19.3.05

Não há coincidências...

Saudades do 11 de Março

Revolução Zapateirista em curso

O feminismo mata

How many people have to die before the country stops humoring feminists? Last week, a defendant in a rape case, Brian Nichols, wrested a gun from a female deputy in an Atlanta courthouse and went on a murderous rampage. Liberals have proffered every possible explanation for this breakdown in security except the giant elephant in the room — who undoubtedly has an eating disorder and would appreciate a little support vis-a-vis her negative body image.

The New York Times said the problem was not enough government spending on courthouse security ("Budgets Can Affect Safety Inside Many Courthouses"). Yes, it was tax-cuts-for-the-rich that somehow enabled a 200-pound former linebacker to take a gun from a 5-foot-tall grandmother.###

(...)

I think I have an idea that would save money and lives: Have large men escort violent criminals. Admittedly, this approach would risk another wave of nausea and vomiting by female professors at Harvard. But there are also advantages to not pretending women are as strong as men, such as fewer dead people. Even a female math professor at Harvard should be able to run the numbers on this one.

(...)

Unable to use intermediate force, like a bop on the nose, female officers quickly go to fatal force. According to Lott's analysis, each 1 percent increase in the number of white female officers in a police force increases the number of shootings of civilians by 2.7 percent.

Adding males to a police force decreases the number of civilians accidentally shot by police. Adding black males decreases civilian shootings by police even more. By contrast, adding white female officers increases accidental shootings. (And for my Handgun Control Inc. readers: Private citizens are much less likely to accidentally shoot someone than are the police, presumably because they do not have to approach the suspect and make an arrest.)

In addition to accidentally shooting people, female law enforcement officers are also more likely to be assaulted than male officers — as the whole country saw in Atlanta last week. Lott says: "Increasing the number of female officers by 1 percentage point appears to increase the number of assaults on police by 15 percent to 19 percent."

In addition to the obvious explanations for why female cops are more likely to be assaulted and to accidentally shoot people — such as that our society encourages girls to play with dolls — there is also the fact that women are smaller and weaker than men.

(...)

There is also the telling fact that feminists demand that strength tests be watered down so that women can pass them. Feminists simultaneously demand that no one suggest women are not as strong as men and then turn around and demand that all the strength tests be changed. It's one thing to waste everyone's time by allowing women to try out for police and fire departments under the same tests given to men. It's quite another to demand that the tests be brawned-down so no one ever has to tell female Harvard professors that women aren't as strong as men.

Acknowledging reality wouldn't be all bad for women. For one thing, they won't have to confront violent felons on methamphetamine. So that's good. Also, while a sane world would not employ 5-foot-tall grandmothers as law enforcement officers, a sane world would also not give full body-cavity searches to 5-foot-tall grandmothers at airports.

Abençoada seja...

Confinar as confissões religiosas a meia dúzia de salmos e missas rezados dentro de portas, retirando-lhes a possibilidade de emitirem opinião sobre as questões relevantes da sociedade, não é assegurar a liberdade religiosa. A laicidade do Estado, de resto, não corre o risco de ser violada pelas atitudes da Igreja: apenas ao Estado obriga, justamente porque apenas o Estado a pode contrariar, ainda que na sequência de pressões externas. E não se confunde, nem implica, a apoliticidade das confissões religiosas.

Nem tudo o que é novo é mau

Leitura recomendada

Insurgente e BdE: a mesma luta

The Infrastructure of Democracy
Strengthening the Open Internet for a Safer World

March 11, 2005

I. The Internet is a foundation of democratic society in the 21st century, because the core values of the Internet and democracy are so closely aligned.

1. The Internet is fundamentally about openness, participation, and freedom of expression for all - increasing the diversity and reach of information and ideas.

2. The Internet allows people to communicate and collaborate across borders and belief systems.

3. The Internet unites families and cultures in diaspora; it connects
people, helping them to form civil societies.

4. The Internet can foster economic development by connecting people to information and markets.

5. The Internet introduces new ideas and views to those who may be isolated and prone to political violence.

6. The Internet is neither above nor below the law. The same legal
principles that apply in the physical world also apply to human activities conducted over the Internet.###


II. Decentralized systems - the power of many - can combat decentralized foes.

1. Terrorist networks are highly decentralized and distributed. A
centralized effort by itself cannot effectively fight terrorism.

2. Terrorism is everyone's issue. The internet connects everyone. A
connected citizenry is the best defense against terrorist propaganda.

3. As we saw in the aftermath of the March 11 bombing, response was spontaneous and rapid because the citizens were able to use the Internet to organize themselves.

4. As we are seeing in the distributed world of weblogs and other kinds of citizen media, truth emerges best in open conversation among people with divergent views.


III. The best response to abuses of openness is more openness.

1. Open, transparent environments are more secure and more stable than closed, opaque ones.

2. While Internet services can be interrupted, the Internet as a global
system is ultimately resilient to attacks, even sophisticated and widely distributed ones.

3. The connectedness of the Internet – people talking with people – counters the divisiveness terrorists are trying to create.

4. The openness of the Internet may be exploited by terrorists, but as with democratic governments, openness minimizes the likelihood of terrorist acts and enables effective responses to terrorism.


IV. Well-meaning regulation of the Internet in established democracies could threaten the development of emerging democracies.

1. Terrorism cannot destroy the internet, but over-zealous legislation in response to terrorism could. Governments should consider mandating changes to core Internet functionality only with extraordinary caution.

2. Some government initiatives that look reasonable in fact violate the basic principles that have made the Internet a success.

3. For example, several interests have called for an end to anonymity. This would be highly unlikely to stop determined terrorists, but it would have a chilling effect on political activity and thereby reduce freedom and transparency. Limiting anonymity would have a cascading series of unintended results that would hurt freedom of expression, especially in countries seeking transition to democratic rule.


V. In conclusion we urge those gathered here in Madrid to:

1. Embrace the open Internet as a foundation of 21st Century democracy, and a critical tool in the fight against terrorism.

2. Recognizing the Internet's value as a critical communications
infrastructure, invest to strengthen it against attacks and recover quickly from damage.

