30.9.06

“Israel: the Fourth Reich.”

Here are excerpts (via StandWithUs.com) from a mind-blowingly hateful speech at UC Irvine on May 18, 2006 by Amir Abdel Malik Ali, sponsored by the Muslim Student Union, titled “Israel: the Fourth Reich.”

Parabéns aos blasfemos

Brigitte Gabriel: "Wake up America" (2)

Brigitte Gabriel: "Wake up America"

Coligação de Jandira Feghali tenta silenciar a Igreja

A Conferência Episcopal do Brasil (CNBB) publicou hoje uma nota de solidariedade para com a Arquidiocese do Rio de Janeiro, na qual lamenta “profundamente” as pressões sofridas pela Igreja no âmbito da campanha eleitoral nesse Estado. Os Bispos “estranham e repudiam o cerceamento da livre manifestação da opinião de cidadãos e a intromissão em campo próprio da competência da Igreja”.

O Cardeal do Rio de Janeiro, D. Eusébio Scheid, e o Bispo Auxiliar D. Dimas Lara Barbosa foram notificados na passada segunda-feira pelo TRE (Tribunal Regional Eleitoral) para que proibissem o clero da Arquidiocese de proferir “qualquer tipo de comentário ou referência político-ideológica” durante a campanha eleitoral. Nesse mesmo dia, no entanto, o próprio TRE anulou esse decreto.

A ordem judicial surgiu após uma queixa apresentada pela Coligação “Um Rio Para Todos”, de que faz parte a deputada Jandira Feghali, relatora do Projecto de Lei que visa tornar legal a prática do aborto no Brasil durante todos os meses de gravidez. Jandira Feghali, que concorre a uma vaga no Senado pelo Estado do Rio de Janeiro, acusava a Igreja de produzir um panfleto ofensivo contra ela.

Denunciar a ingenuidade europeia

Dos políticos socialdemócratas de Dinamarca denuncian en un libro que se ha convertido en un éxito de ventas la ingenuidad de los demócratas europeos ante el radicalismo islámico

Interesse geral, "justiça social" e interesses particulares

“Justiça Social” ou “Interesse Geral” são dois chavões dourados para o burocrata de carreira e para o político. Em nome dos dois justifica-se a manutenção do status quo, a atribuição de subsídios, o erguer de barreiras económicas, a construção de obras faraónicas ou até mesmo a proibição de fumar em locais privados. Naturalmente que, se necessário for, a justiça social e o interesse geral também justificarão facilmente o oposto de tudo isto. Mas os dois chavões não se equivalem. Justiça social tem um certo travo ideológico que lhe limita o espectro de acção. O interesse geral, pelo contrário, pode ser defendido por todos.

(...)

É o Estado o maior impedimento para que a sociedade civil descubra o seu “interesse geral”. Na realidade, o interesse geral é uma concepção colectivista, apenas com significado naquele conjunto mínimo de organização e de infra-estruturas já referido. Para além disso, a sociedade não tem um interesse geral mas múltiplos, que só ela consegue descobrir a forma de os alcançar e qual a melhor atribuição de recursos para o fazer. Se alguém lhe falar em interesse geral, pergunte-lhe antes se não será um seu interesse bem particular.

A arte de bem servir (3)

O único jornal que não cabe muito bem dentro destes sacos é mesmo o DN. É fácil de ver a diferença. O Público só traz um pequeno suplemento, o DN vem com o governo todo atrás.
Leitura complementar: A arte de bem servir; A arte de bem servir (2)

Ponto da situação na arábia gaulesa

Bin Laden e o colapso de Clinton na Fox News

It's just like old times. Bill Clinton delivers an impassioned speech, and within 24 hours the Web is bristling with documentation, establishing that nearly every sentence was a lie.

The glassy-eyed Clinton cultists are insisting their idol's on-air breakdown during a "Fox News Sunday" interview with Chris Wallace was a calculated performance, which is a bit like describing Hurricane Katrina as a "planned demolition." Like an Osama tape, they claim he was sending a signal to Democrats to show them how to treat Republicans. Listen up, Democrats: Let's energize the undecideds by throwing a hissy fit on national television!

The Clintonian plan for action apparently entails inventing lunatic conspiracy theories, telling lots of lies, shouting, sneering, interrupting, and telling your interlocutor, "(Y)ou've got that little smirk on your face and you think you're so clever" — all for asking a simple question. To wit: "Why didn't you do more to put bin Laden and al-Qaida out of business when you were president?" The only thing Clinton forgot to say to Wallace was, "You'd better put some ice on that."

Let me be the first to welcome Chris Wallace to the Vast Right-Wing Conspiracy! If the son of Mike Wallace is a member, can Chelsea be far behind?

"We are all Hizbullah"?

A actualidade de Ludwig von Mises (3)

I thus had arrived at this hopeless pessimism that for a long time had burdened the best minds of Europe.... This pessimism had broken the strength of Carl Menger, and it overshadowed the life of Max Weber….

It is a matter of temperament how we shape our lives in the knowledge of an inescapable catastrophe. In high school I had chosen the verse by Virgil as my motto: Tu ne cede malis sed contra audentior ito (“Do not yield to the bad, but always oppose it with courage”). In the darkest hours of the war, I recalled this dictum. Again and again I faced situations from which rational deliberations could find no escape. But then something unexpected occurred that brought deliverance. I could not lose courage even now. I would do everything an economist could do. I would not tire in professing what I knew to be right.
Mises citado por Rothbard no artigo Ludwig von Mises: Scholar, Creator, Hero

A actualidade de Ludwig von Mises (2)

He who rejoices that peoples are turning away from liberalism, should not forget that war and revolution, misery and unemployment for the masses, tyranny and dictatorship are not accidental companions, but are necessary results of the antiliberalism that now rules the world.
Mises on Keynes (1927)

A actualidade de Ludwig von Mises (1)

Crónica de um declínio anunciado

Os portugueses compraram menos 21,5 mil exemplares de jornais diários, por edição, nos primeiros seis meses deste ano face ao mesmo período de 2005, revelou a Associação Portuguesa para o Controlo das Tiragens (APCT), citada pela agência Lusa.

Entre Janeiro e Junho deste ano, o segmento, que engloba os títulos 24horas, Correio da Manhã, Diário de Notícias, Jornal de Notícias e Público, vendeu, em média um total de 329.050 exemplares, por dia, menos 6,1 por cento em comparação com o ano passado, altura em que as vendas superaram as 350 mil unidades. Esta situação abrangeu todos os títulos.

(...)

