economic and social life. The results have been dire: An immense bureaucracy in Brussels, each department of which is cloned in all the member capitals. A huge budget, masking unprecedented corruption, so that it has never yet been passed by auditors, and which is now a source of venom among taxpayers from the countries which pay more than they receive. Above all, règlementation of national economies on a totalitarian scale.

Descubra o que está errado nesta notícia

Este senhor não é um "second-hander"

Your time is limited, so don't waste it living someone else's life. Don't be trapped by dogma - which is living with the results of other people's thinking. Don't let the noise of other's opinions drown out your own inner voice. And most important, have the courage to follow your heart and intuition. They somehow already know what you truly want to become. Everything else is secondary.

17.6.05

Liberdade de expressão na "net"

Pekín también obliga desde este mes a registrar ante las autoridades toda página 'web' o 'blog', y en marzo cerró los foros de discusiones de algunas prestigiosas universidades, en los que eran frecuentes los comentarios críticos con el Gobierno. ###

El Gobierno chino ha comenzado una campaña de reclutamiento de 4.000 vigilantes que controlarán los contenidos de las páginas 'web' visitadas en los cibercafés, un paso más para aumentar la censura 'on line', según la prensa independiente.
(...)no dejan pasar páginas 'web' sobre el Tíbet y Taiwán hasta falsos foros en Internet en los que internautas pagados por el Gobierno crean discusiones artificiales en las que introducen propaganda estatal.
(...)El mismo diario 'South China Morning Post' denunció esta semana que los usuarios del nuevo portal de Microsoft en China no pueden utilizar palabras como "democracia" o "derechos humanos" en sus diarios en la Red, más conocidos como 'blogs'.

Portugal não se respeita

Parece que Álvaro Cunhal foi uma figura "importante, "central", "ímpar" do século XX português. Muito bem. Estaline não foi uma figura "importante", "central", "ímpar" do século XX? Parece que Álvaro Cunhal foi "determinado" e "coerente". Hitler não foi? Parece que Álvaro Cunhal era "desinteressado", "dedicado" e "espartano". Salazar não era? Parece que Álvaro Cunhal era "inteligente". Hitler e Salazar não eram? Parece que Álvaro Cunhal sofreu a prisão e o exílio. Lenine e Estaline não sofreram? As virtudes pessoais de Álvaro Cunhal não estão em causa, como não estão as de Hitler, de Estaline, de Lenine ou de Salazar. O que está em causa é o uso que ele fez dessas virtudes, nomeadamente o de promover e defender a vida inteira um regime abjecto e assassino. Álvaro Cunhal nunca por um instante estremeceu com os 20 milhões de mortos, que apuradamente custou o comunismo soviético, nem com a escravidão e o genocídio dos povos do império, nem sequer com a miséria indesculpável e visível do "sol da terra". Para ele, o "ideal", a religião leninista e estalinista, justificava tudo.

Dizem também que o "grande resistente" Álvaro Cunhal contribuiu decisivamente para o "25 de Abril" e a democracia portuguesa. Pese embora à tradição romântica da oposição, a resistência comunista, como a outra, em nada contribuiu para o fim da ditadura. A ditadura morreu em parte por si própria e em parte por efeito directo da guerra de África. Em França, a descolonização trouxe De Gaulle; aqui, desgraçadamente, o MFA. Só depois, como é clássico, Álvaro Cunhal aproveitou o vácuo do poder para a "sua" revolução. Com isso, ia provocando uma guerra civil e arrasou a economia (o que ainda hoje nos custa caro). Por causa do PREC, o país perdeu, pelo menos, 15 anos. Nenhum democrata lhe tem de agradecer coisa nenhuma.

Toda a gente sabe, ou devia saber, isto. O extraordinário é que as televisões tratassem a morte de Cunhal como a de um benemérito da pátria. E o impensável é que o sr. Presidente da República, o sr. presidente da Assembleia da República, o sr. primeiro-ministro e dezenas de "notáveis" resolvessem homenagear Cunhal, em nome do Estado democrático, que ele sempre odiou e sempre se esforçou por destruir e perverter. A originalidade indígena, desta vez, passou os limites da decência. Obviamente, Portugal não se respeita.


ADENDA: Leiam este escrito pelo meu amigo Carlos uns dias antes.

Uma lição do passado

Give our manufacturers a break

(...) Since 1997, an endless trickle of new regulations, taxes, inspections and licensing regimes has bulked up the public sector at the expense of the private sector. Some of these, such as health and safety rules, have affected the performance of manufacturing industry particularly harshly. Factory output has declined, more or less, ever since Labour came to power.