3. Work to spread access more evenly, aggressively addressing the Digital Divide, and to provide Internet access for all.

4. To protect free speech and association, endorse the availability of
anonymous communications for all.

5. Resist attempts at international governance of the Internet: It can
introduce processes that have unintended effects and violate the bottom-up democratic nature of the Net.

O Grande Timoneiro aplaude a liderança do Comandante

Peço desculpa...

O Socialismo na prática

Re: Será o liberalismo um estado de espírito?

Há sempre uma primeira vez...

Publicidade Institucional

O comandante saúda os seus co-bloggers

It's a MacGuffin

18.3.05

This just in...

Hoje este blog acordou...

Read my lips

Exemplos de servidão - III

Exemplos de servidão - II

Conflito de Interesses?

Proposta fracturante

Remédio: os funcionários públicos deixarem de votar em eleições nacionais. Como pode 45% da população (que não paga impostos e sim "vive" deles - não é uma afirmação de estigmatização dos funcionário públicos, apenas uma constatação) votar em interesse próprio, sendos os efeitos suportados pelos restantes?

Sociologismos

Difamação!

Constituição Europeia

Exemplos de servidão - I

X, 101

A touchstone of his worldview was the conviction that the United States cannot reshape other countries in its own image and that, with a few exceptions, its efforts to police the world are neither in its interests nor within the scope of its resources.

"This whole tendency to see ourselves as the center of political enlightenment and as teachers to a great part of the rest of the world strikes me as unthought-through, vainglorious and undesirable" he said in an interview with the New York Review of Books in 1999. "I would like to see our government gradually withdraw from its public advocacy of democracy and human rights. I submit that governments should deal with other governments as such, and should avoid unnecessary involvement, particularly personal involvement, with their leaders."

These ideas were particularly applicable, he said, to U.S. relations with China and Russia.
O pessimismo quanto à natureza humana levou-o a encarar com suspeição os "excessos" de democracia e a defender o desarmamento nuclear: a possibilidade de "erro humano" envolvia custos "proibitivos".

Kennan temia, acima de tudo, que a luta contra o império soviético fosse encarada como um "choque entre civilizações" avant la lettre, que acabaria por colocar em risco os valores constituintes da tradição republicana americana. A luta contra o comunismo não era uma "luta contra o mal", mas uma defesa intransigente dessa tradição política e dos modos de vida prezados pela nação americana. Os bons conselhos não têm idade e a morte de George Kennan mais do que o desaparecimento de "um bom conselheiro" é a morte de um "príncipe do intelecto."

17.3.05

Mel Gibson planeia filme sobre Fátima

Comandante Miguel: foste descoberto

Choque tecnológico?

Liga dos Amigos de Abu Musab al-Zarqawi

A paz e a democracia no Iraque só poderão ser alcançadas com a retirada das forças ocupantes e com a devolução efectiva da soberania ao povo iraquiano. Saudamos e apoiamos a resistência deste povo.
A sua primeira acção é uma "Concentração Contra a Ocupação do Iraque - Pela Paz na Região". São membros da LAAMAZ:
  • AACA - Associação Amigos da Cidade de Almada
  • AIL - Associação dos Inquilinos de Lisboa
  • Almada pela Paz (CPPC)
  • APRODIH - Associação Promoção dos Direitos Humanos
  • Associação Solidariedade com Heuskal Herria
  • Associação Amizade Portugal Cuba
  • Audiência Portuguesa do Tribunal Mundial sobre o Iraque
  • CGTP-IN - Intersindical Nacional
  • Confederação Portuguesa dos Quadros Técnicos e Científicos
  • CPPC - Conselho Português para a Paz e Cooperação
  • ECOLOJOVEM/Os Verdes
  • FAR - Frente Anti-Racista
  • Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública
  • FENPROF - Federação Nacional de Professores
  • FESAHT - Federação dos Sindicatos da Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal
  • InterReformados
  • JCP - Juventude Comunista Portuguesa
  • MDM - Movimento Democrático de Mulheres
  • Movimento da Paz do Seixal (CPPC)
  • MURPI - Movimento Unitário de Reformados, Pensionistas e Idosos
  • Olho Vivo
  • Opus Gay
  • Partido Ecologista Os Verdes
  • PCP - Pastido Comunista Português
  • SAI - Solidariedade Anti-Imperialista
  • SPGL - Sindicato dos Professores da Grande Lisboa
  • SPN - Sindicato dos Professores do Norte
  • SPRC - Sindicato dos Professores da Região Centro
  • SPZS - Sindicato dos Professores da Zona Sul
  • Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal
  • SINQUIFA - Sindicato dos Químicos
  • Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Celulose, Papel, Gráfica e Imprensa
  • STAL - Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local
  • Sindicato dos Trabalhadores da Função Pública
  • STEFFAS - Sindicato dos Trabalhadores das Forças Armadas
  • USL - União dos Sindicatos de Lisboa
  • Voz do Operário

A herança Champalimaud

Força, Fátima!

Alguém reforme o homem...

PP espanhol indignado com encontro de Soares com Batasuna

O Partido Popular Europeu está indignado com um encontro entre Mário Soares e membros do Batasuna, o braço político da ETA. O partido considera que o ex-Presidente da República português não deu uma imagem muito positiva.

Em entrevista à rádio Renascença, o secretário-geral do PPE, António Lopez, considerou a reunião com os dois membros do Batasuna, recentemente ilegalizado pelas autoridades judiciais espanholas, um acto indigno de um ex-Presidente da República.
«Não é uma imagem muito positiva que um ex-Presidente se reúna com estes representantes de grupos terroristas e espero e desejo que no futuro se efectue uma reunião em reconhecimento das vítimas do terrorismo», afirmou.

António Lopez, deputado do PPE e seu secretário-geral, espera que a contestação ao encontro de Soares com os membros do Batasuna, que se encontram de visita a Lisboa durante cinco dias, leve o antigo Presidente a uma profunda reflexão.