O Diário de Notícias também não escapou à tendência e registou uma descida de 9,3 por cento, passando para uma circulação paga de 34.621 unidades, ou seja, menos cerca de 3,5 mil exemplares face a 2005. No ano passado, o jornal vendia, em média, todos os dias em banca 38,156 mil exemplares.
(via A Obra Nasceu...)

Rui Ramos entrevistador

Em 12 episódios de 50 minutos, Rui Ramos vai entrevistar outras tantas figuras da vida pública nacional. O objectivo é colocar os convidados do canal público a reflectir sobre a evolução histórica de Portugal, partindo das suas experiências pessoais. Maria Filomena Mónica é a primeira convidada do formato. Agustina Bessa-Luís, José Miguel Júdice, Jorge Silva Melo, Adriano Moreira, José Silva Lopes, Dom Manuel Clemente, Maria Bello, Miguel Esteves Cardoso, Nuno Portas e Alberto Pimenta são as outras personalidades. Por revelar está o nome do 12.º convidado.
(via Atlântico)

A tradução oficial do grande discurso do Papa em Regensburg

A afirmação decisiva nesta argumentação contra a conversão mediante a violência é: não agir segundo a razão é contrário à natureza de Deus. O editor, Theodore Khoury, comenta: para o imperador, sendo um bizantino que cresceu na filosofia grega, esta afirmação é evidente. Para a doutrina muçulmana, ao contrário, Deus é absolutamente transcendente. A sua vontade não está relacionada com nenhuma das nossas categorias, mesmo que fosse a da racionalidade. Neste contexto Khoury cita uma obra do conhecido islamita francês R. Arnaldez, o qual ressalta que Ibn Hazm chega a declarar que Deus não estaria relacionado nem sequer com a sua própria palavra e que nada o obrigaria a revelar a nós a verdade. Se fosse a sua vontade, o homem deveria praticar também a idolatria.


Não percam, também, o bom artigo de Sandro Magister a respeito.

29.9.06

Leitura muito recomendada

Será o barco do amor?

Silêncio para não ofender ninguém

Parabéns

Os artigos de opinião proibidos

Escoliose à esquerda

Furacão Chávez

Mr. Chávez imagines that he can damage the United States by rerouting Venezuelan oil to other markets. He fails to understand that oil is fungible: If Venezuela's crude is sold to the Chinese, the Chinese will buy less of it elsewhere, freeing up supplies for U.S. consumers. But Mr. Chávez also appears oblivious to the technical difficulties in sending oil halfway round the world rather than selling it in his own hemisphere. Oil tankers do not come cheap, and China will have to build special refineries to process the heavy brand of crude that Venezuela produces. Despite Mr. Chávez's bluster about tripling exports to China in three years, Venezuela will depend on Yanqui consumers for the foreseeable future.

A Ler

Leitura altamente recomendada

The question of how I became a libertarian ultimately is a question about how I changed my mental model of the political system from one of "good guys vs. villains" to one of the importance of limited government, individual liberty, and personal responsibility.


Este artigo é muito interessante. Num país, como Portugal, com uma percentagem de simpatizantes da extrema-esquerda muito acima do normal, só pode ser altamente recomendável.

Generalizando...

«O que pedimos é que os funcionários públicos contribuam um pouco mais para a ADSE«, sublinhou Teixeira dos Santos, acrescentando que não é justo que sejam todos os portugueses a pagar por um sistema de saúde que só os funcionários públicos usufruem.
Seria bom que que Teixeira dos Santos generalizasse este regra e que os contribuintes deixassem de ter de suportar os privilégios de uns quantos.

[fonte: Diário Digital]

Aguardo desenvolvimentos

ECJ rules against ‘golden shares’

The ECJ decided that the practice of holding a share, which gives the state a veto over mergers, was incompatible with the free movement of capital in the internal market. The ruling is in line with the Commission’s decision against the Dutch government in 2003, which stated that the influence that was given to the Dutch state as holder of the special share (“golden share”) could deter investors from other member states from investing capital.

The Dutch government argued that holding this special share was necessary to guarantee a universal mail service. But the court decided that “the special share goes beyond what is necessary to safeguard the solvency and continuity of the provider of the universal postal service".

The ECJ’s decision is one of many rulings against share ownership in France, Portugal, the UK and Spain. European institutions are currently stepping up actions against the increasing economic protectionism among European governments trying to fend off foreign takeovers. The most recent example of this was the Spanish government’s attempt to block the German E.ON bid for Endesa.

The Commission's proposal for a directive to further liberalise postal services is expected in October 2006.
[fonte: EurActiv]

E não haverá um islamita que o ameace?

Uma bela m...

A seguir virá a "lei seca"

A propósito da recente iniciativa do PS

Se o que se pretende é criminalizar todo o tipo de "enriquecimento sem causa", a solução será, talvez, excessiva e inadequada; se o objectivo for criminalizar o enriquecimento cuja causa seja, já de si, um facto criminoso, parece desnecessário, correndo-se, então, o risco de se complexizarem e sobreporem regimes legais...o que acabará por dificultar a respectiva aplicação.

Suspeito, vagamente, que a pretexto da luta contra a corrupção, tenha passado pela cabeça de alguém a necessidade de criação de mais uma presunção: a de que todo o enriqueciemnto será, por princípio, um ilícito criminal, até prova em contrário...

Ludwig von Mises

Bendita econometria

28.9.06

Ah ele é isso? I

Pelo que tenho lido nas últimas semanas, alguém convenceu a generalidade das pessoas (algumas inteligentes) que a empresarialidade é uma questão de conhecimento científico ou técnico (1). Ou seja, que a razão por que temos maus empresários em Portugal é a falta de formação destes. Não faço ideia onde foram buscar tão peregrina concepção de “empresário”, bom ou mau. Deviam saber, que o conhecimento científico (ou técnico) é importante apenas para ajudar a reorganizar, enquadrar e sistematizar outro tipo de conhecimento e características que não dependem da formação académica. Seria aliás interessante indagar quantas pessoas com formação trabalham em empresas criadas por tais ignorantes.###
Para criar uma empresa, existem tantas motivações como empresas. O primeiro passo para ser-se empresário (bom ou mau) é a motivação, que diz respeito exclusivamente a cada um, porque a empresa não passa de um meio para atingir um fim (2)individual. Há ambientes e condições que são propícias a iniciativas empresariais, como as crises económicas com a falta de emprego, o ambiente jurídico e fiscal, as revoluções tecnológicas e industriais, a liberdade económica, etc. Tenho para mim que, para o indivíduo, o desespero é um fortíssimo factor de motivação e é provavelmente por isso que pessoas que não encontram emprego se lançam nos negócios. Imagine-se o leitor sem hipótese de arranjar emprego. Resta-lhe uma e só uma solução: avaliar o que sabe fazer e fazê-lo. Seja canalizador, engenheiro, advogado ou trolha. Cria o seu próprio emprego e depois, e só depois, descobre o seu próprio limite. Pode criar uma multinacional de serviços de canalização, ficar-se por projectos de engenharia de vivendas ou vice-versa. Não é o “conhecimento científico” que o irá determinar, são outras características e/ou situações. Um empresário, “bom” ou “mau”, precisa de cinco características e uma situação:
1 - Instinto (awareness);
2 - Humildade;
3 - Imaginação (no sentido da criatividade empresarial, que é diferente da criatividade artística, por exemplo);
4 - Saber as quatro operações aritméticas;
5 - Ser bom nas relações humanas;
6 - Oportunidade.