But perhaps the most telling statistic of all is that, for every 10 jobs lost in manufacturing, eight have been created in the public sector. Margaret Hodge's suggestion yesterday that unemployed Rover workers should apply for jobs at Tesco is all very well but, if she really had her way, they would be hired as teenage pregnancy co-ordinators, traffic wardens, or as administrators for the National Health Service.

(...) [T]he Asian giants create about a million jobs every year and a factory worker in China earns only about £100 a month, compared with an average monthly salary in this country of about £2,000. And they are not only moving into manufacturing - they are increasingly competing in services, too. We journalists, for instance, might well be concerned that the news agency Reuters is relying more and more on reporters based in Bombay to cover world events.

But what can be said, given the emergence of China and India as competitive threats, is that the Government has done almost nothing to help. And we do not mean it should be handing out grants, promoting national "champions" or pay-bargaining with the unions. The Chancellor was on the right lines when he promised the CBI, soon after the election, "a more humble approach". What is left of Britain's manufacturing industry deserves a break - and what the Government should do is slim itself down and get out of the way.

E agora, o Orçamento

Porque é chato quando eles não votam como nós queremos...

José Sócrates considera (...) que se deve impedir o efeito de contágio na rejeição à Constituição Europeia e por isso os referendos que ainda faltam fazer deviam realizar-se em simultâneo


[Fonte: TSF]

Medidas desesperadas

Unintended consequences

Luis Delgado: um exemplo a seguir

Leitura recomendada

...passámos de um país de brandos costumes a um país de brandos cardumes...

16.6.05

Os genéricos

A maioria dos médicos e dos farmacêuticos viola a lei dos genéricos, ao
receitarem e fornecerem ilegalmente medicamentos por marca comercial...,

E esta pérola:

Médicos e farmacêuticos travam a banalização dos genéricos



Disclaimer: não sou medico nem farmacêutico e não percebo nada de medicamentos. Tenho enxaquecas e insonias de vez em quando. Se algum médico passar por aqui agradeço esclarecimentos.

Não paro de me surpreender (ou nem tanto) com a irresponsabilidade dos meios de comunicação. Descobriram que, de acordo com um estudo do Infarmed, so 3% dos médicos receitam medicamentos genéricos ou pelo “principio activo”. Assim, foram ouvir o que têm a dizer o bastonario da OM e o Coronel Aranda da Silva. Não pararam sequer para pensar: “Porque razão 97% dos médicos receitam marcas?”
Os médicos que conheço ou de quem sou amigo têm uma razão simples que não ocorreu aos brilhantes jornalistas: não acreditam nos genéricos! E porquê? Porque sabem que quando receitam a uma criança Paracetamol 500mg, arriscam-se a que o miudo tome Paracetamol 50mg. O que no caso deste medicamento até pode não ser grave (não sei), mas imaginem o que pode acontecer com antibioticos, com um anestésico (?) ou outro medicamento mais critico.
Claro que, quando um médico perder um doente, porque ao receitar um genérico e a dose do principio activo não for a indicada, sera o mesmo médico crucificado e acusado de negligência. Se se vier a descobrir que o problema esta no medicamento (o que ja aconteceu e não sei porque é que estes assuntos são silenciados) a comunicação social pode sempre dizer: “Não temos responsabilidade nenhuma! Ouvimos todas as partes! Ninguém falou em fraude, erro, negligência, etc nos genéricos! Nos so informamos!” Claro que so informam. O que convém.
Mas sera que passa pela cabeça de alguém que 97% dos médicos não pensam nos doentes, que são vendidos à industria e sei la que monstruosidades mais? Um bocadinho, so um bocadinho de bom-senso e curiosidade não fica mal a ninguém.

P.S. Não foi so o Publico, é unânime em todos os meios de comunicação.

Gajas

Nuno Melo, o arrastão de Carcavelos e a irresponsabilidade da esquerda

Antes de se darem início aos trabalhos na ordem do dia na Assembleia da República, Nuno Melo levantou a questão do "arrastão" ocorrido na praia de Carcavelos, na passada sexta-feira, quando cerca de 500 jovens assaltaram e agrediram várias pessoas que se encontravam no areal, levando à intervenção da PSP e da Polícia Marítima, assim como dos Bombeiros e do Instituto Nacional de Emergência Médica.###

O líder parlamentar do CDS-PP criticou a "desvalorização" do assalto e prometeu apresentar um diploma sobre a idade a partir da qual se pode ser responsabilizado criminalmente, numa proposta de alteração do Código Penal. "A questão da idade para efeitos da imputabilidade será discutida nesta Assembleia da República mais uma vez, por nossa iniciativa", declarou, depois de recordar os nomes de polícias mortos nos últimos anos em serviço, defendendo a censura clara dos criminosos e o apoio à acção das forças policiais.