Em defesa do "Velho do Restelo"

Lá vos digo que ha fadigas,
Tantas mortes, tantas brigas,
E p'rigos descompassados,
Que assi vimos destroçados.
Pelados como formigas."
A mitologia oficial dos heróis dos Descobrimentos é logo aqui posta a nu.

Também Sá de Miranda (1481-1558), exprimiu semelhantes dúvidas sobre as vantagens de manter as possessões no Oriente, na famosa Carta a "António Pereira, senhor do Basto, quando se partiu para a Côrte co a casa tôda"(Edição Sá da Costa):
Não me temo de Castela,
donde inda guerra não soa;
mas temo-me de Lisboa,
que, ao cheiro desta canela,
o Reino nos despovoa.
Sá de Miranda, humanista, homem conhecedor da Europa e do que se passava no seu tempo, sentia o Oriente como causa de decadência do Reino.

Quando Camões escreveu os seus Lusíadas, havia já uma grande contestação ao modo como D. João III tinha dado prioridade à Índia, em comparação com o abandono de algumas das possessões africanas. lembremo-nos que, em parte, as posições do Velho do Restelo seriam as posições do próprio Camões, pois este insta D. Sebastião, no início e no fim dos Lusíadas, a fazer guerra em África contra os mouros (um resquício ainda do espírito de Cruzada e dos ideais de Cavalaria), aliás também partilhados, por exemplo, por Gil Vicente, no final do Auto da Barca do Inferno (os Cavaleiros mortos em África que vão directos para a Barca da Glória).

Em conclusão, o Velho do Restelo não representa uma opinião reaccionária, contra o progresso, mas apenas, uma opinião, bastante ancorada na sociedade portuguesa quinhentista, que duvidava, por diversos motivos, das vantagens da aventura oriental, das conquistas no Índico, chegando-lhe a atribuir as causas da decadência de Portugal. No eloquente discurso (cheio de processos retóricos que remontam a Homero) do Velho do Restelo, misturam-se as ideias de um Humanismo antibelicista, abrindo excepção a este antibelicismo à guerra com os Mouros.

Por isso não chamem Velho do Restelo àqueles que se opõe ao progresso ou que são, pura e simplesmente, refractários ao progresso, pois do que se trata aqui é de uma diferente avaliação do deve-haver da aventura imperial na Índia.

Post-scriptum. Esta entrada foi sugerida pela contínua audição, em diferentes circunstâncias, da expressão "Velho do Restelo" no sentido que eu contesto aqui.

Post-scriptum 2. O que eu digo aqui nem sequer prima pela originalidade, pois os programas do 10º ano (não estou a falar do actual), já pediam aos alunos para relacionar o Episódio do Velho do Restelo com o Auto da Índia. Todavia, o problema é que a expressão cristalizou o seu sentido.

Cisma neoconservador?

Neoconservatives both in and outside the administration argue that all is needed to make American foreign policy more effective is to change the tone of American statements and to engage in better public relations. This is fantasy. What is required is not just a change in salesmanship, but rather how U.S. policy is conducted.
De acordo com o New York Times, tanto Fukuyama, como Huntington abandoram a revista. O que se segue é uma incógnita.

Resolvam lá isso!

Desburocratização comunitária

Leitura Recomendada

Já começam...

A servidão fiscal

Monetarismo.

16.3.05

Por estranho que possa parecer...

Vasta conspiração burkeana

A estratégia chinesa

Constituição europeia: PE aprova uso de fundos comunitários na campanha do "Sim"

No one believes that this funding is going to be used to explain the detail of the European Constitution in an objective way, I fear that it will be a propaganda exercise advocating only the pro-Constitution view.


Concordo em absoluto...

A reacção

If memory serves me well...

Hayek tinha razão...

Soares, o Fascinante

Subsídios agricolas

While U.S. and E.U. trade negotiators are some of the most strident defenders of free trade rhetorically, they continue to shamelessly abet a system that makes a mockery of competition. A farmer in the U.S. or the E.U. wins the global price challenge not because he is a better entrepreneur than his African equivalent, for instance, but because he has in his corner a taxpayer subsidy. The cotton farmer in Mali has no chance of competing with his counterpart from Tennessee on an equal footing.

The prognosis gets grimmer when the rich countries do not limit themselves to offering on-farm subsidies, but stretch their role in the supply chain to the export stage. In the latest case, the clincher was that the U.S. has included export credits, as part of the $3 billion support it gives to its 30,000 cotton farmers a year - as if an average of $100,000 each was not enough.


(...)

Past attempts to have rich countries reduce their payments have resulted in mere tokenism, as they look for ways to disguise the same. And this despite an August 2004, "breakthrough" that was to see these countries immediately cut their payments by 20%.

The E.U. recently changed its notorious Common Agricultural Policy (CAP), replacing its quantity-driven payout system for a flat rate. But it is a case of too little too late, as the rotten corrupt edifice remains intact. Clearly, if the U.S. and E.U. really want free trade, they should be ready to end agricultural subsidies or the deadlock will persist after the 2005 deadline. If you want to make poverty history, make trade free.

Leitura Recomendada

Têxteis chineses: liberalização incompleta

15.3.05

É uma questão de arquivos

Os idos de Março


Passados então esses duzentos e quarenta anos de realeza (ou um pouco mais, com os interregnos), de depois da expulsão de Tarquínio, foi tal o ódio que o povo romano tomou ao título de rei, quanto a saudade que sentira depois da morte, ou melhor, da partida de Rómulo. De tal modo que, tal como então não poderia estar privado de um rei, após a expulsão de Tarquínio, não podia ouvir o nome de rei.
A República II.30.52 (trad. de Maria Helena da Rocha Pereira)

De facto, para os partidários das república a ideia de um só homem governar, à sua discrição, a cidade de Roma era absolutamente repugnável. Mas César, cabeça de fila dos popolares, no fim da guerra civil, no fim da guerra civil que o opôs ao Senado, cujo exército tinha como general Pompeu, tinha acumulado tanto poder que faziam dele o chefe incontestado de Roma, com um poder até aí pouco visto (apesar de, entre 82-79 a.C., Sula ter exercido o poder de um modo monárquico), mas mantendo a fachada republicana do Estado. Mas depois das convulsões da década anterior e da guerra civil acabada pouco antes, fez com que alguns republicanos, chefiados por Bruto e Cássio, decidissem avançar. Assim chegamos aos idos de Março.