O instinto, a percepção do que acontece, é o que determina o aproveitamento da oportunidade, a aplicação da imaginação, o cálculo dos resultados e as relações com os outros (amor/ódio, empatia/repúdio, compensação e reconhecimento). O instinto (awareness) é a mais básica das qualidades, que ou se tem ou não se tem e a humildade pode aprender-se (é difícil) à própria custa, com dor e frustração. A imaginação não se compra nem se aprende, é inata e precisa de ser desenvolvida e afinada com muito trabalho, “lata” e risco, no sentido em que não se pode ter medo de fazer, dizer ou cometer asneiras. A aritmética básica não exige uma licenciatura e é o suficiente para perceber o necessário que são as contas de merceeiro. Entra X, sai Y, o saldo é Z. As relações humanas decorrem do instinto (awareness), da humildade e da disponibilidade para ouvir e aprender.
Há também este mito romântico do “bom empresário” que não gosta de perder nem a feijões, do olho por olho, dente por dente, do dog eat dog, que se desfaz na conquista guerreira dos mercados, etc. Não é assim e por muita retórica indignada que haja, por muitas reedições de Sun-Tzu, Maquiavel e Clausewitz que se vendam, o empresário sabe quando perde num negócio porque o adversário foi melhor e nesse caso aprende, evolui e na próxima oportunidade pode perder por todas as razões mas não pelas mesmas. A derrota é a melhor das motivações e o mais perfeito manual de gestão. O “bom empresário” sabe melhor que ninguém o que lhe convém e actua em conformidade, sabe que não pode parar e avalia riscos, mercados, competências e capacidades e dedica-se a fundo àquilo em que é melhor, o que nem sempre passa por conquistar novos mercados para os mesmos produtos. Pode ser consolidar, fazer crescer, criar produtos, necessidades e ideias.
Nada disto exige formação específica nem escolas de gestão. Esse é o passo seguinte que não é determinante e mesmo somado às condições aqui expostas não é suficiente para fazer uma boa empresa. Longe disso.
(continua)

(1)

…existe o risco de se ignorar completamente o conteúdo específico do conhecimento prático, como tão correctamente criticou Oakeshott, para quem oracionalismo, na sua versão mais perigosa, exagerada e errónea, consistia precisamente em acreditar “que o que se denominou conhecimento prático não é sequer conhecimento, ou seja, que no seu sentido mais próprio não existe mais nenhum conhecimento para além do conhecimento técnico".
Jesús Huerta de Soto em A Escola Austríaca, Mercado e Criatividade Empresarial (tradução de André Azevedo Alves), pág 77.

(2) Quando perguntaram a Warren Buffet o que o fazia mexer enquanto empresário, respondeu que era o prazer de ver o dinheiro a acumular-se, John Kay em The Truth About Markets .

PT = Partido Tributário

A carga tributária (somatório dos tributos federais, estaduais e municipais arrecadados) atingiu 39,79% do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro semestre de 2006. Houve aumento nominal de arrecadação no montante de R$ 33,09 bilhões em relação ao mesmo semestre de 2005.
(...)
"Como há crescimento real das arrecadações acima do crescimento do PIB, neste ano teremos novo recorde de carga tributária. Portanto, cada brasileiro está trabalhando mais para pagar os tributos"

(via Terra)

O candidato fujão... por que será?

"O presidente Lula não vai ao debate da Rede Globo marcado para as 22h, onde estarão os candidatos Geraldo Alckmin, do PSDB, Cristovam Buarque, do PDT e Heloísa Helena, do PSOL.
A decisão foi tomada depois de longa discussão entre assessores no final desta tarde. Para corroborá-la, números de novas pesquisas diárias que dão conta de uma consolidação da posição do presidente. O que não é possível avaliar são os danos da não presença em um evento "dramatizado" pela emissora promotora e por grande parte da mídia.
A prevalecer essa posição até as 22h, o presidente Lula optou por correr o risco."

(via TerraMagazine)

O presidente da Silva fugiu de todos os debates até agora... por que será?

O criminoso

Pope Benedict XVI is "arrogant," "stupid," and "criminal," and will be judged by Allah on the day "when eyes will stare in terror," declared a sermon delivered this past weekend on Palestinian Authority President Mahmoud Abbas' state-run television station.
The sermon coincided with a cartoon also published this weekend in an official Hamas-run daily newspaper in which the pontiff is depicted holding a swastika while wearing a scarf of American and Danish flags.

Mais informações aqui.

Uma pessoa fica aborrecida, ah pois fica.

O nosso primeiro ministro foi apanhado à má fila pela candidatura a presidente (vitalício) de Hugo Chávez.
Não que José Sócrates Carvalho, não soubesse quem Chávez é ou que andava, mundo fora, a promover a sua imagem, aparecendo ao lado de outros grandes líderes mundiais (ele foi a Cuba, ele foi ao Irão, ele foi à Líbia, ele foi à Síria,...), chegando mesmo a demonstrar um ternorento carinho por Robert Mugabe quando o encontrou.
Mas não se esperava uma coisa destas.
O nosso primeiro ministro sorriu-lhe, foi simpático, fez pose de estadista recebendo outro estadista e vai-se a ver, Chávez faz-lhe esta desfeita.
'Tá mal, ah pois 'tá.

Bush não pára de surpreender

"Há 17 anos que o governo de Cuba impede que o Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV), ou qualquer representante da Comissão das Nações Unidas para os Direitos Humanos, inspeccione as prisões cubanas." (...)

"(...) «no período de 1960 a 1989, o governo cubano recusou sistematicamente todos os pedidos do CICV para proceder a visitas às suas prisões. E, após a visita de 1989, que identificou a existência de 257 presos políticos, a intolerância cubana voltou a instalar-se e tem-se mantido»."


O resto do quero, posso e mando do el presidente encontra-se no PD. E só para nós: isto nem em Guantamano...