Adenda: sobre o mesmo tema, recomendo a leitura do post O Parlamento é um circo, no Lóbi do Chá.

Move along people, nothing to see here...

Boa pergunta

Lula - A queda de um anjo (2)

Se a compra de favores pela direita se chama corrupção, como se chama a compra de favores pela esquerda? Mensalão.

(in Impertinências)
Bem visto!

Porque votam as pessoas nos comunistas?

We might theorize that people vote for communists in Italy because people have no experience with the total state. People are merely chasing fantasies or ignorant ideals, or maybe following some intellectual guru. Maybe communists are too young, or maybe too old, to fully understand the implications of their votes. They enjoy the relatively higher freedom of our country, and voting for communism means rebellion. If they knew what communism is really like, they would probably change their minds.

This simplistic view had to be abandoned in Prague. People there know very well what communism is. They experienced the devastating effects of eliminating private property in the means of production. It means canceling all freedoms. They lived for forty years in a nightmare and just woke up.

So, why do more than 20% of all Czechs still believe in it? What is the driving force of votes to Communist Parties both in former Communist countries and in the other ones?
Mais, no Ludwig von Mises Institute. Leitura recomendada!

Coroas de flores para comunistas (2)

Mas já desde Junho que o notável Vasco tentava, com ardor, impedir os progressos da "reacção". Por um lado, detendo e torturando indivíduos avulsos, a título de experimentação da pedagogia estalinista. Note-se que as ordens de prisão, na sua maioria, foram assinadas pelo nosso herói. Por outro lado, atraindo as graças do COPCON, para o que enviaram, sob os auspícios soviéticos, Otelo a Cuba. Em busca da Luz, supõe-se. Nesse "Verão quente", pasme-se, Vasco Gonçalves ainda teve tempo para arrancar da cabecinha o "Documento de Análise da Situação Política Actual", peça de invulgar teor literário e um libelo acusatório do "ataque do capital", pontuado com urros relativos à "vanguarda política" e à "via para o socialismo", que já tardavam. ###

(...)

Quando foi a Almada, a 18 de Agosto, o camarada Vasco já não parecia ter cura: "Dizem-nos que este governo tem poucas possibilidades, tem muito pouca base de apoio, tem uma base de apoio muito restrita. Devo dizer-vos aqui o seguinte: não há nenhuma revolução, numa determinada fase da sua história, que não tenha tido uma base de apoio restrita. Pois é precisamente nesse momento que é preciso um governo forte e com autoridade. (...) Esse poder e autoridade só as forças armadas o podem dar". O delírio é mais do que evidente, e até Otelo julgou o discurso despropositado. No fim do mês, mesmo o tíbio Costa Gomes não tem outro remédio a não ser demiti-lo. Até Novembro, a seita "gonçalvista" ainda se rebolou; a 25, estragaram-lhe o rebolado.

Coroas de flores para comunistas

Do que não se fala, naturalmente em Inglaterra, mas estranhamente em Portugal, é das numerosas referências que Mitrokhin faz ao muito nosso Álvaro Cunhal, bem como aos seus arrabaldes, também conhecidos por PCP.###

(...)

Graças a ele, passamos a ter indícios detalhados de que, nas décadas de 70 e de 80 (em democracia, note-se), o PCP (leia-se o camarada Álvaro) entregou aos agentes do KGB em Lisboa meia tonelada de documentação vária, envolvendo material da PIDE, da NATO e dos Serviços Especiais portugueses. Além disso, era frequente o recrutamento e o envio de elementos do partido rumo à Rússia, visando formação intensiva com os especialistas locais em artes revolucionárias.

(...)

Dantes, semelhante proeza pagava-se com a forca, ou, na falta dela, com cadeia demorada. Hoje, nesta terra, o atestado dos crimes do PCP não suscitou um pio. Onde andam os profissionais da indignação, que tanto se maçam com Jardim, a “hipocrisia” internacional, a ONU e o pobre Clinton? Suspeito que o seu silêncio não se deve à vetusta idade de Cunhal, pois o mesmo argumento não evitou o júbilo pela prisão de Pinochet. E, ainda que assim fosse, não haveria uns camaradinhas mais moços prontos a ocupar Caxias?