A história já a sabemos. Na sequência da guerra, o exército senatorial é derrotado e os seus principais chefes mortos. Do triunvirato formado (Octávio, Marco António, Lépido), depois do afastamento de Lépido, Octávio e António disputam o Império e, com a vitória de Octávio, morre definitivamente a República. Começa o principado, embora mantendo a ficção do estado republicano.

Bem podiam os republicanos pensar que o povo romano nunca mais aceitaria um rei, mas, nem uma geração depois, Roma tinha, mesmo que não usasse o nome, um governante quase absoluto. O curso da História nem sempre é linear.

Talvez por isso, tivessem razão os Antigos que tinham uma concepção circular do tempo, muito bem expresso pelo Eclesiastes (ou Qohélet):

Aquilo que foi é aquilo que será;
aquilo que foi feito, há-de voltar a fazer-se:
E nada há de novo debaixo do Sol!
Se de alguma coisa alguém diz:
«Eis aí algo de novo!»,
ela já existia nas eras que nos precederam.
Eclesiastes, 1, 9-10 (Nova Bíblia dos Capuchinhos)

Por isso, na Antiguidade o tempo era marcado pela ascensão e quedas dos impérios, havendo sempre a ideia de um eterno retorno. O cristianismo, ou num sentido mais largo, a herança judaico-cristã, vem instaurar uma linearidade na concepção do tempo, com a espera da vinda do Messias. Com a entrada da Idade Moderna, a concepção de tempo ganha, definitivamente, no Ocidente, as características de linearidade e progresso, entre outras, mesmo se secularizando a História da Salvação judeo-cristã.

Esta concepção linear talvez nos impeça há vezes de ver que as regressões no, digamos assim, progresso, da humanidade, são possíveis.

Deste modo, talvez seja útil olhar para História, para compreendermos mais facilmente de que não devemos dar por adquiridas as liberdades e democracia que temos actualmente. Ao contrário de que pensavam tanto os positivistas como marxistas, a história da Humanidade não é um marcha inexorável em relação ao progresso. A História ainda nos pode pregar muitas partidas.

O fim das dúvidas

Escândalo!

O direito à escolha

In the early 20th century critics attacked product variety as being wasteful--a sign that markets were less efficient than central planning. Hence, the Chinese wore Mao suits, Americans got uniformly round automobile headlights and British authorities "rationalized" furniture designs.

###(...)

A free economy multiplies variety, the better to serve buyers with different tastes and different needs and to give people the chance to experience different goods at different times. Arguing that this plenitude is inefficient went out decades ago. The problem with markets, the detractors now say, is that all these choices make us unhappy.

"As the number of choices grows further, the negatives escalate until we become overloaded," writes psychologist Barry Schwartz in The Paradox of Choice, published last year. "At this point, choice no longer liberates, but debilitates. It might even be said to tyrannize." Schwartz misses the good old days when he didn't expect his jeans to fit perfectly and it took only five minutes to buy a new pair.

The book is a lucid overview of the psychological literature, and within its pages Schwartz, a professor at Swarthmore, sticks to personal advice. He urges readers not to fixate on finding the very best alternative but rather to set standards and accept the first choice that meets those criteria. The book makes no public policy recommendations. Since its publication, however, Schwartz has used his authority to opine against private Social Security accounts and for returning to steeply progressive income taxes, with a top rate of 90%. Neither policy is supported by the research he cites--or even by the idea that we'd be happier with fewer choices.


(...)

The fundamental problem with Schwartz's critique, however, isn't the author's leftist preferences. It's the difference between understanding the human mind and understanding market institutions. Psychology experiments often screen out the adjustments real people use to cope with choices, from brand loyalty to expert guidance. Markets, by contrast, produce not only more choice but also more ways to choose effectively.

If having too many choices is overwhelming, that suggests a new round of entrepreneurial opportunities. Offer customers abundant choices, but also help them search. Amazon does that with its many recommendation services. So does TiVo. So do Home Depot's Expo Design Centers, which offer interior design services along with hundreds of faucets and floor coverings.

"Mediated shopping"--experts and tools that narrow down the possibilities to a manageable number of likely candidates--looks like the wave of the future. It wouldn't be the first time businesses used social criticism as market research. Where do you think Starbucks got its strategy?

Leitura Recomendada

Hoje, nos fora da TSF o assunto foi a comercialização de medicamentos de venda livre noutros estabelecimentos que não as farmácias.

(...)

Lá pelo meio, uma senhora farmacêutica informava-nos de que, por exemplo, tomar uma aspirina pode ser perigoso para quem tem problemas no estômago, ou que o vulgar paracetamol é muito usado para cometer suicídio, pelo que permitir a venda destes perigosos fármacos nas prateleiras de um supermercado constituiria um criminoso atentado à saúde pública.

Realmente é verdade. Todos nós sabemos que não se consegue sair de uma farmácia com uma caixa de Aspirina sem antes ter respondido a um rigoroso inquérito sobre a condição do nosso estômago, apoiados no relatório da última endoscopia, ou com uma caixa de 32 comprimidos Dafalgan 1g (32 gramas de paracetamol) sem passar primeiro por uma consultazinha no gabinete de apoio psicológico lá da farmácia, não vá dar-se o caso de querermos entregar a alma ao Criador mais cedo do que estava combinado e termos um certo receio de que o sabor do 605 Forte não nos agrade por aí além...

Bons sinais

O (último) benefício da dúvida

Route map to reform: deregulation

In this report, we tackle the growing and serious problem of regulation. Both individuals and businesses feel that regulation has become both too burdensome and too complicated, and politicians are starting to agree; but in office, they find it extremely difficult to simplify or lighten the burden. We have identified practical measures by which they can; and thereby, can unleash growth and enterprise in the economy.

(...)