Leitura recomendada (II)

Miles

Miles Davis once said that music was "a curse" for him because he thought of
nothing else while he was awake. Music was his life.

Leitura recomendada

O argumento de que o subsídio à educação é essencial ao crescimento é um argumento preguiçoso. Defenda-se esse subsídio por todas as razões e mais uma (porque nos torna pessoas melhores ou simplesmente mais cultas), mas não porque contribua para resolver o atraso económico. O problema não é esse.

A vontade da maioria explicada às crianças

É por isso mesmo que alguns socialistas (a que convencionámos chamar de social-democratas) defendem a intervenção do Estado na economia: para assegurar os interesses da maioria.

Daniel Oliveira

Ou seja, se a maioria tiver interesse em roubar quem quer que seja o Estado está lá para isso. O que sucede quando se explica o socialismo às crianças é que a pureza ideológica vem à tona. Mais preocupante é, depois de todas as dolorosas experiências feitas no século XX, ainda haver quem nela acredite.

A lógica do "balão de oxigénio"

A pergunta certa

Qual o medo que o senhor e o seu Governo têm de que os portugueses possam escolher? Só por preconceito ideológico
Intervenção de Pedro Mota Soares (CDS) durante o debate de ontem

Afinal...

Agência de emprego Chávez e Eta, lda


Acusado de três assassinatos, Arturo Cubillas fazia parte do "comando Oker" responsável por duas dezenas de atentados e roubos a bancos e outras empresas. Ainda bem que os do costume não estão indignados.

Notícia El Mundo.

Atlântico 19

Almas aliviadas e a mão invisível de Bush

27.9.06

Clube de fãs de Lincoln ganha um novo membro

TIME: Do your feelings about Bush reflect your feelings toward America in general?

CHAVEZ: No. I revere America as the nation of Abraham Lincoln, Martin Luther King and Mark Twain--who was a great anti-imperialist, who opposed U.S. adventurism in the Spanish-American War.

Leitura recomendada (II)

To his supporters Noam Chomsky is a brave and outspoken champion of the oppressed against a corrupt and criminal political class. But to his opponents he is a self-important ranter whose one-sided vision of politics is chosen for its ability to shine a spotlight on himself. And it is surely undeniable that his habit of excusing or passing over the faults of America's enemies, in order to pin all crime on his native country, suggests that he has invested more in his posture of accusation than he has invested in the truth.

A arte de bem servir (2)

Importa-se de repetir?

(i) pela importância das mesmas infra-estruturas para a segurança económica nacional e para o próprio funcionamento regular da concorrência no respectivo sector; (ii) porque se trata de "monopólios naturais", por definição fora do mercado e da concorrência [destaques meus]

Fátima Campos Ferreira e José Maria Aznar

Propaganda de esquerda em modo automático

Alguma esquerda tem esta característica peculiar: entre os números de um relatório internacional e a sua interpretação pavloviana, prefere a segunda, desde que esta última confirme os preconceitos ideológicos: seja contra a iniciativa privada, seja contra a Administração Bush ou os Estados Unidos.

Czar Nani

Comparação inacreditável

Comedy Central

A arte de bem servir

Contra a demagogia...

Esta nem nós nos lembramos

O chefe do Serviço Nacional de Estatísticas, Manolis Kontopyrakis, afirmou que "o PIB revisado vai incluir dinheiro de atividades ilegais, como do contrabando de cigarros e bebidas, da prostituição e da lavagem de dinheiro".

O PIB da Grécia alcançou 180 bilhões de euros no ano passado e estima-se que atingirá 194 bilhões em 2006. Já a economia informal do país movimentaria entre 40 bilhões e 60 bilhões por ano.

A mudança na metodologia de cálculo do PIB deve ajudar a Grécia a cumprir metas fiscais acertadas com a União Européia.
No que toca à criatividade contabilística e à capacidade de desenrascanço que lhe está associada, os gregos batem-nos aos pontos.

Uma pequena diferença

Imposições há muitas...

O que não aceitamos é que o sistema de capitalização seja imposto e viabilizado à custa do equilíbrio financeiro do sistema público de Segurança Social e dos valores de solidariedade que lhes estão subjacentes e em nome dos quais foi criado
Embora José Sócrates diga não aceitar imposições, parece que a ideia de impor a toda a população, sem hipótese de escolha, um sistema de segurança social já lhe parece ser aceitável. O PM diz que o faz em nome da "solidariedade". Porém, a "solidariedade à força" chama-se extorsão e é um instrumento que deve mais à Mafia que a uma democracia liberal.

Leitura recomendada

Sócrates parece estar muito mal assessorado neste tema.

E no entanto, milhões sobreviveram ao Verão.

PD:

Foi publicada esta segunda-feira, em Diário da República, uma portaria que será válida por apenas cinco dias. No final do documento está estipulado que o diploma entra em vigor esta terça-feira, «no dia a seguir ao da sua publicação e vigora durante a época balnear de 2006», que termina este sábado.

A portaria estabelece as praias marítimas e as praias fluviais e ainda dá cumprimento ao Decreto-Lei 96-A/2006, de 02 de Junho, que define o regime de contra-ordenações aplicável em matéria de assistência aos banhistas e define competências quanto à segurança nas praias costeiras e interiores.

Pelo menos durante cinco dias o país estará muito mais seguro. E regulamentado.

Já fora do Arrastão, o relatório real

Fantasia Paranóica No. 227...

O único compromisso aceitável é com o estatismo

26.9.06

Estes americanos são mesmo uns idiotas

Colossos

Leitura recomendada (III)

Fé e ciência

“Quando cheguei a Pamplona para começar o doutoramento, não professava nenhuma religião, pensava apenas em trabalhar e ser o melhor na minha especialidade. Aqui compreendi que isso não é suficiente e que a ciência adquire o seu sentido mais pleno com a fé”, explica Guanghua Yang.

Este investigador chinês da província de Anhui chegou em 2002 à área de Terapia Genética e Hemopatologia do Centro de Investigação Médica Aplicada da Universidade de Navarra para realizar o seu doutoramento.

Com 26 anos e depois de terminar a passagem pelo CIMA, decidiu baptizar-se no passado dia 12 de Setembro, oito dias depois da defesa da sua tese.