Lamentável

Que viu a notícia de última hora no Público Norton de Matos apresentado por uma época no Setúbal e que se convenceu, na sua absoluta ignorância, que era do velho general republicano que se falava. Não percebia o título, mas enfim há muitas notícias de que não se percebe o título. Até pensei que era uma peça de teatro.E depois sai-me um treinador de futebol de uma coisa chamada Vitória de Setúbal...

Confesso que também tenho as minhas dúvidas sobre a bondade da contratação de Norton de Matos. Mas ao contrário de JPP, costumo ler jornais, ver telejornais, tenho até o hábito de desconfiar de títulos e de tentar perceber se a notícia é enviezada pelas preferências do jornalista. Por isso, e ao contrário do comentador da SIC, dei conta que num passado recente a "coisa chamada Vitória de Setúbal" venceu a Taça de Portugal em futebol (sabe, aquele desporto bárbaro onde 22 matulões perseguem uma bola e são perseguidos por três maduros com apitos e bandeirinhas).
O VFC merece um pouco mais de respeito, mesmo de quem não aprecia o jogo da bola.

Dois anos de Aviz

Reservas petrolíferas crescem!

The changing landscape reflects an ambitious quest to develop a new source of oil. Major companies -- faced with tougher prospects for developing big new oil fields around the world -- are doing what was once unthinkable: sinking billions of dollars into projects to wring oil out of deposits of petroleum buried amid sand and clay.

Until a few years ago, such projects -- called "oil sands" or "tar sands" -- sputtered at the fringes of the oil industry. But since technological breakthroughs brought down costs and oil prices have soared, companies have been investing heavily here. Oil-sands production is now profitable when a barrel of oil sells in the low $20s, analysts said -- far below the recent $50 range.
(...)
The oil sands also are enriching the province and creating thousands of high-paying jobs. On the edge of town, a modern museum has interactive exhibits showing how the mining and refining processes work. One exhibit allows visitors to smell samples of the oil sands. "As we call it: Sniff the smell of money," said Bert MacKay, the museum supervisor.

(in Washington Post, via Guest of Time)

O que anteriormente não era contabilizado! O desenvolvimento tecnológico tem destas coisas...

Nova trampolinada?

Plano tecnológico privado

Pouco mais de um ano da morte de António Champalimaud (ocorrida em 9 de Maio de 2004), Leonor Beleza cumpre a vontade do empresário e apresenta a primeira fundação portuguesa integralmente dedicada à investigação médica. Um conselho de notáveis integra a fundação que conta com activos no valor de 500 milhões de euros, um terço da fortuna acumulada por Champalimaud.

(in Correio da Manhã, via Galo Verde)

Em contrapartida, Sócrates tem de roubar o dinheiro para financiar o seu plano tecnológico...

A crise de 2013

O professor Campos e Cunha diz que vai resolver a crise orçamental. E promete-nos isso com a mesma convicção com que, em Abril de 1997, enquanto vice-governador do Banco de Portugal, explicava a um semanário que a consolidação orçamental estava a ir muito bem. O Prof. Campos e Cunha tinha razão em 1997, e terá talvez razão agora. Em 1997, estava sanada a crise de 1992-1993. Em 2009, graças ao expediente de nos pôr, em conjunto, a trabalhar para o Estado um dia em cada dois, estará despachada a de 2003. O que não estava resolvido em 1997 era o que ia ser a crise de 2003, tal como em 2009 não há-de estar resolvido o que há-de ser a crise de 2013. Talvez fosse preferível que o prof. Campos e Cunha, em vez de resolver a crise de 2003, resolvesse a de 2013.

Cunhal, não ao engodo

4 imagens valem 4.000 palavras!

Mal salvaguardados

China will limit the growth of exports of 10 categories of textiles to Europe to between 8 percent and 12.5 percent a year through 2007 under a deal signed last week to end a bitter trade dispute, state media said Thursday.
The media reports were the first in which China has given details of the agreement reached Friday by Commerce Minister Bo Xilai and his EU counterpart, Peter Mandelson. (...)

All limits would end in 2008, according to the agreement.
Chinese textile exports have surged since a worldwide quota system ended on Jan. 1.

Europe's textile industry says Chinese products are threatening some 2.5 million jobs. The EU has blamed China for a drop of up to 50 percent in Portugal's production of T-shirts.