For many reasons, governments find it easier to add new regulations than to eliminate the unnecessary ones. Hence the accumulated pile of regulation grows and grows. Meanwhile, lawyers and civil servants demand that regulatory rules should be clear and precise, so the complexity of regulation grows too. Now, however, there is an increasing realisation that regulation has become too burdensome.

Analytical Philosophy

It is very difficult to arrive at any consensus concerning the nature of analytical philosophy. For me it involves using words carefully and testing arguments for their validity rather than for the political correctness of their conclusions. It also requires, as I see it, an undeceived openness to experience and a desire to describe the human world as it is. I cannot help concluding, therefore, that a rigorous analytical philosopher would tend to be a conservative. I find it hard to believe that such a philosopher would be taken in by the charlatanry of Derrida, or by the mendacious historiography of Foucault; I cannot believe that he would have any time for the kind of agenda-dominated scholarship that has colonised Modern Language Review and similar publications in America. ###

But it seems that my view of things is also coloured by wishful thinking. I discover in an impeccably dull work on analytical ethics by Sabina Lovibond, continual references to Derrida as an authority; I read the early work of Richard Rorty with interest and agreement, only to discover that, as a result of a conversion experience whose nature I can only guess at, he has put his weight behind the ‘us against them’ philosophy of the academy, seeing truth as a social construct, and argument as a game of power.

And then there is Peter Singer – a thinker who conforms to a kind of caricature portrait of the analytical philosopher, rigorously applying to every moral question a form of argument that is refuted by the conclusions he derives from it, but to which he remains as immovably attached as a logician to modus ponens.

14.3.05

Audiência Portuguesa do Tribunal Mundial sobre o Iraque

A minha prioridade nacional

O atraso económico europeu

(...) European and American economic policies have been producing consistently divergent results for more than two decades.

Over the time span of this study, the U.S. and the mature European economies should have had roughly the same capabilities to generate growth, jobs and rising living standards. It’s important to remember that these kinds of differential growth rates didn’t happen because of any one event, or any one policy decision. The effects of individual policies, over short periods of time, are sometimes difficult to determine. What the data highlight are cumulative effects of what are at least two different policy orientations. That’s probably stating the obvious, but if the EU wants to close the gap, an honest analysis of differences in economic policies between the EU and U.S. might suggest what’s behind the observed differences in outcomes.

Leitura recomendada

Re: DA POUCA FIABILIDADE DAS PREVISÕES TECNOLÓGICAS

A prioridade nacional da semana

João César das Neves: "O sexo dos anjos e dos outros"

"É comum ouvir dizer que a Igreja tem nos temas do sexo uma posição doentia e extremista. Mas o ataque vem na época que, precisamente nesta área, apresenta a atitude mais desequilibrada e anormal de sempre...Os resultados estão à vista desordem emocional e social, queda da população, proliferação da solidão, depressão, divórcio, deboche, multiplicação de abusos e perversões. Dificilmente se podem pedir provas mais evidentes do falhanço.

Para esconder a evidência surge uma absoluta ditadura dogmática. Vê-se um esforço enorme para "ao mal chamar bem, e ao bem, mal" (Is 5, 20). Quem se atrever a defender em público o casamento, fidelidade, castidade, família e natalidade é considerado cómico e aberrante. Pior ainda, quem se arriscar a discordar (obviamente com diferente gravidade) do aborto, eutanásia, promiscuidade, pornografia e homossexualidade é réprobo e maldito. Sobre a homossexualidade (a favor) e a virgindade (contra) só existe uma posição possível, e quem a contrarie é ridicularizado, insultado, levado a tribunal."

Crime e Economia

Além do poder?

Bangladesh: liberalização e crescimento económico

Bangladesh has experienced a boom in foreign investment in the country over the last two years. The country expects $1 billion in foreign direct investment (FDI) in 2006 with another $2 billion likely to flow in the following two years. Bangladesh is harnessing foreign capital and the private sector to build a much needed infrastructure.

(...)

A country of 140 million people, Bangladesh is a free-market economy that has experienced a more than 5% growth rate in recent years. FDI accounts for 60% of the investment in the country's service sector, Rahman said. Weak infrastructure is a roadblock for foreign investment, so the government plans to tackle the problem by allowing foreign investors to develop infrastructure on a 'build-own-transfer' basis.


(...)

Despite the risk of natural disasters like floods, and political feuding between the country's two major political parties, the investment situation of Bangladesh remains attractive to foreign investors. Bangladesh with its liberal economic environment is booming. Could this be a lesson for Africa? To bring in foreign capital to build the infrastructure and run it in the private sector, offer the opportunity for a profit, for a fixed term. At the end of that term ownership could be transferred to a privatisation agency. It would then be ready to be privatised at a discount in a Thatcher-style popular privatisation subscribed to by the public - giving citizens a real ownership stake in the economy.

Affaire Timóteo

Diminuir as expectativas pt II

O sentido da irresponsabilidade

Segurança Social

Caro Timóteo,

  • Manda-se passear o Timóteo;
  • Pacientemente, procura-se de forma mais didáctica apresentar as nossas objecções à ‘lógica’ do Timóteo;
  • Procura-se um método que seja imune à falta de abertura ao diálogo do Timóteo.
Eu sigo estes três caminhos:

  • Apresento neste blog uma nova tentativa de explicar os erros do Timóteo.

  • Apresento no post que está imediatamente por baixo deste provas de que: a Igreja não defende nem quer defender um único sistema económico-social; a Igreja aceita pelo menos uma forma do modelo económico-social que o Timóteo rejeita; vários aspectos do modelo económico-social defendido pelo Timóteo são condenados e criticados pela Igreja.