Olavo de Carvalho sobre a "máquina revolucionária" do PT

O esquema de corrupção que se apossou do governo federal não é fenômeno isolado. Não é iniciativa de um grupelho autônomo, separado das raízes partidárias. Não é um caso de pura delinqüência avulsa. É parte integrante da máquina revolucionária cuja montagem, se entrou em ritmo acelerado no início dos anos 90, remonta a pelo menos duas décadas antes disso, quando ao fracasso das guerrilhas se seguiu um esforço generalizado de rearticulação da esquerda continental nas linhas circunspectas e pacientes preconizadas por Antonio Gramsci em substituição aos delírios belicosos de Régis Débray, Che Guevara e Carlos Marighela.

(...)

Se, agora, alguém pensa que vai se livrar dessa encrenca com uma eleição e dois ou três processos, está muito enganado. Ninguém empenha décadas da sua vida na construção de um gigantesco esquema de poder, para depois deixá-lo derreter-se e escorrer por entre seus dedos ao primeiro sinal de mudança das preferências da opinião pública.

O que é, substantivamente, o esquema de poder petista? Ele não é apenas uma conspiração de gabinete. Ele se assenta na força da militância organizada que, a qualquer momento, pode colocar nas ruas alguns milhões de manifestantes furiosos, com o apoio de quadrilhas de delinqüentes armados, para impor o que bem entenda a uma nação inerme e aterrorizada. Durante quatro décadas a esquerda desfrutou do monopólio absoluto da formação e adestramento de militantes para a ação permanente em todos os campos da vida social, enquanto seus opositores, confiantes no poder mágico do automatismo institucional, se contentavam com mobilizar auxiliares contratados às pressas para exibir uns cartazes de candidatos nas épocas de eleição. Hoje, a desproporção de força física entre a esquerda e seus opositores é tão grande, que esses últimos têm até medo de pensar no assunto. Novamente, eles se arriscam a confiar no abstratismo das instituições e em vagas "tendências da opinião pública", contra a massa organizada, adestrada e armada. E novamente eu me arrisco a ser chamado de maluco por advertir contra o perigo óbvio. Qualquer que seja o resultado das eleições, qualquer que seja o desenlace das presentes investigações de corrupção, a gangue petista não vai largar gentilmente a rapadura.

Ana não vai à RTP

Leitura recomendada (II)

parecia que a Suécia tinha conseguido a sempre difícil quadratura do círculo: um crescimento económico intenso, níveis de desemprego bastante aceitáveis e um forte sistema de protecção social. Como acontece com o sexo, os meus gostos sempre divergiram das preferências dos meus amigos de esquerda – em termos políticos, nunca aceitei, por completo, esta miragem sueca. Não é possível possuir, simultaneamente, uma despesa pública elevada e uma economia privada dinâmica e forte. Não é possível possuir impostos quase confiscatórios e ter êxito no comércio e no investimento mundial. Não é possível manter subsídios de desemprego generosos e um tecido protector complexo, de carácter universal, sem que, a médio prazo tal origine desemprego, de um modo legal ou não.

eSCUTeiros?

Da análise efectuada podemos retirar duas conclusões principais. Primeiro, o investimento em Scuts é perfeitamente justificável em termos económicos, quer ao nível agregado, quer ao nível individual. Segundo, e talvez mais importante do ponto de vista do actual debate político, o investimento em Scuts, quer em termos agregados, quer em termos individuais, não parece gerar problemas de sustentabilidade financeira ao orçamento do Estado.

O que levou João Vieira Pereira [JVP] a escrever em artigo de opinião no semanário Expresso (meu destaque):
De sorvedor de dinheiros públicos as Scut passam a Prozac da economia. Compreende-se a alegria de Cravinho que vê a sua obra amplamente defendida como um dos maiores benefícios para a economia portuguesa. Só que o seu contentamento está limitado às fronteiras do estudo. Este não explica, por exemplo, o que aconteceria se o dinheiro gasto no betão tivesse sido aplicado noutro tipo de políticas, sejam elas de Saúde, Educação ou Justiça. O sorriso é só parcial até ser possível provar que a escolha política foi a melhor.

Ninguém duvida da benfeitoria das ligações rodoviárias. Questionam-se sim as escolhas de política económica das quais este estudo não trata.

Aqui está o problema da maioria dos estudos económicos: não têm em conta os custos de oportunidade. Os autores do referido estudo não questionam se haveria melhores alternativas a tal investimento porque, acredito, a entidade estatal que os patrocinou claramente não o desejava. Deste modo, não só foram “esquecidas” opções alternativas de investimento (ou até de desinvestimento) como também são ignorados, nas conclusões do estudo, quaisquer benefícios provenientes da introdução de portagens nas SCUTs (meu destaque):
[A] opção pelas portagens viria a sacrificar decisivamente as oportunidades de crescimento económico ao gerar inevitavelmente uma redução na utilização destas vias. Este resultado determinaria igualmente a redução dos correspondentes benefícios económicos e fiscais.

Ora, como podem os autores fazer tal afirmação se não chegaram a analisar o impacto económico de investimentos alternativos? Como podem faze-lo se nem sequer consideraram os benefícios para a economia portuguesa duma redução, por exemplo, na taxa de IRC, IRS e/ou IVA?

E, a julgar pelo artigo de JVP, este método de desinformação até já deu “bons” resultados junto dos mais cépticos:
Quando investimos numa região, existe um efeito de contágio a outras «spillover». O que Marvão Pereira e Jaime Andraz concluem é que a região de Lisboa e Vale do Tejo é a que mais beneficia com a construção de qualquer uma das Scut. Ou seja, a construção da A23 beneficia mais os habitantes de Lisboa do que os da Guarda.

Este efeito «spillover», que demonstra a encefalia da capital, introduz o conceito de beneficiador-pagador em oposição ao de utilizador-pagador. E neste prisma quem deve pagar as portagens das Scut são, em primeiro lugar, os habitantes da região de Lisboa, que se calhar nunca a utilizaram mas que beneficiaram com a sua construção. As Scut tornam-se, assim, num jogo de soma positiva.

Sendo assim, se vamos esquecer que o principal objectivo das SCUTs era o desenvolvimento das regiões mais pobres (e não de Lisboa!), para JVP condenar o conceito de utilizador-pagador, este teria de, antes, considerar estudos sobre os benefícios económicos duma redução do esforço no Orçamento de Estado, nos próximos 25 anos (700 milhões de euros/ano a partir de 2007) relativamente aos custos acrescidos para os utentes. Marvão Pereira e Jorge Andraz não o fizeram...

Como conclusão, o melhor que posso dizer dos autores do estudo e seus “seguidores” é usar uma célebre exclamação do Gato Fedorento: eSCUTeiros???