Uma escolha difícil (2)

Constituição europeia

What is seen...

15.6.05

Leituras recomendadas

Prémio "O Populista"

Leitura recomendada

Ainda as subidas nos impostos

…há que continuar a lembrar tratar-se de um imposto sobre a despesa…


O erro é que se esquece do investimento. Há IVA sobre matérias-primas, frotas de viaturas, compra de mercadorias para revenda, rendas, etc. Ou seja, o IVA incide também sobre o investimento. Poder-se-á argumentar que este IVA é dedutível. Algum é de facto, só que o maior problema que se põe hoje às micro e pequenas empresas não é económico nem financeiro: é tesouraria (o que ajuda a explicar os lucros dos bancos). É também indesmentível que, contra o espírito do imposto, em muitos casos o estado recebe o IVA antes deste ser cobrado, o que faz com que qualquer aumento tenha efeitos dramáticos.


Também achamos conveniente refutar invocações frequentes de que ocorrerão perdas de competitividade com as alterações do IVA perante concorrentes internacionais (nossos vizinhos espanhóis). Efectivamente a tributação nacional em IVA, quer os bens e serviços provenham ou não de outros países, é idêntica.

Aqui, o Professor olha para a árvore e esquece a floresta, focando-se apenas no consumo final, quando o que está em causa é mais uma vez, a questão da tesouraria e acumulação de capital. Uma empresa portuguesa e uma espanhola que tenham os mesmos meios financeiros estão com capacidade competitiva diferente. A portuguesa tem que fazer um esforço de curto prazo maior que a espanhola (a diferença no IVA já vai em 5%), implicando maiores encargos financeiros, maiores dificuldades de tesouraria e em consequência (já descontando outros factores como a produtividade) margens mais baixas ou preços mais altos.
É conveniente não esquecer que todos os dias fecham empresas cujo único problema é a dificuldade de cumprir compromissos de curto prazo, incluindo impostos sobre vendas que o estado considera cobradas e estão longe disso.

Trapalhada?

Toponímia

Leio na TSF Online que a CDU e o PS aprovaram os nomes de "Vasco Gonçalves" e Álvaro Cunhal" para ruas da cidade do Porto, para além do de "Eugénio de Andrade" (mas este, penso, ninguém o contestará).

Obviamente estou contra. De Vasco Gonçalves nada resta a não ser o atraso crónico de 15 anos a que nos condenou devido às suas estapafúrdias nacionalizações. De Álvaro Cunhal, pouco mais, não posso juntar-me ao coro de carpideiras que para aí anda, louvando incessantemente o homem, quando me lembro que ele quis implantar uma ditatura ainda mais sórdida do que a anterior. Aliás Emídio Guerreiro, em declarações ao Jornal de Notícias a propósito da propalada coerência de Cunhal, diz o seguinte:
Essa coerência, para mim, é uma catástrofe. O facto de ser coerente com um bandido como era o Estaline não beneficia nada a personalidade do Cunhal. Isso pode ser sinal de fundamentalismo.
Uma lucidez aos 105 anos que muitos jovens de 25 nem sequer vislumbram.

Voltando à vaca fria, eu sei que a toponímia de uma cidade é tudo menos uma coisa coerente, por exemplo, sabem onde fica a "Rua de Fernando Pessoa" no Porto. Se souberem, digam-me lá se o homem não mereceria algo de um poucochinho melhor. Não acho que os nomes das ruas de uma cidade tenham que ter um relação directa com a cidade (embora compreenda a precedência desses sobre outros), mas penso que não se deve dar o nome de ruas a pessoas que até combateram a ditadura autocrática (não se lhe pode chamar fascista pois não tinha essas características) de Salazar/Caetano, mas que nos queriam enfiar pela goela abaixo uma ditadura à moda soviética...

Para nomes ligados a ditaduras já bastam os que por cá temos (por exemplo, a Avenida Marechal Gomes da Costa, embora este tenha sido um pateta alegre que mês e meio depois do 28 de Maio já estava apeado).

Caminhos cruzados

Cuba não ganhou nenhuma batalha heróica ao fuzilar estes três homens, mas perdeu a minha confiança, destruiu a minha esperança e defraudou as minhas ilusões. Agora Cuba segue o seu caminho e eu o meu.
Quem sabe, também Saramago foi influenciado pelo movimento de reaproximação a Fidel, protagonizado pelo governo de Zapatero? Ou será que o reencontro com os líderes de Havana foi obra do D. Quixote venezuelano?