    Repare-se que todas estas conclusões contrariam directamente as conclusões da ‘lógica’ do Timóteo. Se as conclusões estão erradas, a ‘lógica’ não pode estar certa,

  • Caso o Timóteo se mantenha na sua posição irredutível, e tendo sacrificado pelo Timóteo várias horas desta madrugada para escrever estes posts, posso, muito cristãmente, mandar passear o Timóteo.
Os principais erros do Timóteo são os seguintes:

  1. O Timóteo utiliza o cristianismo para justificar as suas preferências políticas. Esta técnica foi já utilizada várias vezes durante a história. Nalguns casos, nomeadamente ocorridos durante os anos 40, esta prática foi condenada pela Igreja. O que o Timóteo deveria fazer era verificar quais das suas preferências políticas são compatíveis com o ensinamentos da Igreja e quais não são.
  2. Ao tentar utilizar a doutrina para justificar o seu sistema favorito, o comete o seu 2º grande erro: o Timóteo não pensa com a Igreja. Muito protestantemente, o Timóteo examina livremente as escrituras e chega a conclusões contrárias àquelas da Igreja:
    • Ao contrário do que o Timóteo diz, não existe um sistema económico-social cristão, ou uma área política cristã;
    • O sistema defendido pelas pessoas a quem o Timóteo por várias vezes no seu blog chama ‘inimigos’, é compatível com a doutrina nos termos descritos no post seguinte;
    • Vários aspectos do sistema defendido pelo Timóteo são incompatíveis com a doutrina;
    • A defesa exclusiva da intervenção estatal viola a doutrina e não leva em conta os resultados da experiência de décadas. Esta defesa aproxima-se da estatolatria. Da mesma forma, o facto de você desprezar a caridade privada e o papel da sociedade civil, quando a Igreja propõe activamente uma e exalta a outra, também não favorece a defesa da sua tese.;
    • A solidariedade não diz respeito apenas aos bens materiais, mas sobretudo aos bens espirituais. Nestes aspecto a sua abordagem é muito materialista;
    • Etc...

  3. O 3º grande erro é pensar que um partido ou uma área política se caracterizam apenas pela defesa de um determinado sistema económico-social. Ao fazê-lo, o Timóteo constrói uma esquerda que não existe ou que, a existir, será constituída apenas pelo Timóteo. A recusa de considerar as “causas fracturantes” como fazendo parte do projecto da esquerda, que o Timóteo fundamenta com recurso a argumentos com graça mas historicamente falsos, obriga o Timóteo a excluir da esquerda todos os partidos da esquerda.


Mas não quero aqui repetir o que está escrito noutros lados. Leia o que está neste blog e no post seguinte.

Boa sorte e até sempre,
João Noronha

A IGREJA e os SISTEMAS ECONÓMICO-SOCIAIS

  • a Igreja rejeitou as ideologias totalitárias e ateias, associadas, nos tempos modernos ao «comunismo» e ao «socialismo» (Catecismo nº2425).
  • Considerou o socialismo, mesmo depois de abandonada a luta de classes e oposição à propriedade privada, incompatível com o Catolicismo (“Whether considered as a doctrine, or an historical fact, or a movement, Socialism, if it remains truly Socialism, even after it has yielded to truth and justice on the points which we have mentioned, cannot be reconciled with the teachings of the Catholic Church because its concept of society itself is utterly foreign to Christian truth.” – Quadragesimo Anno nº117)
  • Condenou o ‘o socialismo cristão’: “Religious socialism, Christian socialism, are contradictory terms; no one can be at the same time a good Catholic and a true socialist.” (Quadragesimo Anno, nº120)
  • Criticou o ‘neoliberalismo’ da américa latina porque, “apoiado numa concepção economicista do homem, considera o lucro e as leis de mercado como parâmetros absolutos a prejuízo da dignidade e do respeito da pessoa e do povo. Por vezes, este sistema transformou-se numa justificação ideológica de algumas atitudes e modos de agir no campo social e político que provocam a marginalização dos mais fracos.” (Ecclesia in America, nº56).


Tendo em conta que para realizar ou garantir uma “economia que esteja ao serviço da pessoa e do bem comum”, são moralmente possíveis diversas estratégias, convirá verificar até que ponto ou em que medida o capitalismo é um sistema económico-social compatível com a doutrina social da Igreja

Pretende-se de seguida identificar o juízo da Doutrina Social da Igreja sobre o Capitalismo actual.

O PAPA e o CAPITALISMO ACTUAL

No Catecismo, logo a seguir à total rejeição do «comunismo» e do «socialismo», pode ler-se que a Igreja “recusou, na prática do «capitalismo», o individualismo e o primado absoluto da lei do mercado sobre o trabalho humano. Regular a economia...só pela lei do mercado é faltar à justiça social, «porque há numerosas necessidades humanas que não podem ser satisfeitas pelo mercado»” (Catecismo nº2425).

Portanto, ao contrário do «comunismo» e do «socialismo» que são rejeitados, o «capitalismo» é parcialmente rejeitado. Ou antes, é rejeitado uma certa forma de «capitalismo»como resulta da leitura da Encíclica Centesimmus Annus.

Na Encíclica Centesimmus Annus (nº42), o Papa distingue dois tipos de capitalismo:
“... pode-se porventura dizer que, após a falência do comunismo, o sistema social vencedor é o capitalismo e que para ele se devem encaminhar os esforços dos Países que procuram reconstruir as suas economias e a sua sociedade? É, porventura, este o modelo que se deve propor aos Países do Terceiro Mundo, que procuram a estrada do verdadeiro progresso económico e civil?

...Se por «capitalismo» se indica um sistema económico que reconhece o papel fundamental e positivo da empresa, do mercado, da propriedade privada e da consequente responsabilidade pelos meios de produção, da livre criatividade humana no sector da economia, a resposta é certamente positiva, embora talvez fosse mais apropriado falar de «economia de empresa», ou de «economia de mercado», ou simplesmente de «economia livre».

Mas se por «capitalismo» se entende um sistema onde a liberdade no sector da economia não está enquadrada num sólido contexto jurídico que a coloque ao serviço da liberdade humana integral e a considere como uma particular dimensão desta liberdade, cujo centro seja ético e religioso, então a resposta é sem dúvida negativa.

Tantas multidões vivem ainda agora em condições de grande miséria material e moral. A queda do sistema comunista, em tantos países, elimina certamente um obstáculo para enfrentar de modo adequado e realístico estes problemas, mas não basta para resolvê-los. Existe até o risco de se difundir uma ideologia radical de tipo capitalista, que se recusa mesmo a tomá-los em conta, considerando a priori condenada ao fracasso toda a tentativa de os encarar e confia fideisticamente a sua solução ao livre desenvolvimento das forças de mercado.”
Alguns autores referem-se estes dois modelos distinguindo entre ‘economia de mercado’ e ‘sociedade de mercado’.