Hamas e Fatah: não há acordo

Rivals Hamas and Fatah called off top-level talks Monday on forming a Palestinian unity government that might ease crippling international sanctions, the latest indication of difficulties in bridging their ideological differences.(...)
Palestinian President Mahmoud Abbas, the head of Fatah, postponed his planned trip to the Gaza Strip for talks with Prime Minister Ismail Haniyeh of Hamas, and both sides said no new date has been set.(...)
Several times in the past months Hamas and Fatah appeared close to a political agreement based on the "prisoners' document," a plan put together by prominent Palestinians in Israeli prisons that calls for a Palestinian state in the West Bank and Gaza. Some believe that implicitly accepts Israel next door, without stating the recognition.
But the U.S., Europe and Israel have signaled this would not be enough — the new government itself would have to accept the three conditions they set for the resumption of aid [Hamas must renounce violence, recognize Israel and accept past peace agreements before aid can resume] — although Europe has softened its line recently.

Exigimos a nossa parte do saque! (III)

Exigimos a nossa parte do saque! (II)

Exigimos a nossa parte do saque!

O secretário-geral da DECO, Jorge Morgado, disse hoje ao Diário Digital que considera «um acto de injustiça relativa» o acordo da União Europeia para retirar os apoios financeiros às associações nacionais de defesa dos consumidores.

A associação portuguesa não entende o «tratamento diferente» ao qual a questão do direito do consumidor está sujeita, relativamente ao que acontece com outros grupos associados, como é o caso dos agricultores ou comerciantes.
De facto, não se entende o porquê destes (e doutros) subsídios. Aliás até se compreende, o que não não significa que se justifiquem.

[fonte: Diário Digital]

O ridículo da dimmithude (II)

POLICE have agreed to consult a panel of Muslim leaders before mounting counter-terrorist raids or arrests. Members of the panel will offer their assessment of whether information police have on a suspect is too flimsy and will also consider the consequences on community relations of a raid.

Members will be security vetted and will have to promise not to reveal any intelligence they are shown n. They will not have to sign the Official Secrets Act.
[fonte: Sunday Times via Brussels Journal]

Shinzo Abe vence no Japão

Nationalist Shinzo Abe, a proponent of a robust alliance with the United States and a more assertive military, easily won election in parliament Tuesday as Japan's youngest postwar prime minister.

Abe got 339 votes out of 475 counted in the powerful lower house, and 136 ballots out of 240 in the upper house, handily defeating Ichiro Ozawa, the leader of the opposition Democratic Party of Japan.

Abe, at 52 Japan's first prime minister born after World War II, stocked his new government with conservatives such as Taro Aso, who will keep his post as foreign minister, and veteran Fumio Kyuma, appointed to a second stint as defense chief.

(...)

Abe signaled the primary directions of his government on Monday by choosing pro-growth fiscal conservative Hidenao Nakagawa and fellow nationalist Shoichi Nakagawa to two top posts in the ruling Liberal Democratic Party.

A frieza do socialismo

Toda a excelência será penalizada

As universidades com melhor desempenho pedagógico e científico vão receber menos dinheiro do que as instituições com piores indicadores no OE 2007, segundo a fórmula de financiamento definida pelo ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Mariano Gago.

O Diário Económico recorda hoje que Mariano Gago definiu há um ano uma fórmula de cálculo de financiamento que prometia recompensar a eficiência com acréscimos de verbas. Afinal, para assegurar a sobrevivência das universidades com pior desempenho, o ministro acabou por voltar atrás na palavra. Agora, as melhores instituições vão acabar por receber menos.
No fundo, a lógica é a mesma que leva o Estado a penalizar, com mais impostos, as empresas e indivíduos com maior sucesso. Com incentivos destes o nosso futuro só pode ser negro.

[fonte: Diário Digital]

Leitura recomendada

Há aqueles que defendem que os estados árabes e muçulmanos são imunes a críticas porque não são democráticos, mas Israel é merecedora de críticas porque tem pretensões democráticas. Argumentos destes são Orientalismo paternalista no seu pior. A suposição encoberta é que os árabes e muçulmanos são as crianças atrasadas mentais do mundo. Eles podem fazê-lo. Isto não é só Orientalismo paternalista. É racismo.


Os árabes e muçulmanos não são crianças e não são atrasados mentais. Muitos árabes e muçulmanos reconhecem este fenómeno e escrevem sobre ele. Eles sabem que só o fim da auto-ilusão e o assumir de responsabilidades pode trazer a mudança. Eles sabem que enquanto o Ocidente os tratar como desiguais e irresponsáveis estará a perpetuar não só uma atitude racista, mas também a continuação das chacinas em massa.


O genocídio que Israel não está a cometer, aquele que é um libelo fraudulento, esconde o verdadeiro genocídio, o genocídio silenciado que árabes e muçulmanos estão a cometer contra si próprios. A fraude tem de acabar para que se possa olhar a realidade. Para o bem dos árabes e muçulmanos. Israel paga em imagem. Eles pagam em sangue. Se restar no mundo alguma moralidade, isto deveria ser do interesse de quem ainda tem dela alguma gota. A acontecer, seria uma pequena notícia para Israel, mas um imensa boa nova para os árabes e muçulmanos.

O ridículo da dimmithude

A Deutsche Oper de Berlim, uma das três salas de ópera da capital alemã, anunciou na segunda-feira que retirou da sua programação a ópera de Mozart «Idomeneo», por recear que suscitasse protestos de islamitas.

A encenação de Hans Neuenfels, conhecido pelas suas provocações, poderia suscitar algum mal-estar e protestos de islamitas que se sentissem ofendidos, refere um comunicado.
Na cena que, segundo a imprensa, provocou os receios de represálias dos responsáveis da Deutsche Oper é exibida a cabeça cortada de Maomé. O caricato (ou melhor, o ridículo) é que na mesma são também exibidas as cabeças de Poseidon, Buda e Jesus. Nenhuma destas parece ter provocado o mesmo tipo de receios na organização. Bem, talvez a de Poseidon...

[fonte:Diário Digital]

Peter Boettke sobre Richard Epstein e o debate em torno das políticas públicas

25.9.06

João César das Neves sobre as teorias da conspiração

Partindo de um acontecimento perturbador, insinuam-se suspeitas, esboçam-se relações sugestivas, aduzem-se aspectos reais mas laterais, contrói-se um edifício atraente de meias verdades, deduções deficientes, teorias possíveis. O resultado é infâmia.

Um importante exemplo recente é o documentário Loose Change, de Dylan Avery (2005), há pouco transmitido na RTP, que culpa a Administração americana pelos atentados de 11 de Setembro de 2001. As supostas provas seguem-se a uma velocidade espantosa, garantindo que nenhuma é vista em detalhe. O espectador fica esmagado pela quantidade, sem pensar na qualidade. Nenhuma referência válida é fornecida, a não ser em elementos espúrios. A imaginação domina. Sobretudo nunca se aplica à própria tese o mesmo tipo de crítica usado na versão oficial. Será credível que centenas de pessoas envolvidas em tão horrenda conspiração ficassem caladas? Algum presidente arriscaria tal barbaridade?