A França capitula?

Os lucros da banca

Concerto de Rui Veloso a 50 cêntimos

A verdadeira crise europeia

Lula - A queda de um anjo

Constituição europeia

Uma escolha difícil

14.6.05

Da memória passada: o comandante traça o rumo

Os trabalhadores, os povos e as nações não podem aceitar que [a] ofensiva global seja irreversível. E, se assim é, importa considerar se há e, havendo, quais são as forças capazes de impedir que o imperialismo alcance o seu supremo objectivo.
A nosso ver, são fundamentalmente:

Primeiro: Os países nos quais os comunistas no poder (China, Cuba, Vietname, Laos, Coreia do Norte) insistem em que o seu objectivo é a construção de uma sociedade socialista.

Apesar de ser por caminhos diferenciados, complexos e sujeitos a extremas dificuldades, é essencial para a humanidade que alcancem com êxito tal objectivo.
Excerto de uma artigo de publicado no Avante!.

Para memória futura

É um grande comandante que desaparece
Declaração emocionada de Jorge Sampaio após as exéquias fúnebres de Álvaro Cunhal.

Lições de Ciência Política (II)

Lições de Ciência Política

Fogos e propriedade - II

Cunhal, não

Recordar o 25 de Abril

Choque de emprego

Sócrates bate Santana ao nomear mais de mil pessoas

O Governo socialista realizou mais de mil nomeações nos primeiros dois meses e meio de mandato, número que ultrapassa as nomeações feitas pelo Executivo de Santana Lopes no período comparável.

Corcunda distancia-se da direita acidental

Sobre Álvaro Cunhal

A propósito da morte de Álvaro Cunhal

Leitura recomendada

Jobs for the boys

13.6.05

O Pros & Pros

"O Partido Comunista é um Partido revolucionario..."- Luis Osorio



Ainda ha quem não tenha percebido que ja ha muito tempo que os comunistas são do mais reaccionario (e nunca foram outra coisa), do mais conservador que é possivel imaginar e nada revolucionarios (como nunca foram). A CGTP todos os dias e Hayek aqui explicam-no melhor que eu .

Aqui ha uma recensão para quem não tenha a paciência necessaria.

O Mal

A ler

"Estamos a crescer muito pouco face ao tipo de compromissos, essencialmente sociais, que assumimos na década de 70", alerta Medina Carreira. Os dados que colige com regra falam por si. As despesas sociais totais em percentagem do PIB, que não ultrapassavam os 4,8% em 1960, estavam já nos 14,4% em 1975. Em 1980 chegavam aos 17,5%, subindo para 18,8% em 1985, 23,6% em 1995 e 25,4% em 2003.

"Esquecem-se de dizer às empresas..."

[A]s colunas de opinião nunca dizem aos empresários aquelas verdades que lhes seriam mais vantajosas. Por exemplo, nunca afirmam que o futuro não está pré-determinado, que não existem fatalidades e que as previsões depressivas enganam-se com muita frequência. O ciclo económico não tem regras, tem caprichos. Nada do que se antecipa está garantido.

Também nunca se ouve dizer que as recessões são normais e saudáveis. Não se trata de desgraças, como uma doença, mas de fases, como o Inverno. O bom empresário não só conta com essas circunstâncias mas até, se mantiver a cabeça fria, poderá usá-las em seu proveito. Estas são, por exemplo, as épocas boas para comprar activos a preços atraentes que alguns, mais aflitos ou deprimidos, alienam abaixo do valor.

Os nossos intelectuais nunca dizem que nos mercados não existem dificuldades, mas oportunidades de negócio. Oportunidades que a empresa aproveita, ou oportunidades que lhe passam ao lado e que outras vão aproveitar, ganhando dinheiro solucionando o problema. O actual chorrilho de notícias e previsões negativas é uma excelente ocasião para quem souber usar dela.

Tudo isto costuma passar ao lado das nossas colunas de opinião. Aliás, os comentadores e intelectuais, a que os empresários gostam de dar tanta atenção, têm habitualmente o maior desprezo pela nossa classe económica, que consideram tonta, boçal ou criminosa. É mesmo surpreendente que os analistas tratem assim os seus clientes e continuem a manter neles tanta credibilidade.

Venezuela

“Iron” Mike Tyson

"I'm not Mother Teresa, but I'm not Charles Manson either." - Mr. Mike Tyson

P.S. Arrumou as luvas dia 11 de Junho de 2005.

Cunhal