Em conclusão: (1) o Papa gosta do Capitalismo inserido num estado de direito democrático e envolvido por uma determinada ‘ecossistema’ moral; (2) o Papa não gosta do libertarianismo anarco-capitalismo. Portanto, é perfeitamente compatível com a doutrina a defesa do capitalismo nos termos acima referidos.

Caros Insurgentes, podemos ser Católicos e defensores do Capitalismo. O Capitalismo não será o único sistema compatível com a doutrina social da Igreja – é possível fazer uma leitura ‘social-democrata’ da Encícilia Centesimmus Annus, p.ex. -, mas não foi ‘excomungado’.

A INTERVENÇÃO DO ESTADO NUMA ‘ECONOMIA DE MERCADO’

Será possível identificar na doutrina social da Igreja linhas de orientação quanto ao grau e ao tipo de intervenção do Estado numa ‘economia de mercado’? No contexto de uma economia de mercado, existem formas de intervenção que são incompatíveis com a doutrina ?

Desde logo, o Catecismo alerta para os perigos da excessiva socialização:
”...a socialização também oferece perigos. Uma intervenção exagerada do Estado pode constituir uma ameaça à liberdade e às iniciativas pessoais (Catecismo nº1884)

E para fazer face a estes perigos, a doutrina da Igreja elaborou o princípio dito da subsidiariedade. Este princípio é um dos dois pilares da doutrina social da Igreja, sendo que o outro é o princípio da solidariedade. Segundo o princípio da subsidiariedade:

”... uma sociedade de ordem inferior não deve interferir na vida interna duma sociedade de nível inferior, privando-a das suas competências, mas deve antes apoiá-la, em caso de necessidade, e ajudá-la a coordenar a sua acção com a dos demais componentes sociais com vista ao bem comum” (Catecismo nº1884). “Segundo o princípio da subsidiariedade, nem o estado nem qualquer sociedade mais abrangente devem substituir-se à iniciativa e à responsabilidade das pessoas e dos corpos intermédios” (Catecismo nº1894). “O princípio da subsidiariedade opõe-se a todas as formas de colectivismo e marca os limites da intervenção do Estado. Visa harmonizar as relações entre os indivíduos e as sociedades...” (Catecismo nº1885)

Por outro lado, o Papa identifica 5 funções diferentes para o Estado numa economia de mercado:

  1. Como resulta da anterior citação sobre o Capitalismo, uma das principais funções que o Estado deve desempenhar na economia é a criação e/ou manutenção de um enquadramento institucional, jurídico e político que garanta a liberdade individual e a propriedade, além de uma moeda estável e serviços públicos eficientes (Centesimmus Annus nº48).

    Para quem não seja anarquista, esta função não será excessivamente polémica.
  2. ”Uma outra função, é a de vigiar e orientar o exercício dos direitos humanos, no sector económico”. Mas neste campo, o Papa alerta para o facto de que a “primeira responsabilidade não é do Estado, mas dos indivíduos e dos diversos grupos e associações em que se articula a sociedade. O Estado não poderia assegurar directamente o direito de todos os cidadãos ao trabalho, sem uma excessiva estruturação da vida económica e restrição da livre iniciativa dos indivíduos. Contudo isto não significa que ele não tenha qualquer competência neste âmbito, como afirmaram aqueles que defendiam uma ausência completa de regras na esfera económica. Pelo contrário, o Estado tem o dever de secundar a actividade das empresas, criando as condições que garantam ocasiões de trabalho, estimulando-a onde for insuficiente e apoiando-a nos momentos de crise.” (Centesimmus Annus nº48)).

    A formulação desta função do Estado exclui aqueles que consideram que o Estado é responsável por arranjar emprego para todos, e todos aqueles que acham que o mercado de trabalho deve ser completamente desregulamentado e que a intervenção do Estado na economia em momentos de crise não deve existir. Dentro destes limites, existe espaço para um conjunto de políticas variadas - mais liberais ou mais intervencionistas -, mas, há partida, todas seriam compatíveis com a doutrina.

  3. ”O Estado tem também o direito de intervir quando situações particulares de monopólio criem atrasos ou obstáculos ao desenvolvimento” (Centesimmus Annus nº48)) .

    Uma ‘política de regulação e concorrência’ não é incompatível com a doutrina. Mas a Encíclica fala de ‘direito’ e não de obrigação, pelo que existem outras formas de actuação que, aparentemente, seriam igualmente compatíveis com a doutrina.

  4. O Papa refere igualmente que o Estado “pode desempenhar” o que designa por funções de suplência: intervenções “em situações excepcionais, quando sectores sociais ou sistemas de empresas, demasiado débeis ou em vias de formação, se mostram inadequados à sua missão. Estas intervenções de suplência, justificadas por urgentes razões que se prendem com o bem comum, devem ser, quanto possível, limitadas no tempo, para não retirar permanentemente aos mencionados sectores e sistemas de empresas as competências que lhes são próprias e para não ampliar excessivamente o âmbito da intervenção estatal, tornando-se prejudicial tanto à liberdade económica como à civil” (Centesimmus Annus nº48)) .

    De novo, a possibilidade de desempenhar este tipo de funções não é incompatível com a doutrina, embora, aparentemente, não sejam obrigatórias (“pode desempenhar”). O desempenho deste tipo de funções justificadas por “razões urgentes” é rodeado por um conjunto de restrições associados à garantia da liberdade.