(...)

A peça fundamental do estilo é o ódio. Qualquer dessas histórias centra-se sempre em alguém que se detesta. Os adeptos querem mesmo acreditar o pior de Bush, Santana Lopes, da GM ou da Igreja. Por isso, mais do que confiar na tese, eles proclamam a sua fúria e assim tornam-se fanáticos. Quanto mais louca for a teoria, maior o fervor. A raiva, não a lógica, é o cimento que mantém o edifício.

Para os portugueses com bom senso, um verdadeiro combatente pela liberdade é necessariamente um anti-comunista

Crise Energética no Zimbabwe

HARARE, Zimbabwe (AP) - Drastic coal shortages despite massive natural deposits have had a ripple effect throughout Zimbabwe's economy and ruined a deal to renovate the country's biggest steelworks, the government has acknowledged.
The energy crisis adds to the economic woes of Zimbabwe, which is already suffering from acute shortages of many basic commodities.
Industry Minister Obert Mpofu told a panel of lawmakers in Harare recently that Indian steel maker Global Steel Holdings pulled out of an investment deal at the Zicosteel steelworks in central Zimbabwe because of concerns about lack of coal supplies.
(...)Zicosteel was once prosperous but has declined because of mismanagement and corruption and is now on the verge of collapse.

Resolução 1701 e o desarmamento do Hezbollah

1. Quando é que as forças da ONU começam a cumprir a Resolução 1701 na parte que se refere ao desarmamento de forças fora do controlo do governo do Líbano?

Prioridade à taxa única de tributação

Se a discriminação por situação económica é anticonstitucional, como diabo temos escalões de IRS? Temos um estado fora da lei. Não somos livres, somos escravos de um estado totalitário que nos suga o tributo do nosso amor à vida, se quisermos viver dignamente...

South Park

"People told us at the time, 'You can't really draw an image of Mohammed,'" Parker says. "And we were like, well, we can. We're not Muslim, so it's OK." (...)

Open Season on Jesus
"That's where we kind of agree with some of the people who've criticized our show," Stone says. "Because it really is open season on Jesus. We can do whatever we want to Jesus, and we have. We've had him say bad words. We've had him shoot a gun. We've had him kill people. We can do whatever we want. But Mohammed, we couldn't just show a simple image."
During the part of the show where Mohammed was to be depicted — benignly, Stone and Parker say — the show ran a black screen that read: "Comedy Central has refused to broadcast an image of Mohammed on their network." Other networks took a similar course, refusing to air images of Mohammed — even when reporting on the Denmark cartoon riots — claiming they were refraining because they're religiously tolerant, the South Park creators say.
"No you're not," Stone retorts. "You're afraid of getting blown up. That's what you're afraid of. Comedy Central copped to that, you know: 'We're afraid of getting blown up.'"

Clinton Rage: a Fox News exclusive

Quinta feira nas bancas: Atlântico 19

Terrorismo e silêncio

Almost one in 10 British Muslims would not inform police if they suspected that someone of the same faith was involved in a terror attack, a poll suggested.

The ICM poll for the News of the World found 9% of the 502 questioned would not tell police if they had such suspicions about a fellow Muslim.

With a Muslim population aged over 16 in Britain of around one million, that would translate to 90,000 "turning a blind eye", the newspaper said.

Angelina Jolie como Dagny Taggart?

A converseta

A prepotência como traço definidor do esquerdismo

Porque eles falam pelo Povo, e só eles falam pelo Povo, quem quer que conteste o que dizem por definição deve estar falando contra o Povo: esse é o motivo fundador da minha birra para com a esquerda -a arrogante presunção de que só eles sabem o que é bom para a sociedade, porque os demais agrupamentos políticos estão puxando a brasa para as pópria sardinha enquanto a esquerda age pelo mitológico bem comum.

maradona em grande forma

NÃO CONTESTO NEM NUNCA CONTESTEI A VERDADE CIENTÍFICA DAS CONSEQUÊNCIAS NEGATIVAS DAS ALTERAÇÕES QUÍMICAS NA COMPOSIÇÃO DA ATMOSFERA, NOMEADAMENTE, DO AUMENTO DAS CONCENTRAÇÕES DE CO2 E CH4 NO EXARCERBAR DO EFEITO DE ESTUFA, QUE, SEGUNDO MASSIVA EVIDÊNCIA, SÃO A CAUSA MAIS QUE PROVÁVEL PELO ACENTUADO AUMENTO DA TEMPERATURA NAS ÚLTIMAS DÉCADAS. A LUTA QUE A MIM ME IMPORTA É A QUE SE OPÕE AOS FANÁTICOS E DEMAGOGOS QUE, APROVEITANDO A COINCIDÊNCIA ENTRE AS SOLUÇÕES ACTUALMENTE DISPONÍVEIS PARA ESTE PROBLEMA E O DISCURSO ANTICAPITALISTA, SE AGARRAM HIPÓCRITA E DESAVERGONHADAMENTE A UM COMBATE POLÍTICO QUE, DEMASIADO OBVIAMENTE, NADA TEM A VER COM UMA PREOCUPAÇÃO COM OS VALORES NATURAIS OU A UMA ATITUDE CONSERVACIONISTA, E QUE POR ISSO MAIS NÃO FAZEM QUE PROLONGAR O ANALFABETISMO E IGNORÂNCIA SOBRE A ÚNICA SOLUÇÃO DISPONÍVEL PARA A ECOLOGIA DO PLANETA: UM PROGRAMA UNIVERSAL, MODESTO, EXECUÍVEL E QUE ENGLOBE TODOS OS PROBLEMAS E PRIORIDADES AMBIENTAIS, E NÃO A SUA ATOMIZAÇÃO IRRESPONSÁVEL COMO A QUE É PROFESSADA PELA GENERALIDADE DOS POLÍTICOS ALIMENTADOS A CABEÇALHOS DE IMPRENSA E DOCUMENTÁRIOS HOLLYWOODESCOS.
Se ele não se importar, subscrevo na íntegra.

Respeito é bom e o Papa gosta

El jefe de la iglesia católica aseguró que estaba "satisfecho de haber convocado la reunión para así consolidar los lazos de amistad entre la Santa Sede y los países musulmanes del mundo", sin entrar a fondo en la controversia causada por su disertación sobre la fe, la violencia y el Islam pronunciada en la Universidad de Ratisbona y que desató la ira de la comunidad musulmana.
(...)
"El respeto exige reciprocidad, sobre todo desde el punto de vista de la libertad religiosa", afirmó el Papa citando el "memorable discurso del Papa Karol Wojtyla ante los jóvenes de Casablanca, en Marruecos", agregó.

(via El Nacional)

O Papa não cedeu às chantagens e colocou-os em seu devido lugar, com firmeza. Assim é que se faz!

O monstro tem muita fome

CM:

As despesas com funcionários públicos absorvem perto de 61 por cento dos impostos directos e indirectos pagos pelos portugueses. Um valor que ascende aos 22 mil milhões de euros e que representa 15 por cento do Produto Interno Bruto (PIB), a riqueza anual gerada pelo País.

Estamos a falar de 61% da riqueza que é retirada ao sector privado (o qual deixa de a poder considerar nas suas opções entre consumir, poupar e investir), para pagar o funcionalismo público.
Deve ser a isto que se referem as teorias da função redistribuidora de riqueza pelo estado.

Notícias da Hungria

Mais um triunfo da política negocial de Zapatero

O aborto e as interferências no "jogo político"

Durão Barroso em entrevista

"O Papa pode dizer o que ele quiser"

Este foi o título escolhido pelo Die Welt para ilustrar a entrevista que fez a José Manuel Durão Barroso e publicada ontem:

Die Welt: (...) A reacção à controversia sobre as declarações do Papa foi a apropriada?
D.B: Atacar o Papa, porque no seu discurso se referiu a um documento histórico, é completamente inaceitável. Eu fiquei desapontado, que não existisse nenhum líder europeu que dissesse: naturalmento o Papa tem o direito de expressar as suas opiniões. O problema não são as suas declarações, mas as reacções dos extremistas.

Die Welt: Porque foram os políticos europeus tão reservados?
D.B: Talvez porque haja preocupação sobre uma possível confrontação. E por vezes uma espécie de politicamente correcto: só somos tolerantes quando colocamos a opinião dos outros acima da [nossa] própria. Apoio muito a tolerância, mas devemos defender os nossos valores.

Die Welt: Estamos em guerra contra os Islamitas?
D.B.: Há extremistas que dizem: o nosso objectivo é pôr um fim à vossa civilização. Penso que os devíamos levar muito a sério. Alguns deles são gente muito educada que estudou nas nossas universidades. E no entanto odeiam as nossas sociedades abertas, os nossos sistemas económicos liberais. Quando eles estão prontos a matar-se por isso, não acredita que estão também prontos a matar-nos?

Tradução da minha responsabilidade.

Aborto financiado pelos contribuintes?

Faz sentido que, numa época em que o planeamento familiar é amplamente eficaz, havendo crianças - vivas - que nos hospitais não têm os tratamentos necessários por ausência de verbas, se canalizem recursos para práticas de aborto a pedido?

No rescaldo do lançamento do Sol (2)

Depois de dez anos de consolidação contínua, os media portugueses, como os seus homólogos estrangeiros, começam a sofrer a concorrência de novas formas de comunicação. O sector audiovisual ainda está resguardado, mas a imprensa escrita tradicional já começou a sentir o embate. Os blogues ainda fazem pouca mossa, mas as edições online estruturadas agigantam-se, e a imprensa gratuita está instalada.

No rescaldo do lançamento do Sol (1)

Ficamos contentes quando surge um novo jornal, por muito fraco que ele seja. No fundo, toleramos a mediocridade, desincentivamos a inovação, o que diminui a concorrência a produtos pobres (em qualidade) mas bem sucedidos (o caso, por exemplo, do Expresso), perpetuando essa pobreza ao perpetuar o seu sucesso.

A tolerância islâmica e o martírio de cristãos

Acabam de ser martirizados três "portuguis". Acossado pela quase unanimidade da opinião pública mundial, o islão contra-ataca, acusando de terrorismo três desgraçados cujo único crime foi resistir à islamização crescente de todo o arquipélago insulíndio. Mais uma vez deparamos com a tão apregoada tolerância islâmica, que é simplesmente desmentida pelos factos.

E se fosse pr'ó....

Pré-aviso de despedimento a Fernando Santos

Luís Filipe Vieira e José Veiga estão ao lado do treinador, não se deixando abater pela contestação dos adeptos. O lugar de Fernando Santos não está em causa

Em destaque

A islamização da Europa

Não há alternativas para quem?

Hugo Chávez mata Noam Chomsky

At a news conference after his spirited address to the United Nations on Wednesday, President Hugo Chávez of Venezuela expressed one regret: not having met that icon of the American left, the linguist Noam Chomsky, before his death.

24.9.06

Egito proíbe jornais europeus

O Egito proibiu a circulação de edições de dois jornais da Europa, o francês "Le Figaro" e o alemão "Frankfurter Allgemeine Zeitung", devido a artigos considerados insultantes ao Islã, informou neste domingo a agência de notícias estatal MENA.

Por um decreto emitido pelo ministro da Informação, Anas el-Feki, as edições não poderão entrar no país
.

As virtudes dos monólogos

Já o braço político da ETA, o ilegalizado Batasuna, veio já hoje criticar as negociações de paz desencadeadas pelo Governo espanhol.

Este comunicado da ETA foi lido por três indivíduos de cara tapada, neste que é o Dia do Soldado Basco.(...)"

Notícia RR.

Mundo Moderno

Via Brasileira ao Socialismo

“Durante jantar de plutocratas a que Lula compareceu na quinta-feira, o empresário Eugenio Staub perguntou-lhe como pretendia fazer, durante um segundo mandato, as reformas que julga necessárias. "Nosso Guia" respondeu: "Staub, não acorde o demônio que tem em mim, porque a vontade que dá é de fechar esse Congresso e fazer o que é preciso". Segundo Lula, o próximo Congresso será pior do que "esse que está aí", pois virá com Paulo Maluf e Clodovil. Expressando-se na sua língua franca, deixou mal a mãe de pelo menos 20 notáveis nacionais. A proposta golpista do demônio que Lula carrega consigo foi contestada pelos inúmeros convidados que a ouviram. Lula vê outro empecilho para o êxito do seu projeto: a imprensa. Nos últimos 50 anos, o coisa-ruim rondou três presidentes: Jânio Quadros, João Goulart e Costa e Silva. Nenhum deles concluiu o mandato. (Castello Branco e Ernesto Geisel fecharam o Congresso por poucas semanas.) Seja o que Deus quiser.” - Folha de São Paulo, 16 de setembro de 2006.

(via Outras Letras)

A ironia