  5. Um outro conjunto de funções do Estado são as ‘funções sociais’. Dedica-se a próxima secção a este tipo de políticas.


A CRÍTICA do ‘WELFARE STATE’ e o ELOGIO DA SOCIEDADE CIVIL

Ao referir-se às funções sociais, o Papa critica de imediato o ‘Welfare State’:
”Assistiu-se, nos últimos anos, a um vasto alargamento dessa esfera de intervenção, o que levou a constituir, de algum modo, um novo tipo de estado, o «Estado do bem-estar». Esta alteração deu-se em alguns Países, para responder de modo mais adequado a muitas necessidades e carências, dando remédio a formas de pobreza e privação indignas da pessoa humana. Não faltaram, porém, excessos e abusos que provocaram, especialmente nos anos mais recentes, fortes críticas ao Estado do bem-estar, qualificado como «Estado assistencial». As anomalias e defeitos, no Estado assistencial, derivam de uma inadequada compreensão das suas próprias tarefas. Também neste âmbito, se deve respeitar o princípio de subsidiariedade: uma sociedade de ordem superior não deve interferir na vida interna de uma sociedade de ordem inferior, privando-a das suas competências, mas deve antes apoiá-la em caso de necessidade e ajudá-la a coordenar a sua acção com a das outras componentes sociais, tendo em vista o bem comum.

Ao intervir directamente, irresponsabilizando a sociedade, o Estado assistencial provoca a perda de energias humanas e o aumento exagerado do sector estatal, dominando mais por lógicas burocráticas do que pela preocupação de servir os usuários com um acréscimo enorme das despesas. De facto, parece conhecer melhor a necessidade e ser mais capaz de satisfazê-la quem a ela está mais vizinho e vai ao encontro do necessitado. Acrescente-se que, frequentemente, um certo tipo de necessidades requer uma resposta que não seja apenas material, mas que saiba compreender nelas a exigência humana mais profunda. Pense-se na condição dos refugiados, emigrantes, anciãos ou doentes e em todas as diversas formas que exigem assistência, como no caso dos toxicómanos: todas estas são pessoas que podem ser ajudadas eficazmente apenas por quem lhes ofereça, além dos cuidados necessários, um apoio sinceramente fraterno.” (Centesimmus Annus nº48)).
Esta crítica é positivamente ‘neoliberal’...

Mas então, qual é a solução não estatal que é compatível com a doutrina ?

É a sociedade civil:
” O indivíduo é hoje muitas vezes sufocado entre os dois pólos: o Estado e o mercado. Às vezes dá a impressão de que ele existe apenas como produtor e consumidor de mercadorias ou então como objecto da administração do Estado, esquecendo-se que a convivência entre os homens não se reduz ao mercado nem ao estado...” (Centesimmus Annus nº49)
O Papa refere um conjunto de instituições que deverão assegurar o cumprimento destas funções eventualmente com o auxílio do Estado:
  • A Igreja.
  • A Família.
  • Outras sociedades intermédias que constróem específicas redes de solidariedade.
Logo, pretender que a assistência aos pobres ou a resoluções dos problemas sociais seja realizada exclusivamente ou mesmo maioritariamente pelo Estado, não é compatível com a doutrina, visto que não cumpre os seus objectivos de solidariedade e viola o princípio da subsidiariedade.

13.3.05

Direita e Burke

30 anos de mentalidade anti-capitalista e iliteracia económica

Fui interrogado pelo tenente Rosário Dias, que me perguntou porque é que no balanço do banco [o BESCL] estavam registados 36 milhões de contos de depósitos e na caixa só estavam 800 mil contos em notas!
José Manuel Espírito Santo acerca da sua prisão em Caxias na sequência do 11 de Março de 1975

As gigantescas manifestações de quinta-feira em França trouxeram aos títulos e editoriais dos jornais europeus, além do mal-estar e das dificuldades, uma realidade que não se verifica exclusivamente naquele país paralelamente com o aumento exponencial dos lucros, a tendência dos grandes grupos económicos para não reinvestirem e fazerem distribuições milionárias de dividendos.
Ruben de Carvalho no Diário de Notícias de 13 de Março de 2005

Momento de humor feminista

O (verdadeiro) papel da empresa

Companies shouldn't feel obligated to "give back" to the community, because they haven't taken anything away, the Austrian-born chief of the world's largest food company told local executives yesterday.

(...) Peter Brabeck-Letmathe - head of Nestle S.A. - said companies should only pursue charitable endeavors with an underlying intention of making money for investors.

"I think there is good reason for corporate philanthropy," Brabeck-Letmathe said, speaking to Boston College's Chief Executives' Club. "But as managers, we need to be very careful, because it is not our money we're handing out, but the money of shareholders.''

(...)Brabeck-Letmathe said a company's obligation to the community is simply to create jobs and make products.

"What the hell have we taken away from society by being a successful company that employs people?" he said.

Nestle employs about 250,000 people directly worldwide and a total of 1 million indirectly. It produces a wide range of products, including candy, baby formula, coffee and bottled water."


Leituras recomendadas:
David Henderson "The Role of Business in the Modern World" (IEA 2004)
Elaine Sternberg "Corporate Governance: Accountability in the Marketplace" (IEA 2004)

Momento Ann Coulter

Aspiring first lady Teresa Heinz claims the election was stolen through the machinations of a vast conspiracy involving Republican polling machine manufacturers. We eagerly await a Michael Moore documentary to flesh out the details. It's only a matter of time before Heinz announces that anti-Bush insurgents control most of the Red States, and that the sooner the U.S. pulls out of those quagmires, the better.

Howard Dean – chairman of the party that supports murder, adultery, lying about adultery, coveting other people's money, stealing other people's money, mass-producing human embryos for spare parts like an automotive chop shop and banning God – has called the Republican Party "evil." One Democrat in the audience, a preschool teacher no less, complained that Dean was soft-pedaling his message. ###

Teddy Kennedy's big new idea is to wheel out his 18th proposal to raise the minimum wage. He's been doing this since wages were paid in Spanish doubloons (which coincidentally are now mostly found underwater). Kennedy refuses to countenance any risky schemes like trying to grow the economy so people making minimum wage get raises because they've been promoted. Kennedy's going down and he's taking the party with him! (Recognize the pattern?)

I keep expecting the real Democrats to appear and drag these nuts out of the room, saying, Oh sorry, he's escaped again – don't worry, he does this all the time, and then Howard Dean will stand up and have no pants on.